TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sexta-feira, 8 de março de 2013

REFLEXÃO 73 - A AÇÃO CRISTÃ NUMA SOCIEDADE CAÓTICA


A AÇÃO CRISTÃ NUMA SOCIEDADE CAÓTICA
          
          Não resta dúvida de que a sociedade contemporânea, no geral, enfrenta um caos sem precedente:  famílias esfaceladas, juventude desvirtuada, violência, imoralidade, desrespeito generalizado.  Qual o papel da Igreja Cristã frente a toda esta infeliz realidade?  Tem a Igreja alguma responsabilidade frente a este caos?
            A História narra alguns exemplos notáveis das consequências do envolvimento da Igreja Cristã com as causas sociais.  Tais exemplos podem ser bem vistos na Europa e na América do século XVIII.  O Revavivamento Evangélico, que revolucionou ambos os continentes, não pode ser visto apenas em termos de pregação do evangelho e conversão de pecadores a Cristo;  ele suscitou também uma vasta filantropia e afetou profundamente a sociedade nos dois lados do Atlântico.
            JOHN WESLEY (1703-1791) nasceu em Epworth, Inglaterra, numa família de dezenove irmãos.  Sua “conversão” se deu em 1725. Logo depois passou a liderar de um pequeno grupo de estudantes organizado pelo seu irmão mais novo, Charles, em Oxford, intitulado o “Clube Santo”.  Este grupo tornou-se uma associação, depois denominada “metodista” por causa do método de estudo da Bíblia e da sua abnegação que incluía muitas obras de caridade.  Em 1735 Wesley for para a Geórgia, como missionário aos índios norte-americanos. Durante uma tempestade na travessia do oceano, ficou profundamente impressionado com um grupo de morávios a bordo do navio.  A fé que tinham diante do risco da morte (o medo de morrer acompanhara Wesley constantemente durante a sua juventude) dispôs Wesley à fé evangélica dos morávios.  Voltou da Geórgia para a Inglaterra em 1738, onde entendeu que a conversão anterior fora apenas “religiosa” e passou então por uma “conversão evangélica”  depois de conhecer o morávio Pedro Bohler que o exortou a confiar somente em Cristo para a sua salvação.  Depois de uma rápida viagem para a Alemanha para visitar a povoação morávia de Herrnhut, voltou para a Inglaterra e, juntamente com George Whitefield, que também fora membro do Clube Santo, começou a pregar a salvação pela fé.  Essa “nova doutrina” era considerada redundante pelos sacramentalistas da Igreja Oficial que achavam que as pessoas já eram suficientemente salvas em virtude do seu batismo na infância.   Em 1739 a pregação de Wesley e Whitefield resultou num reavivamento entre os mineiros de carvão em Kigswood.  Este reavivamento continuou sob a liderança direta de Wesley durante mais de 50 anos.  Viajou cerca de 400.000 Km, por todas as partes da Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda, pregando cerca de 40.000 sermões.  Sua influência também se estendeu à América do Norte.


            As mudanças sociais que se estenderam pela Inglaterra durante o período de reavivamento liderado por Wesley são documentadas por J. Wesley Bready no seu livro  England Befor And After Wesley (A Inglaterra Antes e Depois de Wesley).  Bready descreve a profunda selvageria de grande parte do século XVIII que se caracterizou pela “cruel tornura de animais no esporte, a bebedeira bestial do populacho, o tráfico desumano de negros africanos, o sequestro de compatriotas para a exportação e venda como escravos, a mortalidade infantil, a obsessão universal pela jogatina, a selvageria do sistema penitenciário e do código penal, a expansão devastadora da imoralidade, a prostituição do teatro, a prevalência cada vez maior da ilegalidade, da superstição e da libertinagem, a  corrupção e o suborno na vida pública, a arrogância e a truculência das autoridades eclesiásticas...  Todas estas manifestações fazem crer que o povo britânico era, na época, talvez tão profundamente depravado e corrupto quanto nenhum povo na cristandade.”.
            Mas as coisas começaram a mudar.  No século XIX a escravidão e o tráfico de escravos foram abolidos, o sistema penitenciário foi humanizado, melhoraram as condições nas fábricas e nas minas, a educação tornou-se acessível ao público, surgiram os sindicatos e assim por diante.
            O mesmo se pode contar sobre os Estados Unidos no século passado.  O envolvimento social foi fruto da fé evangélica e irmão gêmeo do evangelismo.  Isto pode se ver claramente em CHARLES G. FINNEY.  Através de suas pregações grandes multidões foram conduzidas à fé em Cristo.  Finney cria firmemente que o evangelho “libera um poderoso impulso rumo à reforma social” e, também, de que a negligência da Igreja pela reforma social entristece o Espírito Santo e constitui um empecilho para o reavivamento.
            Através do Evangelismo de Finney, Deus levantou “um exército de jovens convertidos que se tornaram os agentes do movimento reformador da sua época”.  Em particular,  “as forças que se opuseram à escravidão (...) saíram principalmente de entre os convertidos nos reavivamentos de Finney.”.
            A História de Missões também comprova o casamento entre Missões e Ação Social.  O missionário itinerante carregava consigo uma sacola de medicamentos, sementes ou plantas novas ou selecionadas e um rebanho melhorado.  Foram missionários que revolucionaram a economia de Gana ao introduzirem o café e o cacau plantados por famílias e indivíduos em suas próprias terras.  Um missionário, James Mckean, transformou a vida da Tailância do Norte ao eliminar suas três maiores pragas: varíola, malária e lepra.   Os missionários desempenharam um papel muito importante na abolição do trabalho forçado no Congo.  Resistiram ao comércio de escravos no Sul do Pacífico.  Lutaram ferrenhamente pelos direitos humanos no combate ao ópio, à atadura dos pés e à exposição de meninas recém-nascidas na China.  Abriram guerra à queima das viúvas, ao infanticídio e à prostituição sagrada na India; e, acima de tudo, romperam a escravidão social e econômica do sistema de castas que afetava os inferiorizados e marginalizados.

A BÍBLIA E O ENVOLVIMENTO SOCIAL DA IGREJA:
            Estes tópicos serão desenvolvidos pelo professor em sala de aula, quando você, aluno, poderá fazer as devidas anotações.
i) Uma Doutrina Mais Abrangente de Deus: 
ii)  Uma Doutrina Mais Abrangente do Homem: 
iii)  Uma Doutrina Mais Abrangente de Cristo: 
iv)  Uma Doutrina Mais Abrangente da Salvação: 
v)  Uma Doutrina Mais Abrangente da Igreja: 
vi)  Diaconia Prática


QUESTÕES PARA DEBATE:
a)  Como a Igreja deve entender a ‘POLÍTICA”?
b)  Religião e Política podem se misturar?
c)  Como haverá de ser o evangelismo praticado por uma Igreja no Brasil, hoje?


E o que é política?      
O conceito mais amplo de “política” denota a vida da cidade (polis) e as responsabilidades do cidadão (polites);  ou seja, tem a ver com o todo da nossa vida na sociedade humana.  Política é a arte de viver juntos em comunidade.  De acordo com a definição mais limitada, no entanto, política é a ciência de governar;  é a preocupação com o desenvolvimento e a adoção de políticas específicas que serão consagradas pela legislação. 


AUTOR DESCONHECIDO

 Bibliografia:
STOTT, John W.  O Cristão em Uma Sociedade Não Cristã.  vol 1. ed. Vinde.
Enciclopédia de Histórico-Teológica. vol. 2.  ed. Vida Nova.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS