TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

MEDITAÇÕES 107 - RESGATANDO OS BONS E VELHOS COSTUMES

RESGATANDO OS BONS E VELHOS COSTUMES            
           
             Introdução: Há poucos dias conversava com um amigo sobre a necessidade da igreja resgatar os velhos e bons costumes deixados por nossos pais cristãos.
            Estou falando dos valores que eles transmitiram a nós, valores estes que receberam de seus pais (nossos avós), que por sua vez receberam de nossos bisavós, e assim por diante. Valores passados de geração a geração.
            Sei que muitas coisas mudaram e que o mundo continua em mudança. Contudo o ser humano, como pessoa, não muda, seus problemas são sempre os mesmos, A luta de Adão ainda é nossa luta hoje; os problemas enfrentados por Noé, Moisés, Pedro, Paulo e até Jesus, ainda continuam agindo em nossas vidas e consequentemente me nossa sociedade. Se assim não fosse a Palavra de Deus não teria nenhum sentido para nós hoje. A Palavra de Deus é relevante hoje, porque continua respondendo a necessidade maior do homem.
            Minha palavra hoje é um desafio para nós Igreja de Cristo trabalharmos para resgatarmos os velhos e bons costumes:
  • Da educação - quando os velhos eram respeitados, as mulheres honradas, ...o próximo era um ser humano e não um lixo a ser descartado;
  • Da lisura - quando o nome ou sobrenome era uma honra a ser defendida, uma palavra dada era um compromisso certo. As pessoas davam a vida para honrar uma palavra dada;
  • Da ética - quando o compromisso com a verdade e com a integridade valia mais do que os ganhos materiais. Quando a palavra “malandro” não era sinônimo de esperto, mas de mau caráter;
  • Do respeito por si mesmo - quando se tinha vergonha de se vestir com pudor, de falar palavrões, de cair na boca do povo.
  • Da família – quando essa palavra significava simplesmente a união de um homem e uma mulher e sendo que essa união era muitas vezes acrescidas pelos filhos. Família traduzia a existência de um lar, um lugar seguro, composta pela figura masculina de um pai, pela figura feminina de uma mãe e de alguns filhos. Hoje família pode representar uma variedade de união. Por exemplo: 1) União de pessoas do mesmo sexo (homossexualismo). 2) União de pessoas de sexo diferentes (heterossexualismo), mas composta de filhos e cachorros. 3) União hetero composta por um homem que é pai e padrasto ao mesmo tempo ou uma mulher que é mãe e madrasta ao mesmo tempo. 4) De filhos que vivem divididos entre dois lares fruto da separação dos pais. 5) etc.
  • Da espiritualidade sadia e não religiosidade – quando se buscavam a Deus e não as bênçãos de Deus. Quando se adorava a Deus e não os bens que Deus pode dar aos homens. Quando se liam a Bíblia com o entendimento que ela é a Palavra de Deus e não a usavam como amuleto de sorte. Quando obedeciam a Palavra de Deus e não a manipulavam para defender seus interesses.
  • Da Igreja – quando esta palavra significa um lugar de encontro de cristãos para fortalecimento de sua fé, para adoração à Jesus Cristo, para aprender sobre a vontade de Deus; e não um local de negócios, de vendas de produtos celestiais, de praticas religiosas vazias de espiritualidade e de conteúdo.
Precisamos trabalhar para transformar nossa sociedade hoje! Acredito que o caminho não é inventar novos padrões de vida ou aceitar aquilo que a sociedade deseja que aceitemos.
   Se desejamos transformar nossa sociedade em uma sociedade mais humana, mais ecológica, mais sustentável, a resposta para isso está no retorno aos velhos e bons costumes deixados pelos nossos pais.
        
    Transição: A Palavra de Deus nos aponta diversos momentos da história de Israel em que o povo estava sendo oprimido pelos poderosos, fossem eles judeus ou não; em que a religiosidade se encontrava efeverscente diante uma espiritualidade superficial; em que as famílias eram destruídas pela miséria que levava pais a entregarem seus filhos como escravos aos ricos e poderosos; em que os valores humanos eram trocados pelos interesses da sobrevivência e da ganância de alguns; onde órfãos e viúvas eram esquecidos e entregues a própria sorte, isto é, a morte e a miséria.
       Destaco aqui alguns textos que nos apresentam homens que receberam uma nação falida economicamente, socialmente, espiritualmente e a levantaram. Como? Vejamos o que os textos nos ensinam.
      Textos: 2 Cr 17.1-6 e 10 - 2 Cr 21.10  16 - 2 Rs 18.2-7
     Não posso deixar de citar ainda a Reforma do ocorrida no século XVI, que foi um movimento que procurou trazer a sociedade e a igreja de sua época para os bons e velhos costumes ensinados por Cristo e pelos próprios apóstolos. A Reforma, assim como os textos acima, nos apontam caminhos para a mudança que se faz necessária a sociedade de nossos dias.
      Hoje gostaria de apontar alguns passos para retornarmos aos bons e velhos costumes. 




1 – Precisamos resgatar a Palavra de Deus como nossa única regra de fé e prática
           A Reforma de Josafá passou pela busca a Deus e pela obediência aos seus mandamentos. A Reforma de Ezequias passou pela busca a Deus e pela obediência aos seus mandamentos. A Reforma Protestante do século XVI passou pela busca a Deus e pela obediência aos seus mandamentos.
            No século XVI a sociedade estava em desespero espiritual. Os homens desejavam o céu, mas não sabiam como alcança-lo. A igreja deveria dar a resposta, entretanto perdida em uma teologia rasa e mística, a igreja mergulhou numa religiosidade escravizante, que colocava sobre todos um peso de culpa indescritível. A sociedade era enganada, pelos religiosos, que exigiam deles pagamentos para se entrar no céu. As indulgências, criada pela igreja e não por Deus, eram o caminho, segundo a igreja, para obterem o perdão de Deus. A igreja vendia o que Deus já havia dado de graça para o homem.
            Hoje muitas igrejas continuam vendendo indulgências, vendendo o que Deus já deu de graça para o homem. Apenas mudou o produto da venda. Não se vende o céu, mas as bênçãos de Deus, o favor, a prosperidade, a saúde, etc.
Deus não condicionou suas bênçãos as obras do homem ou ao dinheiro do homem. Deus concedeu pela fé, em Cristo Jesus, toda sortes de bênçãos aos homens de graça.
Só poderemos fazer diferença em nossa sociedade se voltarmos para a Palavra de Deus e fizermos dela nossa única regra de fé e prática, como fez Josafá, Ezequias e os Reformadores do século XVI.
Vivemos um período chamado de pós-moderno, onde a sociedade defende o direito de todos viverem como quiserem. A sociedade afirma que a “verdade” é relativa... cada um tem sua verdade. A verdade não é igual para todos, ela é definida por cada um conforme seu próprio entendimento.
Contudo existe somente uma verdade. Jesus Cristo disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai se não por mim” (Jo 14.6). As palavras de Jesus foram registradas na Palavra de Deus para que não nos percamos nas muitas mentiras produzidas pelo deus deste século e que é comprada pelos homens que não possuem entendimento da verdade.
Somente no encontro com a Palavra de Deus poderemos compreender e fundamentar nossa responsabilidade na sustentabilidade do nosso planeta. Deus nos fez mordomos... um dos nossos deveres como mordomo é cuidar de maneira responsável da vida deste planeta. Não posso consumir água de maneira irresponsável sem que eu afete a vida do meu próximo e possivelmente dos meus filhos e netos. Não posso jogar lixo de maneira irresponsável sem prejudicar a casa do meu vizinho, sem comprometer a saúde do meu próximo. Não podemos dizer que amamos ao nosso próximo se não zelarmos por sua vida. Minhas ações serão diferentes se realmente eu me voltar para a Palavra de Deus. A Bíblia diz: “Ame ao teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22.39) e também diz: “não faça ao seu próximo aquilo que não quer que façam com você” (Mt 7.12).
O que estou tentando dizer é que a resposta da sustentabilidade que o mundo tanto busca está em JESUS. A resposta já foi dada por Deus através de Sua Palavra. Jesus é a sustentabilidade para o mundo. Somente transformados por seu poder poderemos amar de verdade e vivermos renunciando a cada dia a nós mesmos em prol do outro. Desta forma amaremos o próximo, cuidaremos do nosso planeta e serviremos a Deus como Ele deseja.
A Palavra de Deus precisa ser resgatada para que possamos reaprender a vivermos em sociedade.

2 - Precisamos produzir ações que testifiquem que a Palavra de Deus é nossa única regra de fé e prática
Embora seja uma redundância essa afirmação do segundo ponto, uma vez, que ao afirmar que a Palavra de Deus deve ser nossa única regra de fé e prática, já implicamos que devemos agir segundo o que ela estabelece.
Contudo, entendo que este segundo ponto é relevante em nossos dias visto que as igrejas hoje declaram crer na Bíblia, mas não a utilizam para definir seus valores e principios.
Quando a Bíblia diz que Josafá andou nos mandamentos de Deus, ela está dizendo que ele pôs sua fé em ação segundo os mandamentos de Deus. O mesmo acontece quando ela se refere a expressão que Ezequias e Josias guardaram os mandamentos de Deus.
Não adianta conhecermos a Bíblia, todas as leis de Deus, toda Sua vontade e não aplicarmos Suas leis e valores como fundamentos para nossas decisões e ações. Não adianta entrarmos em transe num culto super-ungido e no outro dia se quer oramos. Não adianta nós sabermos que Deus não deseja que roubemos, e em nosso dia a dia, enganamos as pessoas, lhe roubando o direito de conhecerem a verdade para fazerem suas escolhas.
Josafá, Ezequias, Josias e os reformadores não viveram um momento de grande emoção em um culto, não tiveram nenhuma grande visão, não falaram em línguas, não pegaram em serpentes, mas mudaram suas histórias e a história daqueles que o conheceram. Estes homens fizeram reformas profundas em suas vidas e em seus reinados devido ao compromisso que assumiram em viver o que está escrito na Palavra de Deus. Ex.; Eles puseram fins aos cultos pagãos, restauraram a casa de Deus (o culto à Deus), levaram o povo a se encontrar com a Palavra de Deus, etc.
O conhecimento da Palavra de Deus deve produzir uma pratica religiosa pura, autêntica e de uma espiritualidade contagiante e de alto nível, e não superficial como vemos por aí.
O conhecimento da Palavra de Deus deve gerar a partir de mim e de você uma mudança social. A verdade deveria prevalecer nos negócios e nas relações pessoais acima da mentira e do interesse de querer se dar bem.
O conhecimento deveria produzir um sentimento de solidariedade real que nos conduziria a desejar o bem do nosso próximo, a dividir as bênçãos de Deus com os menos favorecidos, conforme na igreja de Atos.
A reforma do século XVI levou homens a se tornarem mártires, simplesmente porque queriam revelar a verdade salvadora que a igreja escondia. A igreja mantinha a Palavra longe dos leigos para que pudessem continuar manipulando-os e enchendo seus cofres.
Hoje assistimos a mesma realidade do século XVI acontecendo em muitas igrejas brasileiras. As igrejas não estão praticando os ensinos de Cristo.  
Deveríamos ser os primeiros a lutar pela justiça, por um mundo ecologicamente correto, mas principalmente por levar a salvação aos homens de graça e não em troca de favores ou dinheiro.
A verdadeira igreja de Cristo deve se empenhar em acabar com os cultos a Mamom, aos homens, etc. Deveria produzir em seus adeptos mudança em sua relação profissional, pessoal, famíliar e espiritual.
O encontro com a Palavra de Deus deve produzir em mim e em você uma reforma, que deve gerar uma grande reforma através da Igreja de Cristo.

Aplicação: 
1) A Escritura tem sido o fundamento de suas decisões? Ela é a base onde você constrói sua vida e seus valores?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS