TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

terça-feira, 16 de julho de 2013

ESTUDOS 5 - A CHAMADA DE ABRAÃO

A chamada de Abraão


Tipo: Estudo Bíblico / Autor: Autores diversos

TEXTO ÁUREO


"Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia" (Hb 11.8).


ORA, A FÉ É. O capítulo 11 demonstra a natureza do único tipo de fé aceita por DEUS e que triunfará na pior das situações. É uma fé que crê nas realidades espirituais (v. 1), que leva à justiça (v. 4), que busca a DEUS (v. 6), que crê na sua bondade (v. 6), que tem confiança na sua palavra (vv. 7,11), que obedece aos seus mandamentos (v. 8), que vive segundo as promessas de DEUS (vv. 13,29), que rejeita o espírito deste presente mundo mau (v. 13), que busca um lar celestial (vv. 14-16; cf. 13.13,14), que abençoa a geração seguinte (v. 21), que recusa os prazeres do pecado (v. 25), que suporta a perseguição (v. 27), que pratica poderosos atos de justiça (vv. 33-35), que sofre por amor a DEUS (vv. 25,35-38) e que não volta àquela pátria donde haviam saído, i.e., o mundo (vv. 14-16)

PELA FÉ ABRAÃO... OBEDECEU. A fé e a obediência são inseparáveis entre si, assim como também são inseparáveis a incredulidade e a desobediência (3.18,19; ver Jo 3.36 nota).


HB 11.10 - PORQUE ESPERAVA A CIDADE. Abraão sabia que a terra que lhe fora prometida, aqui no mundo, não era o fim da sua jornada. Pelo contrário, o fim era bem além, na cidade celestial, que DEUS preparara para seus servos fiéis. Abraão serve de exemplo a todo o povo de DEUS; devemos reconhecer que estamos apenas de passagem neste mundo, caminhando para nosso verdadeiro lar no céu. Não devemos pensar em segurança plena neste mundo, nem ficar fascinados por ele (vv. 14,16; 13.14). Devemos nos considerar estrangeiros e exilados na terra. Esta não é a nossa pátria, mas território estrangeiro; o fim da nossa peregrinação será uma pátria melhor (v.16), a "Jerusalém celestial" (12.22) e a "cidade permanente" (13.14).Js 24.2 Disse então Josué a todo o povo: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Além do Rio habitaram antigamente vossos pais, Tera, pai de Abraão e de Naor; e serviram a outros deuses. 3 Eu, porém, tomei a vosso pai Abraão dalém do Rio, e o conduzi por toda a terra de Canaã; também multipliquei a sua descendência, e dei-lhe Isaque.

Abraão veio de um povo idólatra, mas ouviu a voz de DEUS e creu em DEUS e em suas promessas, sendo justificado por sua fé, assim como todo aquele que aceitar a JESUS CRISTO como Senhor e Salvador de sua vida, pela fé em seu sacrifício na cruz do calvário, levando sobre ELE nossos pecados.

VERDADE PRÁTICA


A chamada de DEUS desafia o homem para uma vida de fé e sem fronteiras.
O caminho da bênção é sempre o da obediência incondicional a DEUS.







LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

GÊNESIS 11.31,32; 12.1-6


Gênesis 11.31 - E tomou Terá a Abrão, seu filho, e a Ló, filho de Harã, filho de seu filho, e a Sarai, sua nora, mulher de seu filho Abrão, e saiu com eles de Ur dos caldeus, para ir à terra de Canaã; e vieram até Harã e habitaram ali. 32 E foram os dias de Tera duzentos e cinco anos; e morreu Terá em Harã.

ABRÃO, SEU FILHO. A Bíblia, em Gn 11.27, começa a história de uma única família escolhida por DEUS, para por ela trazer a redenção da raça humana. O chefe daquela família era Abrão (nome esse posteriormente mudado para Abraão, ver 17.5), o qual viveu cerca de 2.100 a.C. Em Atos 7.2,3, Estêvão declara que DEUS apareceu a Abrão, em Ur dos Caldeus, antes de ele habitar em Harã (cf. 15.7; Ne 9.7). A chamada de DEUS a Abrão foi provavelmente o fator motivante na mudança para Harã, de Terá, seu pai.. Abrão descendia de Sem (11.10) e tornou-se o pai da nação judaica

DEUS chama Abrão e lhe faz promessas

Gn 12.1-6 - 1 Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. 2 E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. 3 E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. 4 Assim, partiu Abrão, como o SENHOR lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos, quando saiu de Harã.
5 E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e toda a sua fazenda, que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e vieram à terra de Canaã. 6 E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam, então, os cananeus na terra.

12.1 SAI-TE DA TUA TERRA. Nessa ocasião, DEUS não disse a Abrão para onde o conduziria (Hb 11.8). Ao invés de ser informado disso, ele teve de viajar sob a orientação direta do Senhor.
12.3 EM TI SERÃO BENDITAS TODAS AS FAMÍLIAS DA TERRA. Esta é a segunda profecia das Escrituras sobre a vinda de JESUS CRISTO a este mundo (ver 3.15 nota).

(1) O texto fala de uma bênção espiritual que viria através de um descendente de Abraão. Paulo declara que esta bênção se refere ao evangelho de CRISTO, oferecido a todas as nações (Gl 3.8,14,16).
(2) A promessa de DEUS a Abrão revela que, desde os primórdios da raça humana, o propósito do evangelho era abençoar todas as nações com salvação. DEUS está agora realizando seu propósito através de JESUS e seu povo fiel, que compartilha da sua vontade de salvar os perdidos, enviando pregadores para proclamar o evangelho a todas as famílias da terra. Este versículo serve de fundamento motivador da obra missionária no mundo inteiro.

12.4 PARTIU ABRÃO, COMO O SENHOR LHE TINHA DITO. A narrativa de Abraão, desde o início, chama a atenção para a seguinte verdade: a obediência a DEUS é essencial para o usufruto da salvação nEle.
  
(1) Abrão obedeceu à palavra do Senhor. Sua obediência incluiu deixar seu lar e sua pátria e confiar-se ao cuidado de DEUS, na sua orientação divina e nas suas promessas (ver v. 1; Tg 2.17; 1 Jo 2.4).

   (2) Assim como Abraão, todos os crentes em CRISTO são conclamados a deixar sua terra... parentela... e casa do pai (12.1) para seguir a JESUS, no sentido de buscar uma pátria melhor, isto é, a celestial.


LEITURA DIÁRIA


Segunda: Gn 11.24,26-32 = A Família de Abraão


11.28 UR DOS CALDEUS. Essa cidade antiga ficava cerca de 160 km a sudeste da cidade de Babilônia, perto do rio Eufrates, na região hoje chamada Iraque. Sin , o deus-lua, era o deus padroeiro dessa cidade.

11.31 ABRÃO, SEU FILHO. A Bíblia, em Gn 11.27, começa a história de uma única família escolhida por DEUS, para por ela trazer a redenção da raça humana. O chefe daquela família era Abrão (nome esse posteriormente mudado para Abraão, ver 17.5), o qual viveu cerca de 2.100 a.C. Em Atos 7.2,3, Estêvão declara que DEUS apareceu a Abrão, em Ur dos Caldeus, antes de ele habitar em Harã (cf. 15.7; Ne 9.7). A chamada de DEUS a Abrão foi provavelmente o fator motivante na mudança para Harã, de Terá, seu pai, Abrão descendia de Sem (11.10) e tornou-se o pai da nação judaica.Abraão, nona geração depois de Sem, nasceu por volta do ano 2000 aC. Abraão foi filho de Terá. e irmão de Naor e Ara. (SCR) Abraão casou-se com Sarai, e Naor casou- se com Milca (Gn 11.27.29). Morava com Abraão seu sobrinho Ló, filho de Ara. que havia falecido (Gn 11.27.28).


Terça: Gn 12.1-9 = O desafio da fé ultrapassa fronteiras.

12.1 SAI-TE DA TUA TERRA. Nessa ocasião, DEUS não disse a Abrão para onde o conduziria (Hb 11.8). Ao invés de ser informado disso, ele teve de viajar sob a orientação direta do Senhor.

    12.3 EM TI SERÃO BENDITAS TODAS AS FAMÍLIAS DA TERRA. Esta é a segunda profecia das Escrituras sobre a vinda de JESUS CRISTO a este mundo (ver 3.15 nota).
(1) O texto fala de uma bênção espiritual que viria através de um descendente de Abraão. Paulo declara que esta bênção se refere ao evangelho de CRISTO, oferecido a todas as nações (Gl 3.8,14,16).
(2) A promessa de DEUS a Abrão revela que, desde os primórdios da raça humana, o propósito do evangelho era abençoar todas as nações com salvação. DEUS está agora realizando seu propósito através de JESUS e seu povo fiel, que compartilha da sua vontade de salvar os perdidos, enviando pregadores para proclamar o evangelho a todas as famílias da terra. Este versículo serve de fundamento motivador da obra missionária no mundo inteiro.

12.4 PARTIU ABRÃO, COMO O SENHOR LHE TINHA DITO. A narrativa de Abraão, desde o início, chama a atenção para a seguinte verdade: a obediência a DEUS é essencial para o usufruto da salvação nEle.
 (1) Abrão obedeceu à palavra do Senhor. Sua obediência incluiu deixar seu lar e sua pátria e confiar-se ao cuidado de DEUS, na sua orientação divina e nas suas promessas (ver v. 1 nota; Tg 2.17 nota; 1 Jo 2.4 nota).
 (2) Assim como Abraão, todos os crentes em CRISTO são conclamados a deixar sua terra... parentela... e casa do pai (12.1) para seguir a JESUS, no sentido de buscar uma pátria melhor, isto é, a celestial (Hb 11.16)

     12.7 E APARECEU O SENHOR A ABRÃO. Esta é a primeira ocasião em que as Escrituras declaram explicitamente que DEUS apareceu a alguém, porém, é justo crer que DEUS já tivesse antes aparecido a Adão e outros (1.28,29; 2.15,16,22; 3.8-21). Esse aparecimento foi uma manifestação objetiva e visível de DEUS na semelhança de um ser humano (c.f. 18.1-3,9-33; Êx 33.18-23). As aparições visíveis do Senhor são chamadas teofanias i.e., manifestações ou aparições visíveis de DEUS (ver Êx 3.2 nota). A terra que DEUS prometeu que daria a Abrão era a terra de Canaã (o nome antigo da Palestina), ao longo do litoral sudeste do mar Mediterrâneo.

Quarta: At 7.1-8 = O Testemunho da fé de Abraão

7.2 IRMÃOS E PAIS, OUVI. O discurso de Estêvão diante do sinédrio é uma defesa da fé propagada por CRISTO e pelos apóstolos. Ele é o precursor de todos quantos defendem a fé bíblica contra os que se opõem ao seu ensino ou o distorcem, e é o primeiro que morreu por essa causa. JESUS vindica a ação de Estêvão, ficando em pé para honrá-lo diante de seu Pai, no céu (v. 56 nota). O amor de Estêvão à verdade e sua disposição em dar a vida para salvaguardá-la, contrastam-se nitidamente com aqueles que pouco se interessam por batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos (Jd v.3) e que, em nome do amor, da paz e da tolerância, não vêem qualquer necessidade de oposição aos falsos mestres, nem àqueles que distorcem o evangelho puro, em favor do qual CRISTO morreu. 

Quinta: Rm 4.1-22 = Abraão justificado pela fé


Abraão foi justificado pela fé

4.3 CREU ABRAÃO EM DEUS. A salvação pela fé, e não pelas obras (i.e., pela guarda da Lei), não é uma doutrina peculiar do NT; é, também, característica do AT. Paulo retrocede no tempo, para além de Moisés, e toma Abraão como exemplo de fé. Abraão tinha fé em DEUS, i.e., cultivava um dedicado e leal relacionamento com seu DEUS, cria nas suas promessas (vv. 20,21; Gn 12.1-3; 15.5,6) e vivia em obediência ao Senhor (Gn 12.1-4; 22.1-19; Hb 11.8-19; Tg 2.21,22.

4.5 FÉ IMPUTADA COMO JUSTIÇA. A Abraão, a fé foi "imputada" por justiça. "Imputar" significa creditar na conta da pessoa (ver a forma negativa no v. 8). Isso significa que a fé salvífica do cristão é tida como equivalente à justiça no tocante ao seu efeito.

(1) Paulo fala seis vezes, em Rm 4, de "imputar" ou "atribuir a justiça" ao crente, e, em cada caso, Paulo afirma claramente
que é a "fé" do crente que lhe é contada ou imputada como "justiça" (vv. 3,5,6,9,11,22; ver Gn 15.6). 
(2) Imputar a fé do crente como justiça não é, porém, resultado exclusivo da nossa fé em CRISTO ou da nossa entrega a Ele; é, acima de tudo, um ato de graça e misericórdia divinas (v.16). 
(3) Quando DEUS vê o coração do crente voltado para CRISTO com fé, Ele lhe perdoa, graciosamente, os pecados, imputa-lhe a fé como justiça e aceita-o como seu filho (vv. 5-8). Juntamente com essa imputação da fé como justiça, DEUS também outorga sua graça para a santificação (ver v. 16; 5.2; Fp 3.9; Tt 3.5-7). 
(4) A fé, que é imputada como justiça e que traz o perdão, é a fé em CRISTO, tendo em vista a sua morte expiatória (3.24-26). Absolutamente nada mais, a não ser a morte sacrificial de CRISTO na cruz constitui o fundamento da reconciliação do pecador com DEUS (ver 5.10)

4.7 AQUELES CUJOS PECADOS SÃO COBERTOS. Esta citação do Sl 32.1,2 mostra que tanto Davi como Paulo criam que a fé contada como justiça, abrange o perdão do pecado e a reconciliação com DEUS. É uma dádiva da misericórdia de DEUS através da morte de CRISTO na cruz (ver v. 5; cf. 2 Co 5.19,21).

4.12 A FÉ DE NOSSO PAI ABRAÃO. A fé que Abraão tinha era uma fé genuína, pela qual ele perseverava, cria, confiava, obedecia, fortalecia-se e dava glória a DEUS (vv. 16-21). Esse é o tipo de fé que nos torna filhos de DEUS.

4.16 É PELA FÉ. Os crentes são salvos somente pela fé, mediante a graça. Devem ser notadas, no entanto, duas verdades bíblicas a respeito da natureza da fé para salvação. 
(1) Embora a pessoa seja salva pela fé somente, a fé que salva não é algo único. Tiago declara que "a fé sem obras é morta" (Tg 2.14-26); Paulo diz que é "a fé que opera por caridade" (Gl 5.6). A fé, para a salvação, é uma fé tão vital que não pode prescindir da expressão do amor, da obediência para com o Salvador e de serviço ao próximo. A fé que consiste na confiança em DEUS, para o perdão dos pecados, mas que não inclui, da parte do pecador, um sincero arrependimento do pecado e também um compromisso ativo com CRISTO como Senhor, não corresponde à fé para salvação segundo o NT. 
(2) É antibíblico enfatizar a "fé" em si mesma, e ignorar o amplo desígnio da salvação e daquilo que ela significa. A salvação pela fé inclui não somente ser salvo da condenação, mas também ser salvo para comunhão com DEUS, para santidade e para serviço, i.e., a prática das boas obras (Ef 2.10)

4.16 PARA QUE SEJA SEGUNDO A GRAÇA. Se a salvação, a justificação e a justiça que DEUS outorga viessem pela nossa perfeita obediência à Lei, ninguém seria salvo, porque ninguém jamais a cumpriu de modo perfeito. Mas, posto que a salvação é pela fé, mediante a graça, poderão ser salvos todos aqueles que buscam a DEUS. Ele, por sua misericórdia, perdoa os nossos pecados e outorga-nos a sua graça (i.e., seu Espírito e seu poder), para regenerar nossa vida e nos tornar seus filhos.

Sexta: Jo 8.37-56 = A Justiça de DEUS imputada a Abraão pela fé 

8.42 SE DEUS FOSSE O VOSSO PAI. Aqui, JESUS declara um princípio fundamental da salvação, a saber, a evidência de sermos verdadeiros filhos de DEUS (i.e., nascidos de novo da parte de DEUS) está na nossa demonstração de amor a JESUS. Então, devemos manifestar uma fé sincera e obediente. Do contrário, é falsa a afirmação de sermos filhos de DEUS (vv. 31,42;10.2-5,14,27,28; 14.15,21). 

8.44 É MENTIROSO E PAI DA MENTIRA. A mentira é uma destacada característica do diabo. Ele é a fonte geradora de toda a falsidade (Gn 3.1-6; At 5.3; 2 Ts 2.9-11; Ap 12.9). É um pecado totalmente contrário à mente de DEUS, que é a verdade (Ap 19.11). A indiferença para com o pecado da mentira é um dos sintomas mais claros da impiedade de uma pessoa. Tal pessoa
ainda não nasceu do Espírito (3.6) e está sob a in-fluência de Satanás, como seu pai espiritual (ver 4.24 nota; Ap 22.15 nota). 

Sábado: Gl 3.6-18 A justiça de DEUS imputada a Abraão pela fé. 

3.11 O JUSTO VIVERÁ DA FÉ. Paulo cita Hc 2.4 para ilustrar a justificação pela fé (cf. Rm 1.17). Habacuque enfatiza que quem é justificado pela fé possui a verdadeira justiça interior, pois ele contrasta o justo com o ímpio, cuja alma "não é reta nele" (Hc 2.4). Sendo assim, Paulo cria que a justificação envolvia uma verdadeira justiça interior mediante o Espírito Santo habitando na pessoa.

3.14 A BÊNÇÃO DE ABRAÃO. O conteúdo da promessa de DEUS a Abraão (v. 8) é definido como a promessa do Espírito pela fé (cf. Lc 24.49; At 1.4,5). Receber o Espírito é ter a justiça, a vida e todas as bênçãos espirituais (ver 3.5; 4.6).

OBJETIVOS 

Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a: 
Descrever a conjuntura histórica da chamada de Abraão. 
Identificar as principais personagens da narrativa. 
Reconhecer que a soberania divina não anula o livre arbítrio. 

SÍNTESE TEXTUAL 

Este homem perderia todas as conveniências de uma cidade civiliza- da para ir a um lugar desconheci- do, sujeito a toda sorte de peripécias, a fim de aprender a depender continuamente dAquele que o chamou. Abraão foi este homem. Ele estava talhado para este empreendimento divino. De fidelidade e obediência incontestáveis prestou-se resolutamente aos planos de DEUS. O Altíssimo cercou- lhe de todas as promessas e pôs- lhe à frente um supremo alvo: ser pai de uma numerosa nação. 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA 

Ur foi o centro de uma grande cultura pagã ao sul da Mesopotâmia. Provavelmente fundada em cerca de 2800 a.C., já vivia o seu apogeu nos dias de Abraão. Exercia enorme influência social, religiosa e comercial na região mesopotâmica e além dela. Não obstante, Abraão e seu pai estavam preparados para deixá-la, em obediência às instruções divinas. Alguns anos depois de Abraão partir, a cidade foi saqueada por assaltantes elamitas e ficou perdida para a História durante muitos séculos. 





COMENTÁRIO 

INTRODUÇÃO 

São muitos os exemplos de fé descritos na Bíblia, mas destaca- se, com especial tratamento, o de Abraão, o qual é denominado "pai da fé". A palavra fé, do ponto de vista escriturísticos, tem o significado básico de "fidelidade" (Dt 32.4; SI 36.5; 37.5). Na verdade, o estudo da vida de Abraão é de grande valor pelo fato de ser ele o pai da nação eleita - Israel, e pai na fé de todos os que crêem em DEUS. A sua chamada divina se re- veste de um caráter especial, por ser o ponto de partida para a formação do povo que, em meio aos cananeus idólatras, serviria a DEUS, como único, invisível e verdadeiro DEUS. 
A vida do patriarca Abraão sem dúvida alguma causa admiração em qualquer leitor da Bíblia Sagrada, pois este homem, sem ter acesso a nenhum escrito sagrado, vivendo 430 anos antes da lei ser promulgada, obteve testemunho e justificação da parte de DEUS, uma vez que a Bíblia declara que Abraão creu, e isso lhe foi imputado como justiça (Gl 3.6; Gn 15.6). Se a experiência de Abraão não fosse registrada, a justificação pela fé (Rm 5.1), um dos pilares da fé cristã, não poderia ter sido completamente formulada, pois Abraão é o protótipo do cristão e sua fé o protótipo da fé de um cristão. Muito há o que aprender com o patriarca, e para você, estudante da palavra de DEUS, que quer ser enriquecido e sentir DEUS falando com você, recomendamos a leitura dos capítulos 12 a 25 de Gênesis, que narram a história do patriarca. 
Nascimento Quando seu pai tinha 130 anos. 
Canaã Entrou na Palestina aos 75 anos. 
Ló Libertou seu sobrinho quando tinha 80 anos. 
Ismael Tinha 86 anos quando seu primeiro filho nasceu. 
Sodoma e Gomorra As cidades foram destruídas quando tinha 99 anos 
Isaque Nasceu quando tinha 100 anos. 
Sara Tinha 137 anos quando sua mulher morreu. 
Esaú e Jacó Quando seus netos nasceram tinha 160 anos. 
Morte Aos 175 anos de idade. 

http://www.scriptura.hpg.ig.com.br/complementos/resumo_abraao.htm 

I. A VIDA DE ABRAÃO ANTES DA SUA CHAMADA 

1. O primitivo nome de Abraão. 
ABRÃO, SEU FILHO. A Bíblia, em Gn 11.27, começa a história de uma única família escolhida por DEUS, para por ela trazer a redenção da raça humana. O chefe daquela família era Abrão (nome esse posteriormente mudado para Abraão, ver 17.5), o qual viveu cerca de 2.100 a.C.
NÃO... ABRÃO, MAS ABRAÃO. Abrão significa pai elevado; Abraão significa pai de uma multidão; Ne 9.7; Rm 4.17). Na Bíblia, uma nova experiência com DEUS, muitas vezes, requeria um novo nome para a pessoa, simbolizando aquele novo relacionamento.17.7 PARA TE SER A TI POR DEUS. A razão de ser e a realidade do concerto de DEUS com Abraão era DEUS ser o DEUS único de Abraão e dos seus descendentes (vv. 7,8). A promessa de DEUS de te ser a ti por DEUS é a promessa mais grandiosa das Escrituras. É a primeira promessa, a promessa fundamental, na qual se baseiam todas as demais promessas. Significa que DEUS assume o compromisso, sem reservas, com o seu povo fiel, para ser o seu DEUS, seu escudo e seu galardão (ver 15.1 nota). Significa, também, que a graça de DEUS, seu perdão, promessas, proteção, orientação, bondade, ajuda e bênção são dados aos seus com amor (Jr 11.4; 24.7; 30.22; 32.38; Ez 11.20; 36.28; Zc 8.8). Todos os crentes herdam essa mesma promessa mediante sua fé em CRISTO (Gl 3.16).
Quanto á troca do nome de Abraão é devido à ALIANÇA que DEUS fez com o mesmo, vejamos: 
TROCA DE NOMES: significa que o meu nome passa a ter direito sobre tudo o que o teu nome tem direito e o teu nome passa a ter direito sobre tudo o que o meu nome tem direito, inclusive dívidas. (Gn 17.5/28.13). Eu passo a ter um pedaço do seu nome e você passa a ter um pedaço do meu nome. 

Exemplo: Gn 17.4 "Quanto a mim, eis que o meu pacto é contigo, e serás pai de muitas nações; 5 não mais serás chamado Abrão, mas Abraão será o teu nome; pois por pai de muitas nações te hei posto;" 

A partir daí Abrão passou a se chamar AbraHão (esse "H" é importante, pois vem do nome de DEUS ( YHWH ); infelizmente no português não traduziram com o 'H", porém nas outras línguas, sim. 

DEUS também teria que mudar o seu nome; a partir daí ELE se apresenta como o DEUS de Abrahão. 
Gn 26.24 "E apareceu-lhe o Senhor na mesma noite e disse: Eu sou o Deus de Abraão, teu pai; não temas, porque eu sou contigo, e te abençoarei e multiplicarei a tua descendência por amor do meu servo Abraão." 

Gálatas 3.13= Abrahão recebe o H de DEUS e fica com um novo nome, ABRAHÃO, (recebe o H = ESPÍRITO, pela fé). 


2. Os ancestrais de Abraão. 
Em Atos 7.2,3, Estêvão declara que DEUS apareceu a Abrão, em Ur dos Caldeus, antes de ele habitar em Harã (cf. 15.7; Ne 9.7). A chamada de DEUS a Abrão foi provavelmente o fator motivante na mudança para Harã, de Terá, seu pai. Abrão descendia de Sem (11.10) e tornou-se o pai da nação judaica. 

3. A esposa de Abraão, Sara (Gn 11.29-31; 12.5). 
11.29 E tomaram Abrão e Naor mulheres para si; o nome da mulher de Abrão hera Sarai, e o nome da mulher de Naor era Milca, filha de Harã, pai de Milca e pai de Iscá.30 E Sarai foi estéril e não tinha filhos.31 E tomou Terá a Abrão, seu filho, e a Ló, filho de Harã, filho de seu filho, e a Sarai, sua nora, mulher de seu filho Abrão, e saiu com eles de Ur dos caldeus, para ir à terra de Canaã; e vieram até
Harã e habitaram ali. 
12.5 E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e toda a sua fazenda, que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e vieram à terra de Canaã. 
Nome: Gn 17.15 SARA. Sara significa princesa e denota a posição dela como mãe das nações e reis (v. 16) 
Fé: Hb 11.11 Pela fé, também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido.
Modelo de esposa e Obediência: 1 Pe 3.6 como Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor, da qual vós sois filhas, fazendo o bem e não temendo nenhum espanto. 
Morte: Gn 23.1 E foi a vida de Sara cento e vinte e sete anos; estes foram os anos da vida de Sara.2.E morreu Sara em Quiriate-Arba, que é Hebrom, na terra de Canaã; e veio Abraão lamentar a Sara e chorar por ela.
Sepultura: Gn 23.19 E, depois, sepultou Abraão a Sara, sua mulher, na cova do campo de Macpela, em frente de Manre, que é Hebrom, na terra de Canaã.


II. A CHAMADA DE ABRAÃO 

1. A tríplice ordem de DEUS a Abraão (Gn 12.1). 
Na chamada de DEUS a Abraão, há três determinações nas quais estão a essência do plano divino para ele. 
Nessa ocasião, DEUS não disse a Abrão para onde o conduziria (Hb 11.8). Ao invés de ser informado disso, ele teve de viajar sob a orientação direta do Senhor esperando a hora de poder cumprir integralmente as ordens de DEUS. 
A primeira foi: "Sai-te da tua terra", 
A segunda ordem de DEUS foi: "sai-te do meio da tua parentela". 
A terceira exigência divina foi: "vai para a terra que eu te mostrarei". 
Nenhuma das três ordens de Deus havia sido atendida: Abraão não deixou a sua terra, pois parou em Harã, outra cidade do mesmo país; Abraão não saiu de sua parentela, pois seu pai era o líder da peregrinação; a promessa de que Deus lhe mostraria uma terra não foi aproveitada, uma vez que a direção estava com Terá. 

2. Abraão vai para Harã e Siquém (Gn 12.4-8). Abraão acumulou riquezas em Harã, mas o seu coração não estava naquele lugar. 
PARTIU ABRÃO, COMO O SENHOR LHE TINHA DITO. A narrativa de Abraão, desde o início, chama a atenção para a seguinte verdade: a obediência a DEUS é essencial para o usufruto da salvação nEle. 
(1) Abrão obedeceu à palavra do Senhor. Sua obediência incluiu deixar seu lar e sua pátria e confiar-se ao cuidado de DEUS, na sua orientação divina e nas suas promessas (ver v. 1; Tg 2.17; 1 Jo 2.4). 
(2) Assim como Abraão, todos os crentes em CRISTO são conclamados a deixar sua terra... parentela... e casa do pai (12.1) para seguir a JESUS, no sentido de buscar uma pátria melhor, isto é, a celestial (Hb 11.16; ver o estudo A CHAMADA DE ABRAÃO) 
12.7 E APARECEU O SENHOR A ABRÃO. Esta é a primeira ocasião em que as Escrituras declaram explicitamente que DEUS apareceu a alguém, porém, é justo crer que DEUS já tivesse antes aparecido a Adão e outros (1.28,29; 2.15,16,22; 3.8-21). Esse aparecimento foi uma manifestação objetiva e visível de DEUS na semelhança de um ser humano (c.f. 18.1-3,9-33; Êx 33.18-23). As aparições visíveis do Senhor são chamadas teofanias i.e., manifestações ou aparições visíveis de DEUS (ver Êx 3.2). A terra que DEUS prometeu que daria a Abrão era a terra de Canaã (o nome antigo da Palestina), ao longo do litoral sudeste do mar Mediterrâneo.

3. Abraão muda de Siquém para Betel (Gn 12.8). Foi em Betel, "casa de DEUS", que Abraão edificou um altar ao Senhor. 
Gn 28.19 BETEL. Betel significa a casa de DEUS e pode representar qualquer lugar onde DEUS está presente num sentido muito especial.


III. O CARÁTER DA CHAMADA DE ABRAÃO 

A chamada de Abraão tem características valiosas para o nosso ensino. O DEUS que chamou Abraão é o mesmo que continua chamando e convocando homens e mulheres para o cumprimento de seus desígnios. 

1. A soberania de DEUS A soberania divina manifesta-se na vida de Abraão. 

O DEUS que chama é o mesmo DEUS que capacita. Embora Abraão vivesse entre idólatras existia nele o desejo de conhecer a DEUS e a pré-disposição para servi-lo. Para DEUS o que importa é que o vaso esteja disposto a ser cheio, que aquele que é chamado esteja disposto a aprender e a servir. 

2. A escolha de Abraão por DEUS. Tenhamos em mente que DEUS não faz acepção arbitrária de pessoas. 

Rm 4.18 O qual, em esperança, creu contra a esperança que seria feito pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência.
Rm 9.7 nem por serem descendência de Abraão são todos filhos; mas: Em Isaque será chamada a tua descendência.
Gl 3.29 E, se sois de CRISTO, então, sois descendência de Abraão e herdeiros conforme a promessa.
Hb 2.16 Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão.
16 Ora, as promessas foram feitas a Abraão pe à sua posteridade. Não diz: E às posteridades, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua posteridade, que é CRISTO.
Rm 1.3 acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne, 
De Abraão a Davi as promessas foram sendo reiteradas por DEUS que tinha sempre em vista a CRISTO que nasceria da descendência de Abraão que creu em DEUS pela fé e assim todos os que são chamados CRISTÃOS são justificados pelo mesmo tipo de fé de Abraão. 

CONCLUSÃO 

A chamada divina feita a Abraão coloca-o entre aqueles que DEUS em sua presciência conhecia e, por isso, o escolheu para ser o homem a cumprir os seus desígnios. Abraão foi obediente à chamada divina e pautou toda sua vida pelo princípio de fazer a vontade de DEUS. 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES 
Subsidio Histórico 
"A história de Israel tem início com a chamada de Abraão para ser o pai da nação escolhida. No final da lista genealógica que começa com Sem, filho de Noé (Gn 11.10- 26), aparece o nome de Terá, pai de Abraão, Naor e Harã. Terá viveu em Ur dos Caldeus (v.28), a famosa cidade sumeriana localizada às margens do Rio Eufrates, cerca de 241 quilômetros a nordeste da costa atual do Golfo Pérsico. A mais satisfatória reconstrução da cronologia bíblica localiza o nascimento de Abraão em 2166 a.C., uma época em que a cidade de Ur caiu nas mãos de um povo bárbaro e montanhês conhecido por Guti. 
Conforme já foi constatado, Ur era uma cidade da Suméria - a mais importante dentre um complexo de cidades-estado - povoada pela civilização altamente culta dos sumérios pelo menos desde a metade do quarto milênio. A Ur de Terá e Abraão era, por assim dizer, uma cidade altamente cosmopolita, já que não-sumérios como o próprio Abraão e seus antepassados - de origem semítica - lá viveram e fundiram seus conhecimentos intelectuais e sua cultura com o lastro cultural dos sumérios. 
Visto que, por aqueles tempos, Sargão (2371-2316) estabeleceu em Agade o Império Acadiano, de dominação semita, aproximadamente 321 quilômetros a noroeste de Ur, é quase certo que Abraão fosse bilíngüe, dominando tanto a língua sumeriana quanto a acadiana." (História de Israel no Antigo Testamento, CPAD, págs. 12 e 13) 
"Era homem muito sensato, muito prudente, de espírito grande e tão eloqüente que podia per- suadir quem quisesse. Como nenhum outro o igualava em capacidade e em virtude, ele mostrou aos homens conhecimento da grandeza de DEUS muito mais perfeito do que o tinham antes. Foi ele o primeiro que ousou dizer que existe um só DEUS; que o universo é obra das suas mãos e que é unicamente à sua bondade e não às nossas próprias forças que devemos atribuir toda a nossa felicidade." (História dos Hebreus, CPAD, pág. 55) 
"Como Abraão veio conhecer a DEUS em meio a tanta idolatria? (Js 24.2). Está confirmado pela História e pela Arqueologia que a religião dos povos primitivos era monoteísta (Rm 1.20). Além disso, Sem foi contemporâneo de Abraão durante 150 anos, conforme capítulos 5 e 11 de Gênesis, e pode ter-lhe transmitido diretamente a revelação divina. DEUS também podia revelar-se diretamente a ele, pois é soberano, inclusive na chamada - ver Marcos 3.13." (A Bíblia Através dos Séculos, CPAD, pág.106) 
Leia mais Revista Ensinador Cristão, CPAD, n° 12, pág.36 

GLOSSÁRIO 

Cônjuge: Cada uma das pessoas ligadas pelo casamento em relação à outra. 
Desígnio: Intento, intenção, plano, projeto, propósito. 
Dispensação: Período de tempo no qual DEUS se revela de modo distinto e particular ao ser humano. 
Escriturístico: Relativo às Escrituras Sagradas, a Bíblia. 
Essência: Aquilo que constitui a natureza das coisas; substância; o que constitui o cerne de um ser. 
Êxito: Resultado feliz; bom sucesso; bom êxito. 
Genealogia: Série de antepassados; estirpe, linhagem. 
Implícito: Que está envolvi- do, mas não de modo claro; tácito, subentendido. 
Incluso: Incluído, compreendido. 
Indefinido: Qualidade do que não está definido. 
Linhagem: Genealogia, geração, estirpe, família. 
Progenitor: Aquele que procria antes do pai; avô, ascendente. 
Promissor: Cheio de promessa; feliz, próspero, promitente. 



BIBLIOGRAFIA SUGERIDA 

• A Bíblia Através dos Século s, António Gilberto, CPAD. 
• História de Israel no Antigo Testamento, Eugene H. Merrill, CPAD. 
• História dos Hebreus, Flávio Josefo, CPAD. 
• O Antigo Testamento Interpretado, R.N.Champlin, CPAD. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS