TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

segunda-feira, 9 de março de 2015

MENSAGEM 10 - SERVI AO SENHOR COM ALEGRIA

SERVI AO SENHOR COM ALEGRIA
Salmo 100.2a

Sl 100.2a - Prestem culto ao Senhor com alegria (NVI)
Sl 100.2a - Servi ao Senhor com alegria (ARC)

Introdução: Este salmo é uma exortação a louvarmos a Deus e nos gloriarmos Nele. Somos estimulados a prestar-lhe culto ou a servi-lo com alegria.
Porém, surge-nos uma grande dúvida nesse ponto: Como podemos servir com alegria? É muito fácil falarmos da alegria de ser cristão quando nossas finanças estão em dia, quando nossa família está vivendo de maneira harmoniosa e quando estamos conseguindo ter bons relacionamentos com os demais; mas quando tudo isso não está sendo vivido em nossas vidas, tal conselho do salmista parece ser absurdo e sem sentido.
Homem algum deve buscar uma vida cristã feita por obrigação. Ninguém deveria estar aqui por obrigação. É certo que muitas vezes somos forçados a fazer determinadas coisas, mas isso se dá porque ainda relutamos em aceitá-las, isto se deve a nossa natureza pecaminosa. Contudo, não devemos nos escusar de buscar a alegria em fazer as coisas do Senhor.
Acredito que para servirmos ao Senhor com alegria precisamos compreender três verdades: 1) Quem nós éramos; 2) Quem somos hoje; 3) Quem é Deus.
Para melhor compreendermos estas três verdades, iremos analisar as palavras do apóstolo Paulo a igreja de Éfeso (Ef 2.1-10).


1 – Quem nós éramos antes da graça de Deus nos alcançar?
(Ef 2.1-3 – 1.Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados. 2.nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência3.Anteriormente, todos nós também vivíamos entre eles, satisfazendo as vontades da nossa carne, seguindo os seus desejos e pensamentos. Como os outros, éramos por natureza merecedores da ira).
A visão bíblica do ser humano não é uma visão otimista, isto é, não vê o homem como um ser inerentemente bom. A afirmação bíblica anda na contra mão do que à antropologia, psicologia e sociologia diz a respeito do homem.  Algumas correntes da antropologia, psicologia e sociologia partem do principio que o homem é bom em sua natureza. Elas acreditam que o homem se torna mal por causa da sociedade que o induz ao mau caminho. Ninguém nasce ladrão, mentiroso, egoísta, etc.. As pessoas se tornam más porque aprendem a serem más.
Os livros de auto-ajuda são em grande parte manifestação desta filosofia de que o homem é bom, por isso em sua grande maioria buscam levar as pessoas a encontrarem dentro de si mesmas a força para vencerem o mal.
Esta não é a visão bíblica! A Bíblia afirma que todos nós, fora da graça de Deus, estávamos mortos em nossas transgressões e pecados. 
Conforme podemos ler em Gênesis 3.16 e 17, Deus deu ao homem uma ordem – E lhes deu esta ordem: De toda árvores do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque no dia em que comeres certamente morrerás.
O homem desobedeceu a Deus, optou pelo seu próprio caminho, em satisfazer a si mesmo, em ser seu próprio deus e a morte se tornou uma realidade na história da humanidade. A morte referida no texto é a morte espiritual do ser humano, isto é, a desconexão do homem com seu Criador. Essa desconexão com o Criador gerou outras mortes para o ser humano. Dessa forma podemos afirmar que a morte espiritual é a morte primária, que desencadeou outras desconexões na vida do ser humano.
·        A morte física é A desconexão do corpo e do espírito.
·        A morte emocional (psique) é a desconexão de nossos valores e princípios da nossa práxis de vida. (não fazemos o que queremos fazer – deixamos de ser seres íntegros).
·        A morte eterna ou segunda morte é a desconexão para sempre de Deus.
Talvez você se pergunte ou já se perguntou: como podemos estar mortos se estou aqui vivo? Contudo a vida já não está mais em nós, estamos desconectados da fonte da vida, do Criador. Só estamos desfrutando da vida, porque Deus ainda por sua graça está sustentando nossas vidas.
Somos mais ou menos como nossos “celulares”. Enquanto nosso celular está conectado a uma fonte de energia, ele tem vida para sempre, entretanto quando o desconectamos da fonte de energia, ele tem pouco tempo de vida, somente até a bateria descarregar. Nós porque nos desconectamos do Deus criador no Éden temos alguns dias de vida, alguns poucos anos de vida. Se você não se conectar novamente com o Deus Criador você morrerá a “morte eterna”. Você estará desconectado para sempre de Deus, isso é o inferno. Viver ausente de Deus é inferno. Inferno é o lugar onde Deus não se faz presente, onde a graça de Deus não se manifesta, onde a misericórdia de Deus não é conhecida... isso é inferno!
A morte espiritual nos leva naturalmente para a “morte eterna”. Esse é o nosso destino sem a graça de Deus. Eu e você estamos condenados a “morte eterna”.
O apóstolo Paulo não somente afirma que estávamos mortos como também afirma que vivíamos dominados pelo pecado.

1.2 – Como vivíamos antes da graça de Deus nos alcançar?
A palavra “costumávamos viver” no grego é a palavra peripateo (peri – andar; pateo – em torno, andar ao redor). Nós andávamos em torno do pecado, não era algo pontual, significa que vivíamos no pecado, que fazíamos a escolha pelo pecado.
Paulo diz que vivíamos desta forma quando seguíamos a presente ordem deste mundo, isto é, quando vivíamos os valores da cultura deste mundo.
Paulo está dizendo que antes da graça de Deus se manifestar a nós, vivíamos conforme os princípios e valores do presente século. Sendo que nós segundo o próprio apóstolo Paulo não deveríamos viver em conformidade com este mundo (Rm 12.2 – Não vos conformeis com este mundo...).
 Nossas escolhas eram determinadas pelo que a cultura dizia e não pelo que as Escrituras diziam. Vivíamos baseados no que a sociedade estabelecia como verdade e não no que a Bíblia dizia ser a verdade. 
Portanto vivíamos subjugados por essa cultura rebelde, do presente século, que tem como mentor Satanás, o príncipe do ar, que trabalha para que sejamos cada vez mais dominados por nossa natureza pecaminosa.
Infelizmente muitos que se dizem cristãos hoje tem se rendido a cultura do presente século, deixando de lado os valores e princípios do Reino de Deus. Estes têm se conformado, se moldado à forma de viver de nossos dias, porque esqueceram que esta cultura rebelde está sob o domínio de Satanás, conforme afirmou o apóstolo João: esse mundo jaz no maligno (1 Jo 5.19), e novamente se colocam debaixo do julgo do diabo.

Conclusão 1: Antes da graça éramos cadáveres ambulantes (zumbis), perambulando por este mundo debaixo do poder do pecado, vivendo aprisionados pelo sistema dominado por Satanás, que trabalha intencionalmente e intensivamente para que nossa natureza pecaminosa nos dominasse cada vez mais. Estávamos condenados a vivermos eternamente separados de Deus. Sem poder algum para vencermos Satanás e o nosso destino a morte eterna. Em fim sem a graça de Deus somos merecedores da condenação, da ira de Deus. Sem Deus estamos mortos!
Talvez você esteja se perguntando: Como essa verdade pode me ajudar a servir a Deus com alegria e gratidão?

2 – Quem é o Deus da graça que nos transformou?
(Sl 100.3 – Sabei que o Senhor é Deus...)
(Ef 2.4-9 – 4.Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, 5.deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos. 6.Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, 7.para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus. 8.Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; 9.não por obras, para que ninguém se glorie).
 Quem é Deus? Deus é espírito, infinito, eterno e imutável em seu ser, pleno em sabedoria, poder, santidade, justiça, bondade e verdade. Essa é uma forma de descrevermos Deus a partir de sua natureza.
Contudo creio que essas descrições de Deus não dizem muito para nós, isto é, ela não nos leva a compreendermos o amor de Deus por nós, não nos estimula a vivermos e servirmos Deus com gratidão e alegria. Devemos compreender Deus a partir de Sua obra em nós, desta forma compreenderemos Seu amor por nós e o serviremos com um coração grato e cheio de alegria.
Uma vez que caiu a ficha de quem somos sem a graça de Deus, se torna mais fácil amarmos quem tanto nos amou.
Deus é justo - O que é justiça? Justiça é a virtude de dar a cada um aquilo que é seu por direito. Quando a justiça é feita? Quando recebemos aquilo que merecemos e que é nosso por direito.  
Nós merecemos a morte eterna, porque somos maus por natureza desde a queda no Éden. Merecemos a morte porque herdamos de nossos pais a rebeldia. Merecemos o inferno porque servimos ao pecado, vivemos em busca da satisfação do nosso eu, quando fomos criados por Deus para O servir.
Deus é misericordioso - Misericórdia é a junção de duas palavras em latim: miseratio (compaixão) + cordis (coração). Assim, pode-se entender literalmente misericórdia, como "coração compadecido". A misericórdia se manifesta quando alguém deixa de nos dar a punição que merecemos.
Nós merecemos o inferno, uma vida eternamente sem Deus, contudo Deus sendo misericordioso impediu que a justiça fosse feita sobre nós. Deus impediu que o raio caísse sobre nossas cabeças, mesmo sabendo que nós merecíamos.
Deus é gracioso – A graça ocorre quando alguém nos dá um presente sem que nos o mereçamos. Nós merecíamos o inferno, a morte eterna, mas Deus nos presenteou em Cristo com a vida eterna, sem mérito algum de nossa parte (Ef 2.8-9).
Contudo Deus precisava satisfazer a lei do pecado (Rm 6.23 - Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna por intermédio de Cristo Jesus, nosso Senhor!), por isso enviou seu único Filho, Jesus Cristo, a terra para morrer a nossa morte.
Quando Jesus gritou está consumado, ele estava gritando a divida está paga. A sua divida, a minha divida está paga. Ela foi paga por meio do sangue de Jesus que foi derramado na cruz, há dois mil anos.
Cl 2.13 e 14 -  13E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne; vos deu vida juntamente com Ele, perdoando todos os nossos pecados; 14e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu completamente, pregando-a na cruz.
Por causa do sacrifico de Jesus fomos reconectados com Deus Pai, estamos novamente ligados à fonte de vida e não devemos mais nada a ninguém.
Você embora mereça ir para o inferno, você não vai, porque Deus te amou tanto, tanto que enviou Seu Filho Jesus, para pagar a sua divida e transportar você para o Reino dos Céus. Agora em Cristo você tem salvação; em Cristo você tem vida eterna.

3 – Quem nos tornamos após a ação da graça de Deus em nossas vidas?
(Sl 100.3 - ...foi Ele quem nos fez, somos o Seu povo, e rebanho do seu pastoreio)
            (Ef 2.10 – 10.Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos).
O verso dez nos apresenta quem somos agora em Cristo. O salmista diz: “foi Ele quem nos fez”. Paulo reconhece essa verdade ao dizer: “somos criação de Deus” ou conforme outra tradução “somos feitura dele”.
A palavra grega para criação é poiema. A criação é comparada a um poema. Deus ao nos criar Ele estava fazendo uma poesia, isto é, Ele estava expressando Seus sentimentos de amor e de alegria.
Ninguém faz um poema sem intenção. Para se fazer um poema é necessário planejamento, fazer arranjos com as palavras para que elas criem rimas, para que soem de forma agradável aos ouvidos. Deus estava fazendo um poema ao dar vida a você e a mim. Você é um poema de Deus!
A morte ela entrou por meio do pecado da idolatria, quando nossos pais disseram que seriam os senhores e deuses de suas próprias vidas. Neste momento o poema, perdeu a rima, as palavras ficaram desconexas, sem sentido. Nossas vidas se tornaram vazias.  
Contudo, em Jesus, fomos resgatados e novamente Deus recomeçou a escrever nas nossas historia um belo poema. A cada dia Deus nos conduz a uma vida com o propósito de manifestar suas boas obras, de exalar o Seu bom perfume e de nos tornar um poema que todos desejam ler, um poema que manifeste o amor e a alegria daquele que O criou.

Conclusão: Diante do grande amor demonstrado por Deus, qual será sua resposta? O salmista espera que você venha servir a Deus com alegria e gratidão em seu coração.
Qual dos dois estilos de vida tem caracterizado a sua vida? O estilo rebelião que prioriza os valores de nossa sociedade hoje? O estilo poema que busca glorificar o Criador?

Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira

10/02/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Translate

NOTÍCIAS