TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

REFLEXÃO 8 - HISTÓRICO DA MARCHA PARA JESUS

Histórico da marcha para Jesus
                                                              Por: Rev. Augustus Nicodemus Lopes  

Conforme informações da própria Igreja Renascer em Cristo, a primeira Marcha para Jesus aconteceu em 1987 na cidade de Londres (Inglaterra), e foi fundada pelo pastor Roger Forster, pelo cantor e compositor Graham Kendrick, Gerald Coates e Lynn Green. Portanto, não é uma invenção da Igreja Renascer do Brasil. Ela simplesmente importou a idéia para nossa pátria. No início da década de 90, a Marcha se tornara um evento de proporções continentais, ocorrendo em toda Europa. Em 1992 a Marcha para Jesus já se tornava um movimento mundial, chegando a outros países da América, África e Ásia. No ano de 1993, chega a vez do Brasil realizar a sua primeira edição do evento, sob a orientação da Renascer. A partir daí, a cada ano, o evento toma mais e mais aspecto de show gospel, apresentação de artistas evangélicos, desfiles e promoção de políticos evangélicos, sempre com muita dança ao som de pagode e axé ditos evangélicos.

A ideologia por detrás da Marcha

A Renascer em Cristo elaborou uma justificativa teológica para a Marcha, que procura abonar o evento à luz da Bíblia. Eis um resumo dos principais argumentos, entre outros:

1. A ordem de “marchar” foi dada a Renascer mediante revelação do Espírito Santo. Deus, através de revelações proféticas, diz para os crentes marcharem.

2. A unidade do Corpo de Cristo, segundo a Renascer, se expressa mediante a união de cristãos de todas as denominações. Esta união é uma poderosa arma de evangelismo. A Marcha promove esta unidade, pois congrega cristãos de todas as denominações.

3. A Marcha traz a convicção de que Deus está no meio dos participantes, pois Deus habita nos louvores de seu povo.

4. Segundo a Renascer, a Marcha é uma declaração teológica: a Igreja está em movimento e está viva! É o meio pelo qual os cristãos querem ser conhecidos publicamente, como discípulos de Jesus.

5. A Marcha é entendida como uma celebração semelhante às do Antigo Testamento, possuindo uma qualidade extremamente espontânea e alegre. Participam da Marcha jovens de caras pintadas, cartazes, roupas coloridas e canções vivazes. Isto é visto como uma celebração do amor extravagante de Deus para o mundo.

6. Marchar para Jesus é visto também como um ato profético que dá consciência espiritual às pessoas. Josué mobilizou as pessoas de Israel para marchar ao redor das paredes de Jericó. Jeosafá marchou no deserto entoando louvores a Deus. Quando os cristãos marcham, estão agindo profeticamente, diz a Renascer.

7. Marchar para Jesus traz uma sensação natural de estar reivindicando o lugar no qual os participantes caminham. Acredita-se que assim libera-se no mundo espiritual a oportunidade desejada por Deus: “Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé, eu a darei ...” (Josué 1.3).

8. A Marcha destrói as fortalezas erguidas pelo inimigo em certas áreas das cidades e regiões onde ela acontece, declarando com fé que Jesus Cristo é o Senhor do Brasil.

É evidente que, analisada de perto, a “teologia da Marcha” não é teologia nenhuma. Nenhum dos argumentos acima prova absolutamente nada. Não há qualquer justificativa bíblica para que os cristãos façam marchas, nem qualquer sustentação bíblica para a idéia de “dar a Deus a oportunidade” mediante uma marcha, ou ainda de que, marchando e declarando, se conquistam regiões e cidades para Cristo. Se há fundamento bíblico, por que os primeiros cristãos não o fizeram? Por que historicamente a Igreja Cristã nunca fez? Mas, o apelo à Bíblia para justificar a Marcha é feito somente para constar. Na verdade, o principal argumento é o de que a Marcha foi uma revelação profética do Espírito Santo a Renascer. Numa Igreja que tem um “apóstolo”, tais “revelações” devem ser freqüentes e falar mais alto do que as Escrituras.



Há vários outros argumentos levantados em favor da Marcha para Jesus. Avaliemos alguns deles:

1. Os defensores da Marcha dizem que ela projeta a presença dos evangélicos na mídia de todo o Brasil – É verdade, só que a projeção não é positiva. Além de provocar polêmica entre os próprios evangélicos, a mídia secular tem tido avaliação irônica e negativa.

2. Os defensores da Marcha dizem que pessoas se convertem no evento – Não temos como verificar a autenticidade desta informação. Mas, mesmo que fosse verdade, isto ainda não justificaria, pois não raras vezes Deus utiliza meios para chamar os eleitos os quais não se tornam legítimos somente porque Deus os usou. Por exemplo, o fato de que maridos descrentes se convertem através da esposa crente não quer dizer que Deus aprova o casamento misto e nem que namorar descrentes para convertê-los seja estratégia evangelística adequada.

3. Os defensores dizem ainda que a Marcha promove a unidade entre os cristãos. Em alguns lugares do mundo, a Marcha é concluída com um “pacto” entre as denominações, confissões e indivíduos, exigindo que cada um deles não faça mais discriminação por razões doutrinárias. Desta forma, procura-se calar a denúncia dos erros doutrinários que estão presentes em muitas denominações, especialmente nas neopentecostais, que são promotoras do evento. Unidade entre os cristãos é boa e bíblica somente se for em torno da verdade. Jamais devemos sacrificar a verdade em nome de uma pretensa unidade. A unidade que a Marcha mostra ao mundo é ilusória e falsa, pois mascara as divisões internas, os rachas doutrinários, as brigas pelo poder e as divisões que existem entre os evangélicos.

4. Os defensores da Marcha dizem que ela é uma forma de proclamação do Evangelho ao mundo – A resposta que damos é que a proclamação feita na Marcha vem misturada com apresentações de artistas gospel profissionais, discurso de políticos, ambiente de folia e danceteria, a ponto de perder-se no meio destas outras coisas. Além do mais, a mensagem proclamada é aquela da Renascer em Cristo, que é a teologia da prosperidade, a batalha espiritual, e outros vícios teológicos modernos que infestam o ambiente evangélico.

Pelos motivos acima, entendo que a Marcha para Jesus não cumpre os objetivos propostos (evangelização, proclamação, união, conquista de território, etc.).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS