TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sexta-feira, 27 de março de 2015

MENSAGEM 14 - RESSURREIÇÃO (Ceia)

RESSURREIÇÃO - CEIA
1 Co 11.23-26

23.Pois recebi do Senhor o que também lhes entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão 24.e, tendo dado graças, partiu-o e disse: "Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês; façam isto em memória de mim". 25.Da mesma forma, depois da ceia ele tomou o cálice e disse: "Este cálice é a nova aliança no meu sangue; façam isto, sempre que o beberem, em memória de mim". 26.Porque, sempre que comerem deste pão e beberem deste cálice, vocês anunciam a morte do Senhor até que ele venha (1 Coríntios 11:23-26).

1 – “Na noite em que foi traído...” (v. 23)
O que é traição? No dicionário você encontrará que é a incapacidade de ser fiel a uma pessoa ou enganar alguém.
O texto de Coríntios se refere a traição de Judas. Precisamos compreender um pouco este homem, para entendermos o por quê ele traiu a Jesus. Judas pertencia a um grupo político chamado “zelotes”. Este grupo era como um dos partidos políticos de nossos dias que lutavam por um ideal. Os zelotes desejavam a implantação do Reino Messiânico e a libertação de Israel do domínio de Roma.
Judas desviava o dinheiro que era ofertado ao ministério de Jesus com o fim de investir no programa dos “zelotes”.
Com o fim de forçar Jesus a assumir sua posição de Messias, Judas abandona todos os princípios éticos que ainda lhe restavam e entrega Jesus aos romanos, com um beijo; acreditando que Jesus dessa forma convocaria Israel para lutar e estabeleceria seu reinado messiânico.
Preste atenção, Judas já traia Jesus ao roubar o dinheiro da sacola para investir no projeto dos zelotes. Judas já traia Jesus quando tentava criar um plano B para que o reinado messiânico se manifestasse, e por fim consumou sua traição com um beijo.
A primeira traição descrita na história acontece no Éden (Gn 3). Adão trai a confiança que Deus colocará sobre ele. Deus lhe pediu para não comer do fruto da árvore que estava no meio do jardim, entretanto Adão desobedeceu a Deus, e desde então o pecado se tornou parte de nossa natureza humana.
Será que em algum momento de sua vida você não traiu a confiança de alguém? Acredito que de alguma forma todos nós já traímos. Possivelmente você já roubou uma bala do mercadinho quando ninguém estava olhando, já passou pela alfandega com mercadoria escondida, mentiu para um amigo, para sua mãe, para seu pai, para sua namorada, para seu cônjuge, fez alguma coisa errada e jogou a culpa em outro, ou mesmo entregou alguém que confiava em sua descrição. Contudo todas estas “pequenas” traições só aconteceram porque, na verdade, você já tinha traído a Deus em seu coração, estabelecendo um ídolo em sua vida, que se tornou seu senhor, no lugar de Deus. Quando os valores do Reino de Deus não são vividos por nós, é porque levantamos um novo altar em nossos corações. Isso é traição a Deus. Isso é pecado!
A Bíblia afirma no livro de Romanos (Rm 3.23) - pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus.


2 – "Isto é o meu corpo, que é dado em favor de vocês” (v. 24)
Jesus anuncia sua morte ao dizer que o pão simbolizava seu corpo que seria dado por nós. A consequência do pecado é a morte, segundo está escrito em Rm 6.23 – o salário do pecado é a morte.
Deus sendo justo precisava cumprir aquilo que havia estabelecido como lei espiritual. Justiça é a virtude de dar a cada um aquilo que é seu por direito. O homem pecou deveria morrer e derramar seu sangue como pagamento de seu pecado.
Entretanto, Jesus que não pecou - Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus (2 Coríntios 5:21).
Isso significa que Jesus morreu a nossa morte. O infrator sou eu, é você. O idólatra somos nós, o traidor somos nós! Jesus não pecou, portanto Ele não tinha que morrer.
Por outro lado, nós já nascemos no pecado, por causa da desobediência de Adão no Éden. Não só nascemos no pecado, como já nascemos espiritualmente mortos. Nascemos presos a este estado de corrupção como consequência do pecado original, nome dado pelos teólogos ao pecado de nossos primeiros pais, que recebemos como herança. Portanto eu e você, e toda humanidade, estávamos condenados ao inferno eterno, a saber, a segunda morte – que é a separação eterna de Deus. Nós merecíamos a morte eterna, nós merecíamos a morte de cruz e não Jesus. Mas Ele se fez pecado por nós e morreu a nossa morte.

3 – Este cálice é a nova aliança no meu sangue (v. 25)
Quando Jesus foi levantado no madeiro, seu sangue foi derramado por nossos pecados e uma nova aliança foi estabelecida entre Deus e os homens. Aliança esta, de acordo com o autor de Hebreus, superior a de Moisés (a do monte Sinai – Hb 3.3-6).
O sangue de Cristo nos justificou, isto é, nos tornou justos. O preço exigido pelo pecado de um homem, a morte de todos os homens, foi pago pela morte de um justo, Jesus Cristo, dando a todos os homens a possibilidade de se libertarem da condenação eterna, mediante a fé em Cristo Jesus (Rm 5.1, 17-18).
Por meio do sangue de Jesus, a misericórdia de Deus nos alcançou. Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira (Rm 5.9). Misericórdia é o ato de não dar a punição àquele que merece. Deus deteve o raio que cairia sobre nós, nos levando a vivermos separados para sempre de Sua presença. Não porque merecíamos, mas por um ato de Sua misericórdia.
Deus não somente deteve o raio que cairia sobre nós, como nos agraciou devido ao Seu imenso amor por nós. A graça ocorre quando alguém nos dá um presente sem que nós o mereçamos. Deus nos presenteou com a vida eterna. Viveremos para sempre ao Seu lado, por causa do sangue, de Cristo Jesus, derramado na cruz.

4 – Até que ele venha (v. 26)
Quem é que vem? A quem Paulo está se referindo? A Jesus é claro! Pode um cadáver ir a algum lugar? Se Jesus voltará conforme Paulo nos ensina, significa que Jesus está vivo. Ele ressuscitou. Venceu a morte e sua vitória é a nossa vitória. Por que Cristo ressuscitou, também nós ressuscitaremos.
5.E estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça sois salvos -, 6.e juntamente com ele nos ressuscitou e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus (Ef 2.5-6).
Em Cristo a vida eterna já nos está assegurada, a ressurreição já está consumada, por isso somos convidados a continuarmos celebrando por meio da Ceia a vitória sobre a morte.
A ceia é um memorial que nos faz lembrar:
1) de quem éramos sem Cristo - mortos;
2) do grande amor de Deus por nós - deteve a condenação que estava sobre nós;
3) do alto preço que foi pago para que fossemos justificados - o sangue de Jesus;
4) de que Jesus voltará - renova nossas esperanças.

Conclusão: Você já traiu alguém? Você hoje percebeu que já traiu a Deus? Não se desespere por isso. Lembre-se que Jesus morreu em seu lugar na cruz. Ele já pagou o preço dos seus pecados e dos meus pecados. Agora levante a cabeça e não faça como Judas, que se enforcou, faça o contrário, viva intensamente para Deus, viva com a certeza de que Jesus virá e estabelecerá Seu Reino entre os homens. Viva de modo que Ele te encontre digno de Seu amor. Deus te abençoe!

Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira

26/03/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS