TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

MEDITAÇÕES 105 - VINHO NOVO ODRES NOVOS

Vinho Novo Odres Novos

Lc 5:33-39


"Disseram-lhe eles: Os discípulos de João, e bem assim os dos fariseus, freqüentemente jejuam e fazem orações; os teus, entretanto, comem e bebem. // Jesus, porém, lhes disse: Podeis fazer jejuar os convidados para o casamento, enquanto está com eles o noivo? // Dias virão, contudo, em que lhes será tirado o noivo; naqueles dias, sim, jejuarão. // Também lhes disse uma parábola; Ninguém tira pedaço de veste nova e o põe em veste velha; pois que rasgará a nova e o remendo da nova não se ajustará à velha. // E ninguém põe vinho novo em odres velhos, pois que o vinho novo romperá os odres; entornar-se-á o vinho e os odres, se estragarão. // (v. 38) Pelo contrário, vinho novo deve ser posto em odres novos [e ambos se conservam]. // E ninguém, tendo bebido o vinho velho, prefere o novo; porque diz: O velho é excelente."

Os críticos de Jesus vieram a ele com uma pergunta: "Os discípulos de João jejuam e oram freqüentemente, bem como os discípulos dos fariseus, mas os teus discípulos vivem comendo e bebendo."
Jesus respondeu falando primeiro sobre o noivo. Ele pergunta aos seus críticos: "Podem por acaso os convidados jejuarem enquanto o noivo se encontra presente na festa?" Contudo Jesus diz que virão dias quando o noivo lhe será tirado e aí sim os convidados jejuarão. O próprio Jesus era o noivo e enquanto ele estivesse na terra com seus discípulos era inteiramente apropriado que estes desfrutassem da sua presença.
Mas Jesus não para por aí. Ele prossegue e fala uma parábola sobre roupa nova e vinho novo. Jesus sabia onde estava o verdadeiro problema. Sabia o que estava por trás da questão levantada pelos escribas e fariseus. Estavam irritados porque Jesus não obedecia a todas as suas tradições. Na verdade eles estavam fazendo a seguinte pergunta a Jesus: "Por que os seus discípulos transgridem a tradição dos anciãos."
A afirmação do verso 38 é a chave : "Vinho novo deve ser posto em odres novos."

            VINHO NOVO   ODRES NOVOS

Que vinho novo é este que Jesus se refere? - O vinho novo é a mensagem que Jesus está trazendo. A mensagem de que o Reino de Deus já estava presente no mundo através de sua pessoa e de que aqueles que cressem Nele (Jesus) tinham acesso a esse Reino.
O que são os odres? - Os odres daquela época eram as tradições e estruturas religiosas e hoje são as igrejas, somos nós, que transportamos o vinho. 

O evangelho do Reino de Deus que Jesus anunciava era a concretização das profecias do A.T.
"Eis que faço coisa nova, que está saindo à luz; porventura não o percebeis?..." (Is 43:19) // "Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembranças das coisas passadas, jamais haverá memória delas." (Is 65:17) // "Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro neles;..." (Ezequiel 11:19) // "Dar-vos-ei coração novo, e porei dentro em vós espírito novo;..." (Ez 36:26). // "Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça." (2 Pe 3:13).
O verdadeiro evangelho bíblico é uma mensagem de novidade, de renovação radical.
A mensagem da chegada do Reino de Deus não cabia dentro do velho judaísmo. O novo vinho que Jesus Cristo trazia não podia ser guardado dentro de um velho odre, pois o odre romperia e o vinho se perderia.  O velho judaísmo não poderia conter o vinho novo de Cristo.
A fé crista teria de crescer e com certeza ela romperia o odre velho do judaísmo e foi isso que aconteceu. A igreja de Cristo começou a crescer e a se espalhar pelo mundo todo, desfazendo-se das velhas formas judaicas, dos velhos ritos judaicos.
O evangelho de Cristo que pregamos ainda continua sendo o vinho novo, a mensagem de Cristo continua sendo radical, de transformações, pois a mensagem de que Jesus Cristo é o Filho de Deus que veio ao mundo para nos salvar é poder para salvação de todo aquele que nela crer.
Contudo todas as épocas experimentam a tentação de esquecer que o evangelho é sempre novo. Tentamos conservar o vinho novo do evangelho em odres velhos – isto é, em tradições fora de moda, filosofias obsoletas, instituições rangentes (ranger), velhos hábitos, velhos costumes. As nossas tradições é que nos dita o que é certo e o que é errado. Não seguimos o que a Bíblia diz, fazemos com que a Bíblia siga as nossas tradições. Usamos a Bíblia para defender os nossos costumes.
Veja o que acontece com relação aos nossos cabelos – Algumas igrejas adotam que é pecado a mulher cortar o cabelo baseado em 1 Co 11:2-16. O apóstolo Paulo está dizendo que toda a mulher que usa orar e profetizar na Igreja o faça com a cabeça coberta: primeiro o apóstolo Paulo parece que não concordava com estas atitudes de algumas mulheres é o que nos diz 1 Co 14:34-35. Segundo Paulo diz para usar véu e não deixar de cortar o cabelo como é costume de algumas igrejas hoje. A bíblia não diz que cabelo comprido da mulher substitui o véu. Alias se ela não quer usar o véu ela deve raspar a cabeça e não deixar o cabelo comprido conforme o v. 6. Quando Paulo fala nos vv. 13-15 que para o homem é vergonhoso usar cabelo comprido e para mulher é glória, ele não está dizendo que a mulher não pode cortar o cabelo e sim está fazendo uma comparação, assim como para o homem é vergonhoso usar cabelo comprido, é vergonhoso para a mulher orar e profetizar sem véu. Quando o texto diz no v. 15 que o cabelo lhe foi dado em lugar de mantilha, que o cabelo para a mulher é como uma coberta. A palavra não é a mesma empregada nos vv. 5-6. O que Paulo apresenta aqui, é que, assim como o cabelo representa a coberta no reino natural o véu representa a coberta no reino espiritual. De tal forma que somente a Congregação Cristã age dentro destes princípios, pois na congregação Cristã as mulheres usam véu. A Congregação Cristã erra porque as mulheres acreditam que não podem cortar o cabelo. Paulo não diz isso, apenas diz que o cabelo comprido é glória para a mulher, isto é, elas podem cortar não precisam cortar curto, mas podem corta-lo um pouco até para deixar mais bonito.
Contudo no v. 16 Paulo diz o seguinte "Contudo, se alguém quer ser contencioso, saiba que nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus."
O que Paulo está querendo dizer é que eles não tinham o costume de mulheres adorarem, orarem ou profetizarem sem o véu. Quando ele diz contudo se alguém quer ser contencioso, ele está deixando em aberto para que cada igreja decida por si mesma. Paulo não impôs nenhuma regra quanto ao uso do véu e muito menos do cabelo.

O que acontece em nossos dias é que os odres velhos, as igreja com suas regras de conduta, com suas leis acabam amarrando o evangelho. As igrejas se tornam arcaicas com suas tradições ultrapassadas e que nem bíblicas são.
Essas tradições ultrapassadas devem ser rompidas para que o vinho novo possa através da igreja com novos odres, novas visões, novas proposta de trabalho crescerem e levarem o evangelho a toda terra. Precisamos de novos odres para comportar o poder do evangelho, pois embora a mensagem do evangelho não muda, a sua forma de transmissão deve mudar. Precisamos de um evangelho que alcance todas as classes sociais, de um evangelho que ponha em liberdade aqueles que estão sofrendo, precisamos de igrejas que manifestem o poder do evangelho, de igrejas dinâmicas que transmitam a mensagem na linguagem do mundo de hoje, para que o mundo hoje possa entender que Jesus Cristo é a salvação.

A nossa Igreja Presbiteriana precisa descobrir os valores do Dons Espirituais, pois por muitos anos nossa Igreja nada falou a respeito disso e vejo muitos presbíteros, pastores ensinando coisas erradas a respeito dos Dons Espirituais e alguns acabam até mesmo zombando do Espírito Santo, pois zombam dos Dons sem temor algum.
Os Dons Espirituais foi dado por Deus e continuam sendo dado por Deus a todos aqueles que buscam. Eu gostaria que todos de nossa Igreja pudessem orar em Línguas Estranhas, Profetizassem, Operassem Maravilhas, tivessem Palavra de Sabedoria, etc., 
Quanto ao dom de Línguas Estranhas diz a palavra de Deus que aquele que ora em línguas estranhas edifica a si mesmo. Para que a nossa fé cresça, para que nossas experiências com Deus cresça é necessário que a nossa fé se fortaleça, e Deus deu o dom de línguas para isso segundo diz o apóstolo Paulo em 1 Co 14:4. É claro que não quero que ninguém fique orando em línguas durante o culto em voz alta, pois quando estamos reunidos aqui devemos buscar a edificação da igreja, de todo o corpo, e, não somente a nossa própria edificação. Contudo quando você estiver sozinho você poder orar em línguas estranhas, neste momento embora você não entenda o que está orando, você com certeza estará se edificando.
As nossas estruturas deixaram de lado o poder de Deus, e hoje quando falamos de Dons Espirituais somos tido por pentecostais. Os dons espirituais não é somente para os pentecostais é para a Igreja de Cristo, e se nós somos a Igreja de Cristo representada na terra, os dons é para nós também. A Bíblia não diz que os dons cessaram, e, por muitos anos nossas igrejas pregarão isso, mas eu dou glória a Deus que isto está mudando. É a hora de despertarmos do sono, é a hora de quebrarmos as velhas estruturas que impedem o evangelho de ser vivido por nós.
Temos que reconhecer que não edificaremos a Igreja de Cristo pelo nosso próprio poder, mas pelo poder de Deus, e os dons nos foi dado para edificação da Igreja, é a capacitação de Deus para edificarmos sua igreja, mas devemos usa-los com ordem  e decência, pois o nosso Deus não é Deus de bagunça e confusão.
Contudo precisamos estar atentos para não cairmos nos erros, num fanatismo desenfreado, num "achismo", onde andamos pelo que achamos e não pelo que a palavra de Deus diz.
Eu estou tocando nestes pontos para que nós possamos ver como nos tornamos. Vivemos não pelo ensinamentos dos apóstolos, mas pela estrutura e pelas tradições que nos foi dada. Não somos cristãos, somos presbiterianos, alguns são batistas, outros metodistas; mas onde estão os cristãos?
Os verdadeiros cristãos não estão presos as instituições, estão presos a Cristo, não defendem Calvino ou Arminio, mas defendem os ensinamentos de Jesus Cristo, vivem na doutrina dos apóstolos e o fazem sem se rebelarem com suas Igrejas ou com seus pastores.
Essa parábola do vinho novo também nos ensina da necessidade de odres novos.

-         Precisamos estar renovando nossas Igrejas e nossas vidas, pois os odres não são eternos.
-         Precisamos acompanhar o mover do Espírito Santo sem perdermos contudo nossa identidade.
-         Precisamos separar o que é tradição pura ensinada por Cristo e seus apóstolos e o que é tradição cultural (ex.: musica).
-         Precisamos manter firmes os recursos e os métodos do Espírito que são eternos, estes não podem ser ignorados pela Igreja de Cristo, pois é pelo poder e somente pelo poder do Espírito que a Igreja irá glorificar a Jesus Cristo.
-         Precisamos renovar a metodologia humana ultrapassada que já não servem para os nossos dias. Vivemos num mundo muito diferente dos nossos pais, dos nossos avós e dos dias dos apóstolos. Podemos usar recursos que nossos pais não tiveram como: Televisão, rádio, Internet e outros veículos de comunicação para a pregação do evangelho.

O Vinho Novo precisa de Odres Novos para alcançar a nova geração cibernética, a geração dos computadores, da Internet.
Não vivemos mais na era dos Flinstons, mas na era dos Jetsons.
A igreja tem que acompanhar a revolução do mundo de hoje, se não ninguém vai parar para ouvir a mensagem que ela tem para dar.      


Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira
(Este texto foi escrito no ano 2000 - quando ainda era pastor presbiteriano)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS