TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

terça-feira, 17 de julho de 2012

REFLEXÃO 54 - AS DEZ VIRGENS


AS DEZ VIRGENS
(Mt 25.1-13)

O capítulo 25 de Mateus apresenta três parábolas a respeito do juízo, com o fim de nos apresentar aspectos diferentes deste dia tão especial. Em nossa reflexão hoje iremos apenas estudar a parábola das dez virgens. 


Segundo os historiadores no tempo de Jesus havia três estágios no processo matrimonial. Primeiro vinha o compromisso, quando era feito um contrato formal entre os respectivos pais da noiva e do noivo.  Firmado este compromisso entre os pais era realizado o segundo estágio, uma cerimônia onde se celebrava o noivado, e nessa oportunidade o noivo dava um presente a sua noiva. Homem e mulher, isto é, noivo e a noiva estavam agora comprometidos. E após o transcurso de cerca de um ano, o terceiro estágio finalmente se realizava, o casamento, quando o noivo acompanhado dos seus amigos, ia buscar a noiva na casa do seu pai e a levava em cortejo para sua casa, onde se fazia a festa de casamento. Entende-se que é a este cortejo que a parábola de Jesus se refere.
A ênfase da parábola de Jesus esta na importância de estar preparado para sua chegada, para o grande dia do Senhor.
Alguns pregadores usam este texto para defender a tese de que os cristãos podem perder a salvação. Para essa afirmação dizem que o texto se refere a dez virgens, estas possuíam uma lâmpada cada e uma quantidade de óleo. As dez virgens nesta interpretação representam dez cristãos, o óleo é entendido como a presença do Espírito Santo e a porta simboliza a salvação. Uma vez que suas lâmpadas se apagaram, fazem a leitura que o Espírito Santo foi apagado em suas vidas, e por isso o noivo não as reconheceu e a porta lhes foi fechada.
Esta não é uma leitura correta, pois devemos considerar que Jesus esta contando uma parábola com o fim de descrever o cuidado que se deve ter na vida por não saber quando o noivo irá chegar. O grande ensino é que devemos viver vigilantes todos os dias, em plena comunhão com Deus, pois a qualquer momento o noivo (que é o próprio Jesus) poderá retornar a este mundo.
Essa é uma ilustração que dá continuidade a parábola do servo fiel e do infiel (Mt 24.45-51). Ambos são servos, mas isto não significa que eram crentes. A parábola apenas faz uso da figura de homens trabalhadores que precisavam prestar contas. Da mesma forma, Jesus, esta fazendo uso de um costume judaico, em que o noivo vinha buscar a noiva para o casamento. Ele não afirma que as noivas eram crentes ou representavam a igreja como alguns costumam dizer, embora a bíblia faça referência da igreja ser a noiva de Cristo. Entretanto não é isto que Jesus está dizendo nesta parábola. 
Gostaria de ressaltar que a Igreja de Cristo é formada somente pelos salvos. A igreja local que seu reúne em um templo é composta de salvos e não salvos. Essa pode ter joio e trigo, mas não a Igreja de Cristo.
Considerando que as virgens simbolizavam os crentes, o texto então nos apresenta dois tipos de crentes. O primeiro tipo esta representado pelas virgens néscias e o segundo tipo pelas virgens prudente. Podemos dizer então que as virgens néscias simbolizam os religiosos e as prudentes os verdadeiros crentes. Embora as dez virgens estão em busca do noivo, isto é, embora as dez buscam a Jesus, a forma como buscam fará a diferença para que sejam aceitas ou não por Ele.
O que Jesus realmente está dizendo? Ele esta afirmando por meio desta parábola que um dia Ele voltará de surpresa para buscar sua noiva. 
Em fim, a pergunta final que devemos fazer é: estamos preparados para encontrarmos com Jesus hoje? Você está preparado? Tem certeza que Ele te reconhecerá como sua noiva? Sua lâmpada está cheia de óleo?

Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira
13/07/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS