TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

LIDERANÇA 15 - TREINAMENTO INTENSIVO PARA LIDERANÇA - 1

TREINAMENTO INTENSIVO PARA LIDERANÇA - 1
Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira

FASE 1

 

Lição 01: Requisitos de um obreiro


  • Um obreiro deve ser um cristão nascido de novo, com o coração cheio do amor de Deus, nele derramado pelo Espírito Santo (Romanos 5:5). Não se trata de amor humano, carnal. Pelo contrário: este tem de ser retirado, para que o amor de Deus inunde espírito, alma e corpo.
  • Um obreiro deve se despojar do velho homem, de sua inveja, amargura, ira, malícia, maledicência, ódio, ciúme, palavras torpes e imorais, etc.
  • Crucificar a carne não é prazeroso e muitas vezes dói. Contudo a Palavra ordena a mortificação, ou seja, morrer ou dispor-se a crucificar o “eu”. Mortificar a carne é algo que todo cristão tem de fazer em si mesmo. Deus não pode fazer isto por ele (Colossenses 1:3-5).


1. Qualificações de um obreiro
  • Deve ser cheio do Espírito Santo e ter boa reputação (Atos 6:3).
  • Todo obreiro deve manter o próprio corpo sob sujeição (1 Coríntios 9:27), não dando lugar ao diabo com obras da carne, para que não venha a ser desqualificado. Ele nutre sua mente com a Palavra e apresenta seu corpo como sacrifício vivo. Isto faz parte do culto racional. Ele submete sua vida a Deus e resiste ao diabo (Romanos 12:1-2).
  • Deve ser irrepreensível (Tito 1:6; 1 coríntios 4:2).
  • Marido de uma só mulher (1 Timóteo 3:2).
  • Deve ter filhos cristãos, criados segundo a Palavra (Provérbios 23:13-14; 1 Timóteo 3:4-5).
  • Não deve ser arrogante ou soberbo (Salmos 19:13).
  • Nem irascível e sem domínio próprio (Provérbios 14:16; 15:1; Efésios 4:26-27).
  • Não deve ser dado ao vinho; não se entregando ao vicio da bebida (Provérbios 23:20-21; Tito 1:7).
  • Nem é dado a violência (Salmos 11:5; Tiago 1:19-21).
  • Nunca deve ser cobiçoso, de torpe ganância, não toma nada dos outros, não muda o marco ou os limites do próximo (Deuteronômio 27:17; 1 Timóteo 3:8).
  • Sempre hospitaleiro (Hebreus 13:2; Tito 1:8).
  • Amigo do bem, bondoso, gentil, alegra-se com o bem e com a prosperidade dos outros (Lucas 6:27-32; 1 Coríntios 10:24-33).
  • Sóbrio (2 Timóteo 4:5; 1 Pedro 1:13).
  • Justo e integro, honrando todos os seus compromissos e toda a sua palavra (Salmos 15; Provérbios 11:1; Romanos 13:7-8; Jeremias 22:13).
  • Deve ser piedoso e buscar a santidade (1 Timóteo 2:8; Levítico 19:2).
  • Deve ser fiel à Palavra, praticando e vivendo, firmado na Rocha (Salmos 119:11; Provérbios 30:5; Mateus 7:24-27).
  • Deve exortar em amor os contradizentes (Romanos 12:8; Hebreus 3:13).
  • Não ser murmurador, nem viver reclamando, apenas enxergando o lado negativo das coisas – este é atacado pelo devorador: perde tudo e a vida fica ainda pior para ele (1 coríntios 10:10).
  • O obreiro deve ter sempre bons relatórios, sempre ver pela fé e não por vista. Não enxergar os gigantes, mas crer no Deus que é maior do que os gigantes (Hebreus 11:1-2; Números 13:31; 14:9).

2. Conclusão
·         Como todo cristão, o obreiro deve estar certo de que Deus lhe dará forças e coragem para viver a vida no Espírito – Deus não fará isso em seu lugar. A decisão é pessoal.
  • Deus está pronto a ajudá-lo.
  • Não é agradável crucificar a própria carne, mas este é o único meio de tornar-se um cristão guiado pelo Espírito e por Ele dominado. Do contrário você será guiado pela carne e abrirá uma série de brechas para o inimigo em sua família, negócios e ministério. Este é o único caminho para sujeitar-se a Deus e resistir ao diabo (Tiago 4:7).



























LIÇÃO 02: O OBREIRO E AS FINANÇAS

Introdução
            Longe de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me só o pão que me é necessário; para que eu de farto não te negues e diga: quem é o Senhor? Ou empobrecido, não venha a furtar e profanar o nome de Deus (Provérbios 30:8-9).

  • Todos querem ter sucesso na vida. Para nossa sociedade materialista ter sucesso é ganhar dinheiro.
  • Quando se pergunta se uma pessoa vai bem, o “ir bem” geralmente é sinônimo de que a pessoa está ganhando dinheiro, adquirindo propriedades e prestígio.
  • A realidade é que as dificuldades financeiras e econômicas são um problema sério para a maioria dos cristãos. E a razão não está muitas vezes no valor do salário que se recebe, mas nos erros cometidos ao se gastar o dinheiro ou no desconhecimento dos princípios bíblicos que regem nossa vida, quer espiritual ou material.
  • O melhor livro de orientações econômicas é a Bíblia, pois seu autor é a pessoa mais rica do universo, pois a Ele pertence tudo e todos (Salmo 24:1). Deus é o melhor economista e seguindo o seu “plano econômico” seremos vencedores na nossa vida financeira.
  • “Crise é sinônimo de oportunidade”.


  1. Os 8 erros que nos levam ao fracasso

1.1  Contrair dívidas:
  • A Bíblia nos diz em Provérbios 22:7 – O rico domina sobre o pobre, e o que toma emprestado é servo do que empresta.
  • Uma das formas usadas no sistema do mundo para exercer o domínio sobre as pessoas é através do poder econômico.
  • Ao contrairmos uma divida, assumimos uma posição de servo em relação ao nosso credor, pois temos que trabalhar para ele, isto é, o fruto do nosso trabalho é seu até saldar a nossa divida.
  • Dividas devem ser evitadas sempre. Romanos 13:8 – A ninguém devais coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros.

1.2  Gastar mais do que se ganha:
  • Isto significa administrar levianamente os recursos que Deus nos dá.
  • Jesus contou duas parábolas para nos advertir sobre o assunto: a das minas (Lucas 19:11-26) e a dos talentos (Mateus 25:14-30).
  • Quem administra bem o pouco que Deus dá, sobre o muito será colocado (Mateus 25:21). Foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei.
  • Há pessoas que vivem desesperadas, devendo aos bancos, ao cartão de crédito, ao agiota, e quanto ao motivo é sempre o mesmo – gastam mais do que ganham – e precisam manter as aparências.
  • Devemos perguntar: “aonde vai o meu dinheiro?” Ao invés de perguntar: “Aonde foi o meu dinheiro?” A diferença de uma pergunta para a outra se encontra no controle do dinheiro.

1.3  Vida centralizada no dinheiro:
  • A maioria das pessoas vive preocupada com o dinheiro, tanto ricos como pobres.
  • Lucas 12:15 Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza, porque a vida de um homem não consiste na quantidade de bens que ele possui.
  • 1 Timóteo 6:9-10Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males; e muitos nessa cobiça, se desviaram da fé, e a si mesmo se atormentaram com muitas dores.

1.4  Desejo de ficar rico depressa:
  • Querer ficar rico não é um desejo pecaminoso, mas enriquecer-se depressa leva as pessoas a se atropelarem e quebrarem leis e princípios.
  • Provérbios 28:2 – Aquele que tem olhos invejosos corre atrás das riquezas, não sabe que há de vir sobre ele penúria.
  • Correr atrás das riquezas é o esporte mais praticado hoje, e devemos ter cuidado com os “negócios da china”, que oferecem lucros fáceis e altos ganhos.
  • Provérbios 28:20O homem fiel será cumulado de bens, mas o que se apressa a enriquecer não passará sem castigo.

1.5  Não praticar o princípio do DAR:
  • A avareza é sempre acompanhada pela mesquinharia; e o desejo de possuir para si fecha a porta para a necessidade dos outros.
  • Atos 20:35 – Mais bem-aventurado é dar do que receber.
  • Lucas 6:38Daí e ser-vos-á dado, boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão.
  • Este princípio de dar e receber atua em 3 áreas: Provérbios 3:9-10; Malaquias 3:10 - Deus (Igreja,Pastor ou Missionário); Gálatas 6:10 – irmãos na fé; Provérbios 19:17 – pobres e necessitados.

1.6  A desonestidade
  • A desonestidade é prática corrente e aprovada em nossa sociedade. Hoje ser honesto é que é um defeito.
  • Provérbios 21:6 – Trabalhar para adquirir tesouros com língua falsa é vaidade e laço mortal.
  • Provérbios 22:16 – O que oprime ao pobre para enriquecer a si, ou o que dá ao rico, certamente empobrecerá.
  • Provérbios 10:2 – Os tesouros da impiedade de nada aproveitam.

1.7  Viver exclusivamente para o trabalho:
  • A origem da maioria de nossos problemas está em não mantermos as coisas na perspectiva correta.
  • Muitos se dedicam ao trabalho em detrimento de Deus e da família.
  • No Salmo 128 temos o padrão de Deus para a felicidade humana. Deus em primeiro, a família em segundo e o trabalho em terceiro lugar.
  • Não há sucesso no trabalho que compense o fracasso no lar e a separação de Deus.
  • De que adianta chegar ao pódio e não ter ninguém para comemorar com você?

1.8  Desperdiçar quando há abundancia:
  • Em João 6:12-13 – E, quando estavam saciados, disse aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobejaram, para que nada se perca. Recolheram-nos, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos cincos pães de cevada, que sobejaram aos que haviam comido.
  • Em Gênesis 41:29-34 José pela sabedoria de Deus, orientou o Faraó a economizar no tempo de fartura para não faltar no tempo de escassez.


  1. Os 3 princípios que nos levam ao sucesso

2.1  Reconhecer Deus como Senhor e dono de tudo:
  • Salmos 24:1 – Ao Senhor pertence a terra e tudo que nela contém, o mundo e os que nele habitam.
  • Nós possuímos as coisas, mas Deus é o dono.
  • Nós ganhamos dinheiros, mas Deus é que nos capacita (inteligência, saúde, etc.).
  • Nós somos de Deus, portanto tudo o que somos e o que temos é Dele.

2.2  Fazer um seguro celestial (Dízimo)
  • Malaquias 3:10-11 – Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimentos... e por amor de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra.

2.3  Aplicar a lei de semear para colher (Ofertas):
  • 2 Corintios 9:6-10 Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará, e aquele que semeia em abundância também ceifará em abundancia... Ora aquele que dá a semente ao que semeia, e pão para comer, também dará e multiplicará a vossa sementeira, e aumentará os frutos da vossa justiça.
  • Filipenses 4:17 – Não que eu procure boas dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta.











ORÇAMENTO DOMÉSTICO

Demonstrativo Mensal de Receitas e Despesas – Mês:

Receitas
Despesas


Despesas Mensais Fixas

Salário Marido

Dízimo (10%)

Salário Esposa

Aluguel da casa / apart.

Salário Filhos

Condomínio

Recebimentos de Aluguéis

IPTU

Recebimentos de Juros

Água

Outros recebimentos

Luz



telefone



Previdência

Total de Receitas

Mensalidade Escolar







Total de Despesas Fixas



Despesas Mensais Variáveis



Alimentação



Transporte / Combustível



Manutenção de Veículos



Manutenção da Casa



Ofertas







Total Desp. Mens. Variáveis



Desp. Para Investimento



Prestação do Terreno / Casa



Aplicação (Poupança/outros)







Total dos Investimentos



Desp. Eventuais – Não Mens.



Roupas / Calçados



Saúde (Médico, Dentista)



Lazer / Viagens



Mat. Escolar / Eletrodoméstico







Total Desp. Eventuais





TOTAL RECEITAS

TOTAL DESPESAS



SALDO DO MÊS






LIÇÃO 03: O CARÁTER DE CRISTO NO OBREIRO

Introdução
Texto Base: Daniel 1
Neste texto podemos observar 7 atributos do caráter de Daniel que evidenciam a presença de Deus (Cristo) na sua vida, e que devem fazer parte da vida de todo obreiro:

1.      Convicção
  • Daniel conhecia o Deus de Israel, e sabia que a sua Palavra e as suas ordenanças eram mais importantes do que qualquer outra coisa que lhe fosse ensinado ou apresentado.
  • Daniel tinha a convicção de que Deus é fiel, justo, reto e poderoso.

2.      Determinação
  • Daniel propôs no seu coração... Esta atitude demonstra a determinação em cumprir a Palavra de Deus a todo custo.
  • Esta determinação estava presente no seu caráter, e não apenas na vontade ou pensamento, pois se assim fosse, Daniel não teria alcançado êxito.
  • Daniel era jovem, mas sabia onde queria chegar, e também sabia o preço a ser pago para alcançar a vitória e o sucesso: a fidelidade.
  • Ele não deu ouvidos para a maioria, não pôs o seu coração a cobiçar coisas proibidas, como as ofertas e os manjares do rei. O seu coração estava em Deus, por isso não tinha medo da solidão, da incompreensão, das piadinhas dos outros. Ele estava determinado a ser um vencedor.
  • Não importa de onde vem a pressão, ou quão grande ela seja; importa sim, é onde está a pressão: está separando você de Deus ou está empurrando você para perto Dele.

3.      Ousadia
  • ... portanto pediu ao chefe dos eunucos..., .... disse Daniel ao guarda... Esta atitude demonstra a ousadia de Daniel: um escravo propor algo contrário às ordens do rei.
  • Jesus foi ousado em toda a sua vida, e mesmo antes de iniciar seu ministério já demonstrava esta ousadia (Lucas 2:39-52).
  • Se Daniel fosse apenas convicto e determinado, mas não tivesse ousadia de expressar a sua convicção e os seus desígnios, com certeza não teria colhido frutos do seu trabalho.

4.      Disposição de vencer as circunstâncias
  • Daniel estava disposto a pagar o preço da sua escolha. Ele sabia que enfrentaria situações difíceis.
  • Estar como prisioneiro num país estranho, com pessoas estranhas, costumes estranhos, tendo que aprender coisas estranhas, e debaixo da ordem de um rei estranho e pagão. É certo que muitas vezes ele foi tentado a experimentar algo proibido, e se tivesse cedido, nem seus pais, seus amigos, seus líderes religiosos ficariam sabendo. Mas Daniel sabia que não podia esconder nada de Deus.
  • Esta disposição foi a alavanca que o impulsionou para obter o sucesso.
5.      Fé inabalável em Deus
  • Daniel conhecia a verdade de Hebreus 11:1, e por isso teve a coragem de entregar sua vida, sem reservas, nas mãos de Deus.
  • Daniel não sabia por onde ia passar, mas sabia onde ia chegar. Por isso deixou a direção para Deus, crendo que Ele é poderoso para cumprir o que falou. Ele conhecia o poder do seu Deus: operando Eu, quem impedirá?

6.      Determinação de viver o padrão divino
  • Daniel teve a coragem de negar-se a si mesmo e aceitar as condições de Deus.
  • Daniel teve a coragem de descer á olaria e dizer ao oleiro: eis-me aqui, molda-me segundo a tua vontade.
  • Daniel teve a coragem de negar as facilidades e as propostas da Babilônia (simboliza o mundo em trevas/perdido), para poder ficar a sós com o seu Deus. Ele compreendeu desde cedo o pedido de Deus: filho meu, dá-me o teu coração, e se entregou a Ele, sem reservas, pelo que Deus o exaltou sobremaneira (vv. 19,20).

7.      Desinibição
  • Daniel sabia que sua posição na Babilônia era de prisioneiro, mas o seu coração era de príncipe, pois ele sabia quem era o seu rei.
  • Jesus nunca precisou provar nada para ninguém, pois ele sabia quem era e a sua posição diante de Deus, e as suas atitudes é que demonstravam isso a todos. (Jesus era constantemente desafiado a mostrar seu poder, entretanto Ele só o manifestava quando Ele queria e não para provar nada a ninguém).
  • Daniel não se intimidava, e a sua posição permanecia a mesma, diante de quem quer que fosse.
  • Daniel não precisava se esconder de ninguém, e a sua fé era conhecida por todos na Babilônia. Ele orava de joelhos 3 vezes ao dia e com as janelas abertas, mesmo quando o rei assinou o decreto proibindo tal procedimento.

E nós, será que temos estes atributos no nosso caráter? Qual deles ainda nos falta?
Façamos uma reflexão, e tenhamos a coragem de descer á casa do oleiro, confessar nossas imperfeições e nos entregar sem reservas na sua mão para que sejamos moldados segundo a sua vontade.













LIÇÃO 04: PRINCÍPIOS DE AUTORIDADE ESPIRITUAL

  • Existe uma estrutura administrativa e organizacional na Igreja, assim como no reino de Deus, que deve ser obedecida rigorosamente a fim de que haja uma perfeita coordenação, harmonia e crescimento – ordenado e simétrico – do Corpo (1 Samuel 15:23; Romanos 13:1-2).

  1. Submissão às autoridades é vontade de Deus
  • Autoridade espiritual não é algo que se obtém através de esforços humanos. É concedida por Deus a quem quer que ele escolha.
  • A autoridade dada por Deus deve ser reconhecida pelo povo; pois sem este reconhecimento ela é inoperante.
  • Deus chama homens com dons específicos para gerir sua obra em harmonia uns com os outros e em perfeita coordenação entre si, como acontece com os membros do corpo. Deus coloca alguns em autoridade e outros sob autoridade.
  • No trabalho espiritual todos devem servir em coordenação.
  • A coordenação é a regra; o individuo não é a unidade; a unidade existe na comunhão dos indivíduos.
  • O trabalho do Senhor tem de ser coordenado sob autoridade. Observe Elias e Eliseu, Eliseu e Geazi, Paulo e Timóteo, Pedro e Marcos trabalharam juntos. Alguns eram responsáveis, enquanto os outros ajudaram.
  • Aquele que desordenadamente levanta sua cabeça e age independentemente, está sendo rebelde; o que resulta em sua queda espiritual ou mesmo a morte espiritual.
  • Deus estabeleceu Arão como sacerdote e ele foi ungido:
1)      Nas questões relacionadas com o culto, Arão era o chefe.
2)      Seus filhos eram simples ajudantes servindo no altar em obediência a Arão.
3)      Quando Nadabe e Abiu se colocaram fora da coordenação com Arão, ficaram também fora da coordenação com Deus.
4)      Eles ofereceram fogo estranho. A rebeldia muda à natureza do fogo (Lv 10:1-2).
5)      O significado do fogo estranho é servir sem uma ordem, é servir sem se submeter às autoridades constituídas por Deus.
6)      Nadabe e Abiu foram consumidos diante de Deus por terem desobedecido à autoridade.
  • todo aquele que tenta servir sem primeiro entrar em contato com a autoridade está oferecendo fogo estranho e pode ser anulado ou consumido por Deus.

  1. Falar contra uma autoridade representativa provoca a ira divina
  • A ofensa de Arão e Miriã contra Moisés e suas conseqüências (Nm 12).
  • A rebeldia se manifestou em lepra.
  • A autoridade é opção divina, não é mérito humano.
  • Além de obedecer à autoridade divina, seja submisso à autoridade representativa.
  • Ninguém pode rejeitar a autoridade delegada por Deus com uma das mãos e receber Deus com a outra.
  • Coré, Datã e Abirão, junto com duzentos e cinqüenta líderes da congregação resolveram rebelar-se contra Moisés e Arão (Nm 16).
1)      Arbitrariamente atacaram os dois.
2)      Talvez fossem honestos e sinceros no que disseram, mas falharam em reconhecer a autoridade do Senhor sobre a vida de Moisés e Arão.
3)      Consideraram o assunto no campo pessoal, como se não houvesse autoridade entre o povo de Deus.
4)      A rebelião de Coré, Datã e Abirão tornou-se um partido e finalmente uma rebelião coletiva (Nm 16:8-11).
5)      Deus eliminou a rebeldia do seu povo.
6)      A rebelião é um principio infernal. A terra abriu sua boca e toda aquela gente que pertencia a Coré, Datã e Abirão, bem como todos os seus bens foram engolidos (Nm 16:32,33).
  • As portas do inferno não prevalecerão contra a igreja, mas um espírito rebelde abre as portas da igreja para o inferno.
  • Só os obedientes podem arrombar as portas do inferno e resgatar vidas para o Reino de Deus.
  • Os obedientes seguem a fé, sendo esta a razão de sua vida.

  1. Como em outros trabalhos na IGREJA existe uma ordem que deve ser obedecida
  • Pastor Presidente
  • Pastores auxiliares
  • Diáconos
  • Líderes de Ministérios
  • Professores

  • O melhor líder é aquele que segue a Jesus mais de perto. Liderar com humildade.

  • O líder sempre tem seus ouvidos inclinados a ouvir seus liderados e nunca toma decisão partidária, por não gostar de algum liderado, por abuso de autoridade, por vingança ou outro motivo. Deus cobrará dele todos os seus atos.

  • Todas as reuniões ou eventos da Igreja, ou quaisquer outros eventos extras, que envolvem a igreja, devem ser primeiramente propostas ao Pastor presidente ou diretoria responsável pela aprovação do evento.

  • Não queremos que haja nenhum trabalho na Igreja com rebeldia.

  1. Conclusão
  • Sempre que o homem resiste à autoridade se coloca debaixo da condenação de Deus. Deus opera na união, na harmonia e assim ordena a bênção e a vida para sempre.
  • A OBEDIÊNCIA A AUTORIDADE INSTITUIDA POR DEUS DEVE SER CUMPRIDA ENQUANTO ESTA PESSOA ESTIVER VIVENDO EM OBEDIÊNCIA A DEUS E SUA PALAVRA.
  • DEVEMOS OBEDECER AS AUTORIDADES EMPOSSADAS POR DEUS DESDE QUE SUA ORDEM NÃO CAMINHE EM DIREÇÃO OPOSTA A PALAVRA DE DEUS.






































LIÇÃO 05: BÊNÇÃO E MALDIÇÃO – O PODER DA LÍNGUA

Deuteronômio 30:19
“Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”.

Salmo 109:17-19
“Amou a maldição; ela o apanhe; não quis a bênção; aparte-se dele. Vestiu-se de maldição como de uma túnica; penetre, como água, no seu interior e nos seus ossos, como azeite. Seja-lhe como a roupa que o cobre e como o cinto com que sempre se cinge”.

  • BÊNÇÃO: ação para o bem, ato de bendizer, abençoar, graça divina, palavras ou sentimento de gratidão e edificação.
  • MALDIÇÃO: ação para o mal, ato de maldizer, amaldiçoar, infortúnio, desgraça, praga, peste, palavras de destruição.

O PODER DAS PALAVRAS
  • Deus criou todas as coisas pela palavra (Gn 1): “Haja luz... haja firmamento... disse Deus: ajuntem-se... disse Deus: produza...”.

  • O homem, criado à imagem e semelhança de Deus, também pode criar ou destruir, através de suas palavras: Provérbios 18:21 – “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto”. Tiago 3:5,9-10 – “Assim, também a língua, pequeno órgão, se gaba de grandes coisas. Vede como uma fagulha põe em brasas tão grande selva!... Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não é conveniente que estas coisas sejam assim”.

  1. Os céus ficam aguardando pelas nossas palavras (ordens) de bênção, para nos abençoar  e abençoar o próximo (praticar a ação do bem a nosso favor e do nosso próximo).
  2. O inferno fica aguardando nossas palavras (ordens) de maldições, para começar a agir e nos amaldiçoar (praticar a ação do mal contra nós).

  • Isto não significa que toda palavra tem poder, que de alguma forma é mágica.
  • As palavras têm poder desde que estão investidas de autoridade; isto é, palavras proferidas por pessoas que possuam autoridade sobre nós.

QUANDO OS PAIS AMALDIÇOAM SEUS FILHOS
  1. Desgraçado: infeliz, desprezível, desventurado.
  2. Idiota: ignorante, imbecil, retardado mental.
  3. Danado: amaldiçoado, irado, atacado de raiva, mau.
  4. Malandro: preguiçoso, velhaco, patife, que não trabalha.
  5. Troço: algo que presta, sem valor.
  6. Capetinha: filho do diabo, mau, travesso.
  7. Besta: usado pelo diabo, tolo, imbecil.
  8. Pestinha: pessoa má, doença contagiosa, mortandade.
  9. Safado: desavergonhado, imoral, sem dignidade.
  10. Atentado: usado pelo diabo, ofensor da lei e da moral.

  • As palavras são usadas por nossos adversários para ferir nossa alma, atingido nossa auto-estima.
  •  Provérbios 16:24 – “Palavras agradáveis são como favo de mel: doces para alma e medicina para o corpo”.
  • Provérbios 23:7 – “Porque, como o homem imagina em sua alma, assim ele é”.
  • Palavras de maldições, são também palavras de murmuração. Muitos cristãos amaldiçoam seu salário, sua casa, sua igreja, seus filhos, sua comida e depois vão pedir para Deus abençoar o que eles vivem amaldiçoando. Terá Deus prazer em abençoar este tipo de pessoa?

PALAVRAS E PRESTAÇÕES DE CONTA
            Todo homem será julgado pelas palavras que proferir: Mateus 12:36-37 – “Digo-vos que de toda palavra frívola (fútil) que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado”.



























LIÇÃO 06: PODER OU CARÁTER DE DEUS

I Coríntíos 12:4-6
“Ora, há diversidade de dons “charismata” (xarisma/twn – carismaton), mas o Espírito é o mesmo. E há diversidade de ministérios “diakonai” (diakoniw~n – diakonion), mas o Senhor é o mesmo. E há diversidade de operações “energemata” (energhma/twn – energematon), mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para o proveito comum”.

  • Os dons manifestam o PODER de Deus, mas nenhum cristão é abençoado ou vitorioso pela manifestação dos dons na sua vida.
  • Os dons são externos e podemos ter todos os dons operando em nossas vidas, mas continuarmos sendo cristãos carnais.

Gálatas 5:22-23
“Mas o fruto do Espírito é: amor, o gozo (alegria), a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio”.

  • O fruto do Espírito manifesta o CARÁTER de Deus, e quando permitimos que esse caráter seja forjado em nós; isto é, quando passamos a ter a mente de Deus, a visão de Deus, o amor de Deus e agimos com nossos semelhantes como Deus agiria e que realmente seremos abençoados.
  • Quando o fruto do Espírito é gerado em nós, todas as bênçãos de Deus nos alcançam e o maligno não nos toca.
  • Deuteronômio 28:1-2 – “Se ouvires atentamente a voz do Senhor teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos, o Senhor te exaltará sobre todas as nações da terra; e todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão...”.

Passos para que o caráter de Deus seja forjado em nós:
Os três itens abaixo são o segredo da vida de vitórias que Jesus desfrutou aqui na terra.

  1. JEJUM: Através do jejum enfraquecemos a carne, que precisa estar assim para ser dominada pelo espírito. Desta forma serão soltas as ligaduras da impiedade e desfeitas as ataduras do jugo. Textos: Isaias 58:5-10; Gálatas 5:19-21; João 4:34.

  1. PALAVRA: Através da leitura, meditação e prática da Palavra de Deus, fortalecemos nosso espírito, que passa a dominar nossa carne, e, então passamos a ter nossa vida controlada pelo Espírito Santo e andamos em vitória. Textos: Josué 1;8; Provérbios 4:20-22; Gálatas 5:16.

ORAÇÃO: Através da oração mantemos plena comunhão com Deus. Texto: Mateus 26:41; 1 Tessalonicenses 5:17; Efésios 6:18; Salmos 55:17; Daniel 6:10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS