TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 749 - UNIDADE, UM SONHO? (2)


REFLEXÃO 364 - A OUTRA HISTÓRIA DO DILÚVIO

A outra história do dilúvio

Deus olhou a terra e viu que o homem era mau. Ele resolveu destruir a terra, o homem e os animais porque a terra tinha se corrompido tanto. No entanto, tinha um homem que seguiu a lei de Deus. O nome dele era Noé.
Deus foi a Noé e lhe disse que iria destruir a terra. Ele mandou que Noé construísse uma arca para ele e sua família serem salvos. Deus lhe deu especificações para os materiais e as medidas da arca. Por exemplo, ele disse a Noé para construir a arca de cipreste e para fazê-la de um comprimento de 300 côvados. Ele também disse a Noé que ele devia levar um macho e uma fêmea de toda espécie para dentro da arca com ele para que aquela vida não fosse destruída completamente.
Noé ouviu Deus mas resolveu que seria melhor construir a arca usando carvalho em vez de cipreste. Ele também decidiu que a arca devia ter 350 côvados de comprimento para ter espaço para duas fêmeas em vez de só uma. Noé pensou que levar três de todos os animais seria melhor caso uma das fêmeas ficasse doente e morresse.
A chuva caiu e as enchentes começaram. No entanto, a arca de Noé começou a afundar. Quando ele perguntou a Deus por que, Deus lhe disse que ele não seguiu seus mandamentos. Noé explicou que ele havia seguido as instruções de Deus mas ele as mudou para melhorar a arca. Deus não aceitou essa desculpa e....
O que teria acontecido com Noé se ele tivesse se recusado a obedecer a Deus em tudo? Ele provavelmente teria morrido no dilúvio junto com tudo e todos na arca. Felizmente, Noé obedeceu a Deus perfeitamente na construção da arca e a vida foi sustentada.
Essa história pode parecer exagerada, mas é o princípio exato que está sendo usado por muitas pessoas hoje em dia. As pessoas acreditam que elas podem adorar a Deus da maneira que acharem melhor. Elas acreditam que tem direito a sua opinião própria. Têm a atitude que todos que acreditarem que Deus existe irão para o céu independente da maneira que se comporta ou daquilo que pratica. Muitas pessoas acreditam que podem mudar os ensinamentos da Bíblia para caber no estilo de vida que têm, nas práticas de adoração das quais praticam ou em qualquer coisa que elas pensam que é certa.
Na realidade, nós temos um padrão pelo qual devemos viver – a palavra de Deus. Só porque acreditamos que algo é certo não quer dizer que Deus acha. Devemos ler, entender e seguir as escrituras. Isso é a única maneira que podemos aprender o que é aceitável e o que não é. Devemos sempre lembrar a seguinte passagem: “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho” (2 João 9). Noé tomou a decisão certa e ouviu a Deus. O que você fará?

–por Johnny Stringer


quinta-feira, 19 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 748 - UMA REFLEXÃO SOBRE A OBRA DE GANHAR ALMAS (2)


REFLEXÃO 363 - A OUSADIA DE PAULO

A ousadia de Paulo

Quando o apóstolo Paulo condenou de forma veemente o homossexualismo masculino e feminino na Epístola endereçada aos cristãos residentes em Roma, ele demonstrou uma ousadia enorme, naturalmente alimentada por suas convicções pessoais e por estímulos que vinham do próprio Deus, como este: "Não tenha medo, continue falando e não fique calado" (At 18.9 NVI).
O homossexualismo exercia grande poder sobre o mundo mediterrâneo naquela época e nos séculos anteriores, desde o filósofo grego Sócrates (459? — 399 a.C.), que praticava o homossexualismo, e desde Platão (427? - 347 a.C.), que escreveu uma das maiores obras do mundo sobre o amor, só tem que o seu texto era sobre o amor antinatural.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 747 - UMA GENEALOGIA DE INCLUSÃO E NÃO EXCLUSÃO (2)


REFLEXÃO 362 - A OSTRA

A ostra

Lá no fundo do oceano, uma ostra abriu bem a sua concha para deixar a água passar através dela. Da água que passava suas guelras extraíam o alimento que a seguir ia para o estômago. De repente, um peixe grande ali perto levantou uma nuvem de areia e lodo com um movimento do seu rabo. Areia?! Oh, como a ostra detestava areia. Era áspera e fazia sua vida muito desagradável e desconfortável, era um grande incômodo sempre que entrava na sua concha. Rapidamente a ostra se fechou, mas tarde demais. Um grãozinho duro e saibroso tinha entrado e se alojado no interior da ostra.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 746 - SOFRER OU NÃO SOFRER EIS A QUESTÃO! (2)


ANTROPOLOGIA 15 - A ORIGEM SUPERIOR DAS ESPÉCIES

A ORIGEM SUPERIOR DAS ESPÉCIES

 INTRODUÇÃO GERAL
Para substituir o evolucionismo, que dominou os últimos 140 anos, estamos propondo a Teoria da Origem Superior das Espécies.
De certo modo é o oposto da Teoria da Origem Inferior das espécies, proposta por Darwin.
É superior porque toma como base um grupo de fósseis não só inexplicáveis pela teoria evolucionista, como desafiadores, e por si só desafiantes para uma nova proposta.
São os fósseis gigantes.
Lá estão eles, os ancestrais da maioria das espécies, gigantescos, com o dobro do tamanho das espécies congêneres atuais, completos, majestosos, magníficos!
Nossa linha de argumentação será a defesa da ciência, ou a defesa do método científico, que exige a observação acurada, como passo número um, seguida da honestidade intelectual.
A partir da década de noventa, a descoberta de uma série de fatos novos começou a abalar as estruturas do evolucionismo.
Vamos aos fatos, meus amigos!
Apresentaremos então, de modo compacto, a Teoria da Origem Superior das Espécies, procurando comparar as duas proposições, à medida que formos apresentando o temário.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 745 - SINAIS DA VINDA DO FILHO DO HOMEM (2)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 12 - A ORIGEM DOS "ANABATISTAS"

A ORIGEM DOS "ANABATISTAS"

Como vimos no final do capítulo dois, com a desfraternização dos cristãos entre os anos de 225 a 253 A.D., surgiu dois grandes blocos de cristãos. O bloco dos anabatistas e o bloco das igrejas erradas. Neste capítulo trataremos especificamente com o futuro que tomou as igrejas fiéis cognominadas de "anabatistas".

QUEM FORAM OS ANABATISTAS?
Nos livros de história e em muitas enciclopédias encontraremos algumas notas sobre quem foram os anabatistas. Em alguns livros são chamados de "dissidentes", e em outros de "seita de heréticos". Há escritores que não querendo se comprometer com sua maioria de leitores católicos ou protestantes, chama-os de "fanáticos religiosos".
Observando estas poucas entre muitas referencias erradas sobre eles, podemos analisar cuidadosamente. Eram dissidentes? Não. Dissidente é uma pessoa que se separa de outro por algum motivo. Eles não se separaram de ninguém. Apenas não concordavam com heresias dentro da igreja. Se uma igreja tem 20 membros. Quinze resolve mudar a fé. Cinco permanecem fiéis. Quem dissidiu? Os quinze que estão no erro ou os cinco que permaneceram fiéis? É evidente que dissidente é aquele que saiu daquilo que está certo e firmado.
Chamá-los de um ajuntamento de heréticos é o mesmo que chamar os apóstolos de heréticos. Não foram os anabatistas que mudaram de fé. Nunca foi a intenção de um anabatista mudar aquilo que Deus ordenou. Heréticos foram os pastores e membros das igrejas erradas, os mesmos que posteriormente foram conhecidos como católicos. Os anabatistas não eram uma facção de cristãos. Eles eram os verdadeiros cristãos. Portanto, seita foi a igreja - Católica - que surgiu tendo como membros indivíduos e pastores excluídos por motivos biblicamente corretos.
Também não eram fanáticos religiosos. Seguir a Cristo como manda as escrituras não é ser fanático, é ser discípulo verdadeiro. Discordar de heresias não é fanatismo, é zelo pela palavra de Deus. Seria os apóstolos fanáticos? Zaqueu foi um fanático por querer fazer a vontade de Deus? Paulo foi um fanático quando condenou a idolatria? Pedro foi um fanático quando discordou da salvação pelas obras? De forma alguma. A maior prova de que os anabatistas não eram fanáticos está no exemplo dos primeiros cristãos mencionados no livro de Atos.
Podemos afirmar com certeza que os anabatistas foram os verdadeiros seguidores de Jesus entre os anos de 225 até os anos de 1600. Homens que amavam servir a Cristo. Eram cristãos que não concordavam com o erro grotesco de ver pessoas acreditando que o batismo ajudava na salvação; Cristãos que não aceitavam em ver um bispo monárquico querendo mandar no rebanho de Deus. Igrejas que tiveram a coragem de excluir do meio cristão original as igrejas heréticas. Foram eles os autênticos sucessores dos apóstolos na obediência a Jesus e a sua Palavra.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 744 - A ORAÇÃO DO DISCÍPULO (parte 7)


NATAL 4 - A ORIGEM DO NATAL

A Origem do Natal

Pergunta: O SOL Invictus celebra-se no Natal, o chamado Natalis Solis Invictus, ou Nascimento do Sol Invencível. Trata-se da grande celebração do poder solar invencível, que retorna. Correto?
Resposta: As festividades aconteciam por volta de 21 a 23 de Dezembro, altura do Solstício de Inverno, momento do início do retorno da luz. Isto é que não é igual.
A Saturnalia (festival tradicional de Saturno) tinha lugar de 17 a 23 de Dezembro. A festividade de Sol Invictus foi instituida muito tardiamente pelo imperador Aurelianus em 25 de Dezembro (data oficial do Solsticio de Inverno no calendario Juliano) de 274 DC com a dedicacao do templo de Sol Invictus em Roma. Aurelianus tinha estado na Siria e foi influenciado pelos cultos solares das cidades sirias: Sol Invictus Elagabalus (em Emesa), Sol Invictus Malakbelus (em Palmyra). Alem disso o seu nome estava ligado ao clã dos Aurelii, o qual desde tempos imemoriais era responsavel pelo culto de Sol Indiges em Roma. Assim, Aurelianus reviveu o culto solar em Roma fazendo uma mistura entre os deuses sirios e o Sol Indiges tradicional Romano.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 743 - SEJAMOS TESTEMUNHAS FIÉIS DE CRISTO (2)


ANTROPOLOGIA 14 - A ORIGEM DO HOMEM

A ORIGEM DO HOMEM


A PALAVRA DO ESPIRITISMO:

"Da semelhança, que há, de formas exteriores entre o corpo do homem e do macaco, concluíram alguns fisiologistas que o primeiro é apenas uma transformação do segundo. Nada aí há de impossível, nem o que, se assim for, afete a dignidade do homem. Bem pode dar-se que corpos de macaco tenham servido de vestidura dos primeiros espíritos humanos, forçosamente pouco adiantados, que viessem encarnar na Terra, sendo essa vestidura mais apropriada às suas necessidades e mais adequadas ao exercício de suas faculdades, do que o corpo de qualquer outro animal. Em vez de se fazer para o espírito um invólucro especial, ele teria achado um já pronto. VESTIU-SE ENTÃO DAS PELE DE MACACO, sem deixar de ser espírito humano, como o homem não raro se reveste da pele de certos animais, sem deixar de ser homem" (A Gênese, Allan Kardec, FEB, Rio de Janeiro, 1985, 28a ed., p. 212).
Allan Kardec, como se vê, ficou muito impressionado com a teoria revolucionista do seu contemporâneo inglês Charles Robert Darwin (1809-1882), e resolveu incluí-la na codificação do Espiritismo. Seus adeptos seguiram-lhe os passos. O espírita Alexandre Dias, no livro Contribuições para o Espiritismo (2a ed., Rio de Janeiro, 1950, a partir da p. 19), além de corroborar o pensamento kardecista, acrescentou que antes de serem macacos, os homens foram um mineral qualquer, ou seja, uma pedra ou um tijolo. Não apenas isso: "A espécie humana provém material e espiritualmente da pedra bruta, das plantas, dos peixes, dos quadrúpedes, do mono (macaco). E, de homem, ascenderá a espírito, a anjo, indo povoar mundos superiores..."(Leopoldo Machado, Revista Internacional do Espiritismo, 1941, Matão, SP, p. 193).
"A espécie humana não começou por um só homem. Aquele a quem chamais Adão não foi o primeiro nem o único a povoar a Terra" (Livro dos Espíritos, Allan Kardec, resposta à pergunta número 50).



A PALAVRA DO CRISTIANISMO

terça-feira, 3 de outubro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 742 - REFLEXÃO: SALMO 37


ESTUDOS 155 - A ORIGEM DO EVANGELHO DE PAULO

A ORIGEM DO EVANGELHO DE PAULO
Galatas 1.11-19

Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo (Gl 1.12)

Ano d.C
Acontecimentos
33-34
Conversão em Damasco
35-47
Anos de Silêncio. Sabemos apenas o seguinte:
1. Passou algum tempo na Arábia e em Damasco (3 anos)
2. Fez sua primeira viagem a Jerusalém
3. Foi para Tarso, na região da Síria-Cilícia
4. Esteve com Barnabe na Antioquia
5. Com Barnabe levou socorro aos irmãos da Judéia - Segunda Viagem a Jerusalém (14 anos depois de sua conversão)
6. Volta para Antioquia; enviado com Barnabé pela igreja de Antioquia, para a obra missionária
47-48
Primeira viagem missionária: teria escrito Gálatas(?)
49
Concílio em Jerusalém - Paulo visita Jerusalém (cf. At 15 com Gl 2.1)

Introdução
O estudo é sobre a apologia irrefutável e indestrutível da autencidade da doutrina Cristã revelada por Deus a Paulo e de sua autoridade apostólica. De tal modo ele pregava, vivia, e defendia o evangelho de Cristo que chamava-o " meu evangelho" (Rm 2.16; 16.25; 2 Tm 2.8). Em Galatas Paulo expõe vários fatos de sua vida pessoal como prova de que recebeu o evangelho diretamemente de Deus.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 740 - REFLEXÃO: SALMO 23 (2 parte)


CARNAVAL 1 - A ORIGEM DO CARNAVAL

A Origem do Carnaval

O Carnaval, essa festa que arrebata multidões para as ruas, promove desfiles suntuosos, comelança, excessos em geral e também muita violência, liberalidade sexual etc. Ao estudarmos a origem do Carnaval, vemos que ele foi uma festa instituída para que as pessoas pudessem se esbaldar com comidas e festa antes que chegasse o momento de consagração e jejum que precede a Páscoa, a Quaresma. Veja o que a The Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997 nos diz a respeito:
"O Carnaval é uma celebração que combina desfiles, enfeites, festas folclóricas e comelança que é comumente mantido nos países católicos durante a semana que precede a Quaresma. Carnaval, provavelmente vem da palavra latina "carnelevarium" (Eliminação da carne), ticamente começa cedo no ano novo, geralmente no Epifânio, 6 de Janeiro, e termina em Fevereiro com a Mardi Gras na terça-feira da penitência (Shrove Tuesday)." (The Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997. Traduzido por Irlan de Alvarenga Cidade)
Em contra partida vemos que isso era apenas um pretexto para que os romanos e gregos continuassem com suas comemorações pagãs, apenas com outro nome, já que a Igreja Católica era quem ditava as ordens na época e não era nada ortodóxo se manter uma comemoração pagã em meio a um mundo que se dizia Cristão.
"Provavelmente originário dos "Ritos da Fertilidade da Primavera Pagã", o primeiro carnaval que se tem origem foi na Festa de Osiris no Egito, o evento que marca o recuo das águas do Nilo. Os Carnavais alcançaram o pico de distúrbio, desordem, excesso, orgia e desperdício, junto com a Bacchanalia Romana e a Saturnalia. Durante a Idade Média a Igreja tentou controlar as comemorações. Papas algumas vezes serviam de patronos, então os piores excessos eram gradualmente eliminados e o carnaval era assimilado como o último festival antes da ascensão da Quaresma. A tradição do Carnaval ainda é comemorada na Bélgica, Itália, França e Alemanha. No hemisfério Ocidental, o principal carnaval acontece no Rio de Janeiro, Brasil (desde 1840) e a Mardi Gras em New Orleans, E.U.A. (dede 1857). Pre´-Cristãos medievais e Carnavais modernos tem um papel temático importante. Eles celebram a morte do inverno e a celebração do renascimento da natureza, ultimamente reunímos o individual ao espiritual e aos códigos sociais da cultura. Ritos antigos de fertilidade, com eles sacrifícios aos deuses, exemplificam esse encontro, assim como fazem os jogos penitenciais Cristãos. Por outro lado, o carnaval permite paródias, e separação temporária de constrangimentos sociais e religiosos. Por exemplo, escravos são iguais aos seus mestres durante a Saturnália Romana; a festa medieval dos idiotas inclui uma missa blasfemiosa; e durante o carnaval fantasias sexuais e tabus sociais são, algumas vezes, temporariamente supensos." (The Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997. Traduzido por Irlan de Alvarenga Cidade)
A Enciclopédia Grolier exemplifica muito bem o que é, na verdade, o carnaval. Uma festa pagã que os católicos tentaram mascarar para parecer com uma festa cristã, assim como fizeram com o Natal. Os romanos adoravam comemorar com orgias, bebedices e glutonaria. A Bacchalia era a festa em homenagem a Baco, deus do vinho e da orgia, na Grécia, havia um deus muitíssimo semelhante a Baco, seu nome era Dionísio, da Mitologia Grega Dionísio era o deus do vinho e das orgias. Veja o que The Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997 diz a respeito da Bacchanalia, ou Bacanal, Baco e Dionísio e sobre o Festival Dionisiano:
"O Bacanal ou Bacchanalia era o Festival romano que celebrava os três dias de cada ano em honra a Baco, deus do vinho. Bebedices e orgias sexuais e outros excessos caracterizavam essa comemoração, o que ocasionou sua proibição em 186dC." (The Grolier Multimedia Encyclopedia, 1997. Traduzido por Irlan de Alvarenga Cidade)

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 739 - REFLEXÃO: SALMO 23 (1 parte)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 11 - A ORIGEM DO APELIDO "CRISTÃO"

A ORIGEM DO APELIDO "CRISTÃO"

QUE SIGNIFICA A PALAVRA "CRISTÃO"
O significado para a palavra cristão hoje é bem diferente do significado usado nas escrituras. Hoje, qualquer um que segue uma religião denominada "cristã", acha se no direito de dizer que é um cristão. Alguns são tão depravados em sua forma de viver que de maneira nenhuma fazem jus a essa palavra. Outros são tão errados biblicamente e mesmo assim insistem em achar-se cristãos. E aí está o problema: O próprio indivíduo achar-se um cristão quando não o é.
A palavra cristão como é usada na bíblia é um apelido. E este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna. A conduta (dentro da família e da sociedade), a transformação interior e exterior, sucediam a profissão de fé destes crentes. Tamanha era a transformação que se tornavam impossíveis de não serem notados. Então a própria sociedade, testemunhando esta transformação, chamava-os de "cristãos". Assim, ser apelidado de cristão seria uma grande honra a qualquer crente.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 738 - PRINCÍPIOS PARA ENCONTRAR SUA CARA METADE (2)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 10 - A QUEDA DO APELIDO ANABATISTA E O SURGIMENTO DO APELIDO BATISTA

A QUEDA DO APELIDO ANABATISTA E O SURGIMENTO DO APELIDO BATISTA

Na metade do século XVI, e no princípio do século XVII, há uma súbita queda do apelido "anabatista" e o aparecimento rápido do apelido "batista" em toda a Europa. Muitos procuram ligar a fundação das igrejas batistas na pessoa de John Smith (morto em 1612). Grandes historiadores como Orchard e Christian já fizeram o favor de desmentir essa teoria. Qualquer estudante da história das religiões, se agir com sinceridade, descobrirá que os batistas são o fim dos anabatistas. Os batistas são a junção de diversos grupos anabatistas em torno desse nome com a queda do prefixo "ana". E isso não aconteceu de repente ou de uma só vez. Foram necessário quase um século para que a junção dos anabatistas ao nome batista fosse possível. E só se tornou possível devido ao laborioso trabalho de resgate de pastores itinerantes que, levantados por Deus, uniram os diversos grupos ao nome batista e também, ao nome "menonita". 

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 737 - A ORAÇÃO DO DISCÍPULO (6 parte)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 9 - OS ANABATISTAS DO SÉCULO XVI

OS ANABATISTAS DO SÉCULO XVI

Tenho visto muitos historiadores da Igreja tentando responder erroneamente a questão de onde vieram os anabatistas do século XVI. A resposta correta é simples: Não vieram, já estavam. O movimento anabatista do século XVI é uma continuação dos movimentos anabatistas que atravessaram toda a Idade Média. Os costumes são iguais; a doutrina é a mesma; os membros tinham a mesma característica diante da sociedade. O fato de sabermos mais sobre os anabatistas do século XVI do que os anabatistas da Idade Média, não se deve ao fato de estarmos incertos sobre a existência dos últimos. Deve-se ao fato de que agora já tinham inventado a imprensa. E também, com a divisão do catolicismo no advento da Reforma, teríamos informações oficiais de dois lados, o catolicismo e o protestantismo. Além do que o século XVI está bem mais próximo de nossa época que o século IV. Pense bem: O que você sabe sobre o papa Silvestre do século IV? Quase nada. Que tal verificar na sua memória o que você sabe sobre Lutero, Cabral, e outros que viveram no século XVI? Tenho certeza que as informações sobre os últimos são bem mais amplas. Porque seria diferentes com os anabatistas? 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 736 - PASSOS PRÁTICOS PARA TRANSFORMAÇÃO DE NOSSO MUNDO (2)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 8 - IDENTIFICANDO OS ANABATISTAS DO SÉCULO XII a XV

IDENTIFICANDO OS ANABATISTAS DO SÉCULO XII a XV

Os anabatistas dos séculos XII ao XV são a continuação ou os descendentes diretos dos anabatistas primitivos. A única coisa que vai mudar é o sobrenome do apelido. Vimos que na primeira geração de anabatistas havia quatro grandes correntes, que ia desde o Oriente Médio até a Europa. A partir do século XII, a mais forte destas correntes (os paulicianos) fundiu sua identidade com os irmãos europeus que serão estudados neste capítulo. 
Dois grandes grupos de anabatistas apareceram neste período. Esse número pode ser bem maior, mas me falta conhecimento para integrá-los aos demais. Não é nossa idéia trabalhar com hipóteses. Trabalhamos com declarações e documentos de estudiosos no assunto de história das igrejas. Por isso consideraremos apenas dois grupos como autênticos anabatistas. São eles: Os albingenses e os Valdenses. A história de amor pela palavra de Deus, e a perseguição que sofreram decorrente deste amor, é uma das histórias mais lindas e tristes que já li. 

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 735 - PAI NOSSO O QUE TEM A NOS ENSINAR (3 parte)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 7 - OS BATISTAS

OS BATISTAS

A história dos batistas coincide com o final da história anabatista do século XVI. Na verdade é uma clara continuação das igrejas fiéis desde os tempos apostólicos até hoje. Escritores há, que movidos de inveja, e até mesmo de uma certa ignorância do caso, e outros, batistas, que não se importam com a origem de sua denominação, desejam dar aos batistas um começo no século XVII. Para tanto distorcem a história de algumas igrejas batistas, principalmente da Inglaterra, usando ora John Smith, ora Tomas Hellys como fundadores do movimento. Sinto em informar aos que concordam com essa idEia que estão errados ou mal intencionados a respeito da origem e história dos batistas. 

A ORIGEM DOS BATISTAS 
Podíamos simplificar e dizer que os batistas se originaram com os apóstolos. E é a pura verdade, pois, os apóstolos foram batistas, ou seja, batizavam. Mas os batistas tem sua origem nas igrejas antes denominadas de "anabatistas". É uma continuação do apelido. A única coisa que muda é o prefixo "ana", e este não caiu de uma hora para outra, foi um processo que levou quase cem anos para acontecer. A prova disso é a declaração do bispo Hosius, no concílio de Trento que chamou os anabatistas de "batistas", já em 1554. E nos Estados Unidos, a Igreja Anabatista de Newport foi fundada em 1639, e dez anos depois mudaria seu nome para igreja batista de Newport. Portanto, são 85 anos de transição de um nome para o outro. 
O fundador da Igreja Batista foi Jesus Cristo. Continuada pelos apóstolos ela teve uma grande ruptura em 225, quando as igrejas infiéis precisaram ser excluídas - que eram os católicos romanos e ortodoxos. Outra ruptura veio em 313, quando muitas igrejas fiéis aceitaram se unir com o Estado. Foram os batistas massacrados pelas igrejas infiéis durante treze séculos, tendo como apelido mais comum o epíteto de "anabatistas". No século XVII ela tem novo apelido, que é o de batista. Continuou sendo perseguida e só teve paz no século XVIII. Foi a partir dessa época que ela realmente conseguiu uma certa liberdade e cresceu, chegando hoje a milhões de adeptos espalhados em mais de duzentos países. Foi a primeira denominação a lançar um missionário na era moderna com Willyan Carey. Foi a primeira denominação a requerer liberdade religiosa a todas as denominações. É e continuará sendo uma igreja que segue princípios puramente bíblicos, os mesmos princípios dos seus antepassados anabatistas, os quais herdaram os princípios das igrejas apostólicas. 

terça-feira, 19 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 734 - PAI NOSSO O QUE TEM A NOS ENSINAR (2 parte)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 6 - IDENTIFICANDO OS ANABATISTAS ATÉ O SÉCULO XII

IDENTIFICANDO OS ANABATISTAS ATÉ O SÉCULO XII

Não é fácil traçar um lugar exato para o movimento dos anabatistas, pois os mesmos mudavam-se durante os períodos de graves perseguições. Outro problema é o apelido que eles levavam. Houve tempo em que mais de um apelido foi usado para designar o mesmo grupo de pessoas, é o caso dos montanistas na Ásia, Paulicianos na Armênia e Donatistas na África do Norte, todos viveram na mesma época entre os séculos IV ao VIII. No período que vai desde o ano 160 até 1100, houve pelo menos quatro grandes e influentes grupos de anabatistas. São eles: Os Montanistas - principalmente na Ásia Menor; Os Novacianos - Na Ásia Menor e na Europa; Os Donatistas - por toda a África do Norte; e os Paulicianos - primeiramente no oriente médio, indo para o centro europeu e de lá para os Alpes no sul e regiões campestres no norte da Europa.
Os apelidos que receberam derivavam-se ou de um nome pessoal (exemplo: Donatistas de Donato) ou podia ser derivado de um lugar (exemplo: Albingenses da cidade de Albi no sul da Franca). Porém, o que mais importava nestes quatro grupos, não era o nome que recebiam, mas se realmente eram fiéis às doutrinas da Bíblia.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 733 - OS PREJUÍZOS DA DESUNIÃO (2)


HISTÓRIA DO CRISTIANISMO 5 - A ORIGEM DO APELIDO "CRISTÃO" (1)

A ORIGEM DO APELIDO "CRISTÃO"  (1)

O QUE SIGNIFICA A PALAVRA "CRISTÃO"
O significado para a palavra cristão hoje é bem diferente do significado usado nas escrituras. Hoje, qualquer um que segue uma religião denominada "cristã", acha se no direito de dizer que é um cristão. Alguns são tão depravados em sua forma de viver que de maneira nenhuma fazem jus a essa palavra. Outros são tão errados biblicamente e mesmo assim insistem em achar-se cristãos. E aí está o problema: O próprio indivíduo achar-se um cristão quando não o é.
A palavra cristão como é usada na bíblia é um apelido. E este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna. A conduta (dentro da família e da sociedade), a transformação interior e exterior, sucediam a profissão de fé destes crentes. Tamanha era a transformação que se tornavam impossíveis de não serem notados. Então a própria sociedade, testemunhando esta transformação, chamava-os de "cristãos". Assim, ser apelidado de cristão seria uma grande honra a qualquer crente.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 732 - PAI NOSSO O QUE TEM A NOS ENSINAR? (1 parte)


DEMONOLOGIA 1 - A ORIGEM DE SATANÁS

A origem de Satanás

Abra qualquer número de obras de referência bíblica usadas comumente e olhe para o verbete "Satanás". Você encontrará, provavelmente, uma história familiar. Eu cito, como típico, o Complete Bible Handbook (Manual Completo da Bíblia), de L. O. Richards:
"O Velho Testamento indica que Satanás foi criado por Deus como um anjo governante chamado Lúcifer, com grandes poderes. Mas o orgulho levou Lúcifer a se rebelar contra Deus (conforme Isaías 14:12-14; Ezequiel 28:12-15). Torcido agora pelo pecado, Lúcifer é transformado em Satanás, que quer dizer `inimigo´ ou `adversário´ ...Satanás é um poderoso anjo decaído, intensamente hostil a Deus e antagonista do povo de Deus." (páginas 245, 801).
Pergunte à maioria das pessoas que crêem na Bíblia de onde veio Satanás e nove entre dez lhe darão uma versão da história citada acima. A idéia de que Satanás é um anjo decaído a quem Deus expulsou do céu e que caiu na terra é tão espalhada que muitas pessoas acreditam que a Bíblia a ensina.
Pode surpreendê-lo descobrir que a Bíblia não ensina tal coisa. É certo que há passagens na Bíblia que falam de seres caindo do céu, mas não são sobre Satanás e usam linguagem figurativa. Somente por uma leitura descuidada destes textos pode alguém chegar à história popular relativa à origem de Satanás. Examinemos as passagens bíblicas relevantes, no contexto.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 731 - OS ÚLTIMOS DIAS (2)


IGREJA (ECLESIOLOGIA) 9 - A ORIGEM DA IGREJA DO SENHOR JESUS CRISTO

A ORIGEM DA IGREJA DO SENHOR JESUS CRISTO

INTRODUÇÃO
Mateus 16:18 - Jesus disse que ia edificar Sua Igreja. Ele prometeu fazer isto! Quando Cristo promete fazer uma coisa, Ele faz mesmo! É possível que a promessa dele falhe? Nunca! O que Ele quer, Ele faz. Ele prometeu edificar sua igreja, portanto, sabemos com certeza que ela está aqui no mundo e estará até que Ele volte. Ele prometeu!

JOÃO O BATISTA
No Velho Testamento lemos a profecia de Deus que ia mandar João o Batista para ser o precursor do Messias, Jesus Cristo. (Isaías 40:3, Malaquias 3:3) No Novo Testamento lemos o cumprimento dela. (Mateus 3:3) A missão divina de João o Batista foi anunciar o Messias e preparar um povo para Ele. (João 1:6-8, Lucas 1:17) João o Batista foi enviado (comissionado) por Deus mesmo. Deus mandou ele para pregar o Evangelho e batizar os convertidos. João o Batista era o único homem autorizado para batizar no mundo naquele tempo. Não encontramos outro batismo na Bíblia autorizado por Deus. Temos que decidir, o batismo de João o Batista, é dos homens ou dos céus? Jesus fez esta pergunta aos fariseus e eles não quiseram responder, (Mateus 21:26-26), mas souberam a resposta certa. Claro que o batismo de João o Batista era e é de Deus, (João 1:29-34). Jesus reconheceu o batismo de João e aceitou-o quando foi batizado por ele. Todos os primeiros membros (os doze apóstolos) da primeira igreja em Jerusalém tiveram o Batismo de João o Batista também. Foi assim que João preparou um povo para Jesus Cristo. O Senhor Jesus Cristo formou sua primeira igreja em Jerusalém dos convertidos batizados por João o Batista. A igreja verdadeira de Cristo tem o batismo do Batista. Esta é a única igreja que tem. Todas as igrejas protestantes tem o batismo da igreja católica. Mas a igreja de Cristo nunca fez parte da igreja católica, portanto não é protestante, e nem tem o batismo dela. Ela começou com Jesus e tem o batismo de João o Batista. Sem dúvida nenhuma, esta é a igreja batista que tem o batismo de João.

A IGREJA DE CRISTO
A Igreja de Cristo (Batista) tem o batismo de João o Batista.
1. Cristo foi batizado por João. (Mateus 3:13-17) Ele andou 100 quilômetros para se batizar por João. Porque o batismo do Batista era (e é) o único autorizado por Deus. A autoridade no batismo é muito importante.
2. Cristo formou sua igreja dos batizados por João o Batista, os Apóstolos. (Atos 1:21-22, I Coríntios 12:28, Lucas 6:12-13)
3. Cristo prometeu perpetuar sua igreja até que venha. (Mateus 16:18, 28:18-20, I Coríntios 11:26) Portanto, sabemos que o batismo de João o Batista ainda está no mundo porque a igreja de Cristo ainda está no mundo. A pessoa que não tem este batismo não tem o batismo do Novo Testamento.
4. Jesus Cristo autorizou sua igreja fazer seu trabalho aqui neste mundo. (evangelizar, batizar, e ensinar todo o conselho de Deus). Só ela tem esta autoridade de Cristo. (Mateus 28:18-20, Efésios 3:21)
5. Qual é a igreja verdadeira que Cristo fundou e autorizou para fazer Seu trabalho? Como é o nome dela? Ela tem o único nome dado por Deus na Bíblia, Batista. Deus chamou João "O Batista". Quando ele nasceu o nome dele era só João. (Lucas 1:13, 63) Deus chamou ele O Batista porque era Batista. Não estou envergonhado para ser identificado com os batistas e ter o batismo deles, porque é o único reconhecido e autorizado por Deus. "A esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém. (Efésios 3:21)

CONCLUSÃO
Meu caro leitor, é muito importante ter o batismo autorizado, aceitado, e aprovado pelo Senhor Jesus Cristo. Se não tem este batismo, não é batizado ainda, nem faz parte de uma igreja do Senhor Jesus Cristo. Nós devemos tentar agradar e imitar nosso Salvador Jesus Cristo como Ele manda e não como nós achamos certo. Cristo vai galardoar seu povo segundo a sua fidelidade, e Ele é e será o juiz da nossa fidelidade. O Senhor Jesus Cristo recebe a sua glória através da igreja verdadeira dele, e queremos glorificar nosso mestre o melhor possível. Por isto, temos que procurar o batismo do Novo Testamento e servir nosso maravilhoso Salvador na igreja dele.
 
 

PRIMEIRA IGREJA BATISTA DO JARDIM DAS OLIVEIRAS

terça-feira, 12 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 730 - ORAÇÃO E BATALHA ESPIRITUAL (2)


ANGEOLOGIA 1 - A ORGANIZAÇÃO ANGELICAL

A Organização Angelical

INTRODUÇÃO
A organização angelical abrange as várias categorias ou classes de anjos.À semelhança das organizações políticas existentes no mundo, com graduações e poderes maiores e menores, as cortes angelicais também possuem a sua hierarquia. Estudaremos o assunto de um modo genérico, mas obedecendo a uma certa ordem.

I - UMA HIERARQUIA ESPECIAL DE ANJOS
A Bíblia dá a entender que os anjos de Deus (!) se acham organizados de forma hierárquica, isto é‚ numa forma de graduação, de autoridade. Essa graduação ‚ destacada pelo tipo de atividade que os anjos exercem em todo o Universo e na presença de Deus.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 729 - AUTORIDADE (2)


REFLEXÃO 361 - A ORDEM NAS ESCALAS DE VALORES

 A ORDEM NAS ESCALAS DE VALORES

A escala de valores de muitos cristãos está desordenada. Deixamos que aquilo que é urgente tome o lugar daquilo que é importante. Portanto, mesmo tendo os valores e prioridades devidamente ordenados no conceito mental, alguns de nós não conseguem tê-los na prática. A primeira coisa a ser feita ao ordenarmos nossos passos, é conhecer a escala de valores do ponto de vista de Deus. Depois, é lutar por fazê-la funcionar!

Deus em Primeiro Lugar
Não há nada, absolutamente nada que possa ocupar o primeiro lugar de nossas vidas, a não ser Deus. O mandamento dado a Moisés foi lembrado e enfatizado pelo próprio Senhor Jesus:
"Aproximou-se dele um dos escribas que os ouvira discutir e, percebendo que lhes havia respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o primeiro de todos os mandamentos?
Respondeu Jesus: O primeiro é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor.
Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de todas as tuas forças.
E o segundo é este: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que esses." Marcos 12:28-31
Amar ao Senhor de todo o nosso coração, alma, entendimento e forças, é colocá-lo em primeiro lugar nas nossas vidas.
Jesus deixou bem claro a qualquer que quisesse seguí-lo como discípulo, que deveria reconhecê-lo em primeiro lugar em suas vidas, na frente das pessoas que normalmente nos são as mais amadas e queridas:
"Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo.
Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo.
Assim, pois, todo aquele dentre vós que não renuncia a tudo quanto possui, não pode ser meu discípulo." Lucas 14:26,27 e 33
O Senhor deve estar na frente dos pais, cônjuges, filhos e qualquer outro familiar. Deve ser o primeiro valor em nossa lista ou escala de prioridades. Deve vir antes de nossa própria vida. Deve vir antes de nossos bens ou qualquer outra coisa. Quando falamos sobre o Deus vir antes, não é porque as coisas que nos dispomos a renunciar não tem mais lugar em nossas vidas e sim que elas vêem depois.
Por exemplo, se o meu cônjuge, incomodado com minha fé me dá um ultimato e me manda escolher entre ele ou Deus, me disponho a sacrificá-lo e ficar com Deus, pois Deus é o maior valor de minha vida. Mas, se mesmo não sendo cristão, meu cônjuge não se importa que eu busque ao Senhor, então ele passa a ser meu segundo maior valor ou prioridade (I Co.7: ). O primeiro lugar de nossa vida, indiscutivelmente é de Deus:
"Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas." Mateus 6:33
Isto não quer dizer que as outras coisas não cabem em nossas vidas, mas que elas vêem DEPOIS de Deus.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 728 - O QUE É ORAÇÃO? (2)


MINISTÉRIO PASTORAL 9 - A ORDEM DIVINA QUANTO AO SUSTENTO DO PASTOR

A Ordem Divina Quanto ao sustento do Pastor

" Digno é o obreiro do seu salário "(1 Tm 5.18).
O Segundo ponto do confronto doutrinário que estamos apresentando é o do título. A palavra de Deus é muito clara a esse respeito, quando diz :"Digno é o obreiro do seu salário" (1 Tm 5.18 ).
O Assunto de que tratamos neste capítulo merece um esclarecimento maior, por ser de caráter controvertido, principalmente entre certos grupos evangélicos que não aceitam o ministério nem o pastorado na igreja tal qual é ensinado nas escrituras para combaterem o ministério do pastor,tais pessoas se apóiam em alguns fatos e na forma como o apóstolos Paulo procedeu em relação aos coríntios, sem entretanto, atentarem para o modo como agiu com outras igrejas. A fim de não ser pesado aos coríntios, isto é, para favorecê-los, teve de receber de outras igrejas, quiçá mais necessitadas. Paulo mesmo declarou aos coríntios, ao sentir o espírito mesquinho e avaro de alguns: "Outras igrejas despojei eu para vos servir, recebendo delas salário" (2 Co 11.8). Eis aí a reprovação do apóstolo ao egoísmo e à avareza de alguns da igreja de Corinto, em cujo exemplo se baseiam aquelas que rejeitam o sustento do pastor pela igreja. Portanto saibam esses que Paulo não apoiou tal ensino nem apoiaria em nossos dias.
O apóstolo recebeu salário de outras igrejas para servir aos Coríntios. A declaração que ele fez condenando-lhe a atitude de recusarem sustento aos obreiros, atinge também os desordenados que, em nossos dias, possuem o mesmo espírito.
- Acaso não basta essa declaração tão explicita de Paulo para provar que obreiro é digno de sustento?

terça-feira, 5 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 727 - VISÃO (2)


REFLEXÃO 360 - A ORDEM DE JESUS

A ORDEM DE JESUS

            Ordenar significa arrumar, desfazer o malfeito, dar harmonia, ditar o sentido...  Ninguém melhor do que Jesus para ordenar sobre sua vida, sua família e sobre a Igreja.  Afinal, Ele é Soberano, Senhor de nossas vidas, Rei dos reis.  Se você hoje se sente perdido, sem rumo, em meio ao caos, peça ao Autor da Vida que ordene seu viver. 

            Em Mateus 21.12-16, encontramos uma das narrativas da ida de Jesus Cristo ao templo em Jerusalém.  O texto descreve os feitos do Senhor e como Ele colocou em ordem o templo, para desgosto dos religiosos mais prestigiados – os principais sacerdotes e os doutores da Lei.  Aqui aprendemos que as pessoas que são guiadas pelo espírito de religiosidade costumam pautar suas vidas numa “ordem” que difere frontalmente daquela que satisfaz Jesus.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 726 - O CÉU É TOMADO A FORÇA (2)


SALVAÇÃO 4 - A ORDEM DA SALVAÇÃO (8 estudos)

A ORDEM DA SALVAÇÃO 
(8 Estudos)

CHAMADO
ESTUDO 1

  1. INTRODUÇÃO
    1. A Ordem da Salvação é um termo latino Ordo Salutis "descreve o processo por meio do qual a obra de salvação, produzida em Cristo, se cumpre em forma subjetiva nos corações e vidas dos pecadores".
    2. É um processo unitário efetuado por Deus em vários movimentos.
    3. A Bíblia não específica exatamente uma Ordem de Salvação. Esta ordem é compilada pelos teólogos.
    4. Este estudo toma por base a obra básica de Louis Berkhof, com a inclusão de outros autores reformados.
    5. O Ordem da Salvação começa como o chamado, também conhecido como vocação.
  2. O CHAMADO EM GERAL
    1. A Trindade está envolvida em o nosso chamado:
      1. Deus, o Pai: 1 Co 1.9; 1 Ts 2.12; 1 Pd 5.10
      2. Deus, o Filho: Mt 11.28; Lc 5.32; Jo 7.37
      3. Deus, O Espírito Santo e a palavra: Mt 10.20; Jo 15.26; At 5.31-32
    2. Geralmente nós temos dois aspectos do chamado. Um é conhecido como Chamado Geral ou Externo e o outro é o Chamado Eficaz ou Interno.
      1. Chamado Geral: É designado pelos teólogos como vocatio realis. Este é um chamado que vem a todas as pessoas através da natureza e da história. Estas duas coisas apontam para a existência de um Criador, sem contudo mostrar o caminho da salvação ou as obras de Cristo. Ver Salmos 19.-14; Rm 1.19-21.
      2. Chamado Eficaz: É designado pelo teólogos como vocatio verbalis. A sua definição poderia ser: "O ato bondoso de Deus por meio do qual ele convida os pecadores para que aceitem a salvação que se oferece em Cristo Jesus".
        1. Este chamado se dá pela pregação da palavra de Deus.
        2. Na teologia Reformada o chamamento do evangelho não é efetivo em si mesmo; porém se faz eficaz mediante a operação do Espírito Santo quando aplica a palavra salvadora ao coração do ser humano, e se aplica desta maneira somente nos corações e na vidas dos eleitos.
        3. A salvação é uma obra de Deus desde o seu princípio. Deus, através da sua graça capacita a pessoa a atender o chamado do Evangelho.
        4. No chamado não existe nada no ser humano que possa dar início a este processo.
  3. ASPECTOS DO CHAMADO (G. W. Bromiley)
    1. O alvo do chamado. Nós somos chamados para a salvação, santidade e fé (2 Ts 2.13ss); para o reino e glória de Deus (1 Ts 2.12; para uma herança eterna (Hb 9.15); para a comunhão (1 Co 1.9) e serviço (Gl 1).
    2. Os meios do chamado. Chamados através da graça (Gl 1.15); do ouvir o evangelho (2 Ts 2.14; Rm 10.14ss). O Espírito Santo é o mediador do chamado através do evangelho (1 Ts 1.15).
    3. A base do chamado. Estabelecido conforme 2 Tm 1.9. Não as obras mas o propósito e graça de Deus in Cristo Jesus desde o princípio para o chamado divino.
    4. A natureza do chamado. O chamado não será revogado (Rm 11.20); um chamado para o alto (Fp 3.14; celestial (Hb 3.1); santo (2 Tm 1.9); associado com esperança (Ef 4.4). Os crentes são chamados a viver de acordo com o chamado (Ef 4.1; cf. 2 Ts 1.11).
  4. UM CHAMADO QUE ENGLOBA TODA A VIDA
    1. Existe a tendência de separar os chamados de Deus: um chamado para a salvação e outro para o serviço.
    2. K.L. Schmidt insiste que no NT existe somente um chamado, ou seja: para ser cristão.
    3. Karl Barth argumenta que o chamado na Escritura nunca existe solitariamente excluindo a santificação e o serviço.
    4. O chamado em si mesmo não muda, somente a forma e a esfera onde ele é exercitado.
  5. CONCLUSÃO
    1. Todos os que estão em Cristo, foram chamados pela graça de Deus.
    2. Todos os chamados em Cristo, foram chamados para o serviço a Deus, para a honra e glória da Trindade.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 725 - JESUS CRISTO SALVADOR E JUIZ (2)


ESTUDOS 154 - A ORDEM DA SALVAÇÃO (1)

A ORDEM DA SALVAÇÃO

1. SALVAÇÃO
O vocábulo português se deriva do latim ( salvare ) à salvar e de ( salus ) à saúde e ajuda.
Ÿ Termo em hebraico: "Yeshua"- mesma idéia de salvar ( largura, facilidade, segurança).
Ÿ Termo em grego: "Sotéria" ( cura, libertação, redenção, remédio, salvação, bem estar). Soteriologia à Estudo da Salvação.
Definição: " Salvação é a ação ou o resultado de livramento ou preservação de algum perigo ou enfermidade, subtendendo segurança, saúde e bem-estar".

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 724 - EU E O PECADO (2)



ORAÇÃO 23 - A ORAÇÃO (2)

A Oração

A oração está entre as mais antigas práticas da humanidade. No Antigo Testamento ela faz sua introdução no livro dos princípio (Gênesis), e permanece em evidência até o livro de Malaquias. De todas as criaturas de Deus, somente as pessoas oram. A oração é estritamente pessoal. Ela é um dom de Deus para nós, o nosso elo com o criador. Deus e a oração são inseparáveis.
Em seus ensinamentos sobre o Céu, Jesus disse aos seus discípulos que eles sabiam como chegar aonde Ele estava indo. Tomé, entretanto, disse que não sabia para onde Jesus estava indo, quanto menos o caminho para chegar lá.
Então Jesus lhe respondeu: "Eu sou o caminho... Ninguém vem ao Pai, senão por mim" (Jo 14.6). Nos ensinos de Jesus, não há declaração mais direta sobre o acesso a Deus. Isso aplica-se não só a salvação, mas também à oração, visto que Jesus é o novo e vivo caminho por meio do qual entramos no Santos dos Santos (Hb 10.19,20) essa verdade é absoluta.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 723 - ENVIADOS SIM! MAS NÃO DE QUALQUER MANEIRA (2)


ORAÇÃO 22 - A ORAÇÃO (1)

A Oração
1 Tessalonicenses 5.17 - "Orai sem cessar."


A oração é o meio de comunicação dos cristãos com o Senhor. Além de palavras como "oração" e "orar", essa atividade é descrita como invocar a Deus (Sl 17.6); invocar o nome do Senhor (Gn 4.26); clamar ao Senhor (Sl 3.4); levantar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1); buscar ao Senhor (Is 55.6); aproximar-se do trono da graça (Hb 4.16) e chegar perto de Deus (Hb 10.22).

MOTIVOS PARA A ORAÇÃO
A Bíblia apresenta motivos claros para o povo de Deus orar.
1. Antes de tudo, Deus ordena que o crente ore. O mandamento para orarmos vem através dos salmistas (1Cr 16.11; Sl 105.4), dos profetas (Is 55.6; Am 5.4,6), dos apóstolos (Ef 6.17,18; Cl 4.2; 1Ts 5.17) e do próprio Senhor Jesus (Mt 26.41; Lc 18.1; Jo 16.25). Deus aspira a comunhão conosco; mediante a oração, mantemos o nosso relacionamento com Ele.

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 712 - DEUS NÃO É AMULETO! (2)


ORAÇÃO 21 - A ORAÇÃO QUE AGRADA AO SENHOR


A Oração Que Agrada Ao Senhor
(Prayer That Is Pleasing to The Lord!)

Hoje quero falar-lhes sobre o tipo de oração que é o mais agradável ao Senhor. Entenda, nem todas as nossas preces bendizem o coração de Deus. Contudo, com a ajuda do Espírito Santo, quero crer que o que compartilharei com vocês aqui transformará sua maneira de orar - de agora até que Jesus venha!
Não tenho intenção de complicar a oração. Ela já foi muito complicada por bem intencionados mestres que transformaram-na em fórmulas, estratégias e teatralismo. Alguns cristãos literalmente vestem botas de combate e uniformes para agir no papel de "guerreiros da oração". Outros freqüentam reuniões onde recebem "guias de oração", folhetos que dizem como preecher as horas em que estarão lá.
Não estou condenando nenhum destes. Mas gostaria de mostrar-lhes o tipo de oração que eu acredito agrade mais ao Senhor. Na realidade o tipo de oração que mais agrada a Deus é muito simples e fácil de entender. É tão simples, na verdade, que uma criancinha pode orar de modo a agradá-Lo.
Inicio dizendo que acredito que a maioria dos cristãos deseja orar. Em um período do nosso caminhar com o Senhor, todos já oramos com consistência. Mas após um tempo, muitos crentes desistem. E agora estão condenáveis por sua falta de oração.

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 711 - DEUS É FIEL E EXIGE FIDELIDADE DE SEU POVO (2)


ORAÇÃO 20 - A ORAÇÃO PODE SER MAIS FORTE QUE A MEDICINA?


A oração pode ser mais forte que a medicina?

 Você acredita que a força de uma. simples oração possa realmente curar?
Pessoas que acreditam. e oram têm conseguido fantásticos resultados,
mesmo contra doenças como o câncer. Confira.

A oração tem sido usada como uma ferramenta de cura há séculos. A
novidade é a constatação de vários cientistas de que a oração realmente
traz resultados positivos aos tratamentos. João Antônio, um jogador de
futebol amador ficou paralítico após quebrar o pescoço durante uma
partida. Os médicos disseram que ele não andaria novamente; no entanto,
hoje ele anda e já voltou a jogar. Um bebê de 10 meses estava quase
morrendo de pneumonia após um transplante de fígado mal sucedido. Na
época, os médicos lhe deram no máximo 2 dias de vida. Totalmente
recuperado, ele está completando 2 anos de idade.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 710 - CULTO COM EMOÇÕES E NÃO CULTO ÀS EMOÇÕES (2)


ORAÇÃO 19- A ORAÇÃO MOVE DEUS

A oração move Deus


Introdução

"Estava Jesus em certo lugar orando e, quando acabou, disse-lhe um dos seus discípulos: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou aos seus discípulos"(Lucas 11.1). O que temos diante de nós  é um pedido claro de um discípulo que deseja aprender como orar. Ele faz do seu desejo também o desejo dos seus companheiros (ensina-nos) e isto nos levam a  refletir sobre o porquê deste pedido. Será que eles não oravam? Ou será que não tinham convicção de que Deus os ouviria? O que podemos aprender com esta situação? O que o Senhor tem a nos ensinar?
Sabemos que os discípulos eram homens religiosos e por isso acostumados à oração. Os judeus separavam três momentos do dia para orar. Mas ao contemplarem o Senhor Jesus orando descobriram que faltava alguma coisa em suas orações. Eles reconheceram que a oração de Jesus era cheia de poder e profundamente espiritual ao passo que as deles eram formais, cerimoniais. Faltava-lhes intimidade com o Pai e por isso pediram ao Senhor que os ensinasse a orar. Vemos neste pedido um sinal de quem deseja crescer espiritualmente.
O pedido dos discípulos tem sido o seu pedido? É necessário que aprendamos a orar a fim de que Deus nos responda quando a Ele intercedermos. Você sabe do que é composta uma oração? Você sabe qual é o padrão que ela deve atingir?
Nós precisamos, como os discípulos, buscar o Senhor, para que Ele nos ensine a orar. Necessitamos da escola do mestre da oração. Precisamos  do Espírito Santo para aprender a orar e alcançarmos a maturidade espiritual. Na oração modelo(Lucas 11.1-4; Mateus 6.9-13) estão gravados os princípios que você e eu devemos viver, se realmente quisermos crescer através da oração. Você quer isto para a sua vida? Então peçamos a Jesus: "...Senhor, ensina-nos a orar...".

terça-feira, 22 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 709 - CULPA NUNCA MAIS! (2)


ORAÇÃO 18 - A ORAÇÃO EFICAZ

A ORAÇÃO EFICAZ
1Rs 18.42b-45 "Elias subiu ao cume do Carmelo, e se inclinou por terra, e meteu o seu rosto entre os seus joelhos. E disse ao seu moço: Sobe agora e olha para a banda do mar. E subiu, e olhou, e disse: Não há nada. Então, disse ele: Torna lá sete vezes. E sucedeu que, à sétima vez, disse: Eis aqui uma pequena nuvem, como a mão de um homem, subindo do mar. Então, disse ele: Sobe e dize a Acabe: Aparelha o teu carro e desce, para que a chuva te não apanhe. E sucedeu que, entretanto, os céus se enegreceram com nuvens e vento, e veio uma grande chuva; e Acabe subiu ao carro e foi para Jezreel".A oração é uma comunicação multifacetada entre os crentes e o Senhor. Além de palavras como "oração" e "orar", essa atividade é descrita como invocar a Deus (Sl 17.6). Invocar o nome do Senhor (Gn 4.26), clamar ao Senhor (Sl 3.4), levantar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1), buscar ao Senhor (Is 55.6), aproximar-se do trono da graça com confiança (Hb 4.16) e chegar perto de Deus (Hb 10.22).

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 708 - A ORAÇÃO DO DISCÍPULO (5 parte)


REFLEXÃO 359 - A ORAÇÃO E A SOBERANIA DE DEUS

A oração e a soberania de Deus

Jesus, explicando a importância da oração, afirmou o seguinte: “Não vos assemelheis, pois, a eles [referindo-se aos gentios que presumiam que, pelo muito falar, seriam ouvidos]; porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade antes que lho peçais” (Mateus 6.8). Essa afirmação de Jesus sempre me intrigou muito. Se Deus sabe o que preciso, se conhece todas as minhas necessidades, por que então devo orar? Qual a finalidade da oração se Deus, antes mesmo que eu lhe apresente qualquer pedido, já sabe o que de fato necessito?
Acredito que, para entender melhor o que Jesus está dizendo, devemos mudar primeiro nosso conceito e percepção da oração. Para muitos, a oração é um instrumento que Deus coloca à nossa disposição para fazermos as coisas acontecerem. Estas coisas podem ser desde grandes milagres até uma forcinha para passar na prova (o que, em alguns casos, não deixa de ser milagre). A imagem que temos é a de que Deus fica dando sopa por aí com seu poder, e a oração é o recurso de que dispomos para ativar essa inesgotável fonte de bênçãos. Precisamos aprender a tirar o máximo de Deus e usufruir daquilo que Ele pode nos dar. Para isso, oramos, insistimos, suplicamos, jejuamos para fazer com que Deus saiba o que queremos e seja, de certa forma, convencido a fazer o que julgamos correto.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 707 - AS DIMENSÕES DA UNIDADE (2)


REFLEXÃO 358 - A ORAÇÃO DO SENHOR POR UMA TURBA DE LINCHADORES

A oração do Senhor por uma turba de linchadores

A indústria cinematográfica tentou, recentemente, ressuscitar alguns filmes de "bang-bang". Os atores são diferentes, mas a trama é a mesma. A cena de enforcamento ainda pinta os homens maus tirando a vida de vítimas inocentes e até se divertindo realmente com isso. Palavras penetrantes, ditas para ferir, acompanham o evento medonho. A que nível as pessoas podem chegar?

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 706 - AS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM SERVO (3): AMOR


REFLEXÃO 357 - A ORAÇÃO DO SENHOR NO JARDIM


A oração do Senhor no jardim

Jesus era um homem de oração e freqüentemente fazia súplica a seu Pai em favor de outros. No jardim, poucas horas antes de sua morte, encontramo-lo orando por si mesmo, mostrando-nos que é certo descarregarmos nossas mais profundas inquietações e ansiedades sobre um carinhoso Pai Celestial.

Nosso Senhor, além de ser divino era um ser humano. Nossas mentes frágeis não podem compreender como pode existir um tal ser nem como esta dupla natureza se encaixou em sua vida. Simplesmente acreditamos que é assim. Uma das peças de evidência que Jesus foi realmente humano foi aquele choro angustiado na tranqüila noite no Getsêmani: "Aba,Pai... passa de mim este cálice". Quando ele enfrentava a horrível perspectiva da crucificação, ele chorou profundamente e orou fervorosamente para que não precisasse beber o cálice amargo do sofrimento. Sua humanidade, naquela cena, deveria ficar impressa definitivamente em nossos corações.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 705 - AS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM SERVO (2): ESTABILIDADE


REFLEXÃO 356 - A ORAÇÃO DE INTERCESSÃO DO SENHOR


A oração de intercessão do Senhor

Não é difícil imaginar o tremendo efeito que a vida de Jesus deve ter tido sobre seus discípulos, de todos os modos, enquanto estava tão intimamente associados com ele durante os três anos e meio de seu ministério. Como a escritura nos revela, a regularidade da oração em sua vida, a proximidade que ele sentia com o Pai, e a natureza sincera de suas orações como é vista naquelas poucas que são registradas, ele se torna nosso exemplo na oração como em outras características de uma vida espiritual. Há tanto que precisamos aprender com Jesus sobre este poder maravilhoso que está tão prontamente acessível a nós em nossas vidas.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 704 - AS CARACTERÍSTICAS DE UM BOM SERVO (1): DILIGENTE


REFLEXÃO 355 - A ORAÇÃO DA CONFISSÃO

A ORAÇÃO DA CONFISSÃO

(Salmo 51)

I  Introdução e Definições

A confissão é o reconhecimento de um fato acerca de si próprio ou de outro.
Assim sendo, ela pode desvendar os pecados pessoais, em um ato de
continuação, como uma afirmação da grandeza e bondade de Deus. Ambos
significados encontram tanto no hebraico como no português.

Quando Paulo fala sobre "confessar ao Senhor Jesus "em Romanos 10.9, ele tem
em mente o reconhecimento de Jesus Cristo como Filho de Deus. Esse texto não
constitui referência a  "confissão de pecados, sim, a confissão do nome do
Senhor".

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

MENSAGEM EM VÍDEO 703 - AMOR (2)


REFLEXÃO 354 - A OPOSIÇÃO A JESUS

A oposição a Jesus

A oposição a Jesus cresceu junto com a sua popularidade. Os esforços da  oposição culminaram com protesto público, mais ou menos três anos    após ter começado a pregar, para que fosse crucificado. Vendo por cima, é surpreendente que alguém tão gentil, amável e espiritual como Jesus tenha suscitado inimigos tão violentos.
Jesus não tinha nenhum apreço pelas crenças e pelos padrões tradicionais. Ele violou as tradições referentes ao sábado, a tradição de purificação, as restrições de falar com os gentios, os padrões de isolamento dos pecadores, as ordens de jejuar etc. (veja Mateus 12,15; Marcos 2,3; João 4). Sua vida e seus ensinos ultrajaram a ortodoxia religiosa. Quantos de nós seguimos comodamente as tradições religiosas de nossos pais e de nossas autoridades eclesiásticas sem jamais verificar o que Jesus disse sobre essas questões em sua palavra?
Jesus não era popular porque falava sem rodeios. Ele falava com ousadia contra todas as formas de pecado veja Mateus 23. Vivendo numa época em que se considera estreiteza de mente defender a verdade e opor-se aos enganos, imagino que a maioria de nós não teria ficado muito à vontade com o jeito franco de Jesus falar sobre o pecado e sobre o erro. Jesus não era áspero; mas não era nenhum lisonjeiro. Tinha sobretudo palavras fortes para a elite religiosa da época.
Por fim, Jesus era pouco popular porque desafiava os que desejavam segui-lo a calcular a despesa. Ele exigiu lealdade absoluta de seus discípulos (veja Lucas 9:57-62;14:25-33). No fim muitos acharam o desafio muito grande e desistiram. Mas ele jamais abriu mão da sua exigência de dedicação total para com ele.

-por Gary Fisher



Translate

NOTÍCIAS