TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

REFLEXÃO 49 - O CÉU É TOMADO A FORÇA

O CÉU É TOMADO A FORÇA
Mt 11:12

INTRODUÇÃO: Jesus neste texto nos diz que desde os dias de João Batista até agora (refere-se aos dia de Jesus), o reino dos céus é tomado a força. Jesus está dizendo que o céu é tomado por esforço. Os que usam da força se apoderam dele.
João Batista, citado por Jesus, é tido como o último profeta antes de Cristo e o precursor de uma nova era. Ele é considerado o maior dos profetas e o menor do reino de Deus, isso se deve porque João Batista estava exatamente na linha divisória de duas eras, antes de Cristo e depois de Cristo.
O profeta, João Batista, não pregava para agradar, mas para proporcionar profundas mudanças a seu mundo.
Há algumas coisas nesta declaração que precisamos refletir:

1 – Esta declaração não desfaz a afirmação de que a salvação é “graça” de Deus
A princípio estas duas afirmações de Jesus parecem ir na contra-mão da teologia da graça. A teologia da graça afirma que o céu nos foi dado de graça, sem merecimento algum de nossa parte. No entanto, Jesus está nos dizendo que o reino dos céus é tomado a força e os que usam da força se apoderam dele.
Embora a teologia da graça nos pareça ser contraditória quando colocada diante destas palavras de Jesus, elas não são. A salvação nos foi dada mediante o sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo e nisto não temos parte alguma. A salvação nos foi oferecida de graça e por meio da fé somos transportados ao reino dos céus. Mediante esta afirmação você deve estar se perguntando: Por que Jesus diz que o reino dos céus é tomado a força e os que usam de força se apoderam dele? Deus sempre reinou sobre tudo, ou não?
Jesus não está se referindo a salvação, mas a manifestação do Reino, as bênçãos do Reino e aos valores do Reino dos céus.
Paulo nos deixa bem claro que a salvação é dom de Deus para nós homens, provém da graça de Deus e não de obras (Ef 2:8-9).

2 – Esta declaração nos afirma que para tornarmos o Reino do céus parte integrantes de nossas vidas precisamos lutar
A declaração de Jesus “tomado à força” é uma metáfora de uma cidade ou um castelo envolvido numa guerra e que não pode ser conquistado de modo algum, exceto se for tomada de assalto.
Na parábola do semeador Jesus nos deixa isto bem claro (Mt 13:3-9,18-23). Algumas sementes são arrebatadas pelo maligno, ele o faz através da incredulidade. Satanás gera duvidas nos corações dos homens para que percam a Palavra de Deus. Estes nem entram no Reino. Outros ouvem a Palavra e a recebem com alegria. Estes começam a experimentar do Reino, mas logo nas primeiras lutas, provas, perseguições desistem. Estes não estão prontos para renunciar o seu “eu”. Não possuem força para lutar contra suas próprias vontades. Outros ainda ouvem a Palavra, experimentam um pouco mais do Reino, entretanto não possuem força para dizerem não ao mundo e suas tentações. Por isso Jesus disse que o Reino é tomado pela força. Precisamos lutar constantemente contra tudo que se opõem ao Reino.
Quando se fala de usar da força, o texto não se refere à força física, mas a força espiritual. Nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades (Ef 6:12). Para se apoderar pela fé de tudo que Jesus conquistou para nós na cruz é necessário que lutemos contra nossa carne (nosso “eu” que deve estar crucificado), contra o mundo (sistema maligno que tenta nos impedir de aproximarmos de Deus e que será totalmente aniquilado na segunda vinda de Jesus) e contra o próprio Satanás e seus demônios (agem por meio do mundo e muitas vezes de pessoas, e, que será destruído para sempre).
Vivemos numa grande batalha espiritual e não podemos nos esquecer disso, não podemos viver sem essa consciência. Portanto se faz necessário usarmos da força para nos apoderarmos do Reino dos céus. Por outro lado não significa que devamos olhar para tudo como se fossem ações do diabo e fugir de nossas próprias responsabilidades. Discernimento e equilíbrio faz bem a todos.

3 – A declaração de que “os que usam de força se apoderam dele” se referem também a uma vida disciplinada e perseverante
Nós vivemos numa grande guerra espiritual e para tomarmos posse das bênçãos divinas é necessário que lutemos contra todas as artimanhas de Satanás. Para se tomar posse das bênçãos do Reino de Deus é necessário nos mantermos firmes na fé e longe do pecado.
Embora o céu nos seja dado gratuitamente, ele exige um padrão de vida que requer disciplina e perseverança.
Para possuirmos toda a plenitude do reino dos céus é necessário que tenhamos uma vontade decidida de possui-lo. Não importa a crise que vivamos, não importa as perseguições que passamos, não importa as circunstâncias da vida, o alvo todos os dias de nossas vidas deve ser sempre: manifestar as características do reino de Deus.
Uma vida disciplinada é uma vida bem centrada em Deus, uma vida equilibrada em Jesus Cristo nosso Senhor, uma vida aos pés do altar, aberta aos ensinos e direções reveladas pelo Espírito Santo. Isto se adquire numa vida de adoração verdadeira.
A energia de uma alma faminta por Deus e seu Reino estimula e impulsiona, com “violência santa”, o cristão em direção a conquista do reino de Deus.

CONCLUSÃO: Lutemos sem vacilar, sem nos esmorecermos, pelo Reino de Deus. Lutemos para tornar o Reino dos Céus presente em nossas vidas e em nossa sociedade.


Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira

31 comentários:

  1. Texto, sem contexto, vira um pretexto. A salvação é um presente, mas apenas a cristandade quer justificar o pecado e o pecador por meio de uma graça barata.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca diga que a morte do filho de Deus na cruz e uma graca barata.ou vc e doido ou vai ficar...so um burro diria isto

      Excluir
  2. Graça e Paz amado! Fico feliz por sua contribuição para esse blog.
    Perdoe minha ignorância! Não entendi se suas palavras são de afirmação ou de repúdio ao texto.
    Contudo o texto que escrevi é muito claro - salvação é obra inteiramente de Deus. Isso não se questiona e ponto final. Digo mais, só permanecemos na graça por causa da própria graça.
    O texto de Mateus 11.12 - se refere a maneira como o Reino de Deus era alcançado ANTES de João Batista.
    Cristo vem afirmando sua vocação de Messias, e suas palavras abrem agora porta para uma nova manifestação do Reino de Deus.
    Entretanto amado, a experiência de Israel antes do Messias, tipifica bem a nossa caminhada cristã. Já aprendi na prática que permanecer no reino de Deus é um viver de luta constante contra a carne, é um viver constante de disciplina, é um chamado para renunciar todos os dias a si mesmo, é uma luta constante para viver uma espiritualidade que não faz parte de nossa natureza. Me desculpe talvez eu seja pecador demais; contudo a graça de Deus me alcançou e por meio dela me esforço para viver melhor para meu Senhor. Sim me esforço para que o Reino de Deus, que representa seu governo sob mim aumente a cada dia.
    Ah! Quanto a frase texto, fora do contexto, vira um pretexto é uma velha frase usadas pelos professores da hermenêutica e da homilética para aqueles que gostam de fazer um bom omelete com o texto, mas não é o caso aqui. Podemos conversar mais sobre o contexto se assim desejar. Abraços

    ResponderExcluir
  3. caras não entendi nada desse negocio de texto com contexto e omelete viajem nesse nem sei mais se é texto contexto ou ovo frito....kkkk rachei de rir.

    ResponderExcluir
  4. A paz Pr.
    Há uma pessoa que usa deste versículo no púlpito sem explanar ou dar uma pequena saudação. Eu tenho me sentido em comodado, pq pelo menos uma vez no mês ela diz a mesma coisa. A palavra força nesse versículo ñ dá a entender q é perseverança, lutar contra a nossa carne. Agradeço pelo esclarecimento.
    Porque ao invés do irmão lutar contra o mundo e a sua própria carne, ele acha que força é lutar para tomar o lugar e o ministério do outro irmão(a).

    Deus o abençoe Pastor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Devemos cuidar com aqueles que usam textos para justificarem suas ações.

      Excluir
  5. o texto ta ótimo mas o problema é que as pessoas gostam de julgar os outros ,temos que ser mais humildes glória a DEUS por esse texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pr. Póvoa, o sr estar corretíssimo, o texto e antes de Jesus Cristo o autor da verdadeira graça, Parabéns. Deus em Cristo Jesus lhe abençoe.

      Excluir
  6. Obrigado Pastor! Ótimo texto!Grande abraço. Acredito que isso não te incomoda, pessoas que adoram contendas e discussões inúteis. Nem por 1 segundo devemos nos abalar com isso! Jamais!

    ResponderExcluir
  7. Obrigado por nós ajudar, esclarecendo pontos importantes da Bíblia.

    ResponderExcluir
  8. Muito esclarecedor o texto pastor ..
    me ajudou muito principalmente na parte que o senhor coloca muito bem colocado a questão das sementes ..
    Que Deus continue abençoando o senhor poderosamente

    ResponderExcluir
  9. Perdoe-me a ignorância pastor, tenho dúvida. O que é tomado a força?
    A manifestação do reino de Deus na terra que o senhor fala é a manifestação dos dons, a luta contra a carne, ou a minha salvação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Miaroda, vou direto a suas colocações.
      Quanto aos dons... se estes são manifestações, não estão sob o nosso controle, não podemos tomá-los de Deus. Quanto a salvação... esta nos foi dada de graça (não depende de esforço algum de nossa parte). Falamos de uma luta que somos chamados todos os dias, uma luta que envolve nossas escolhas, pois elas apontam a quem servimos.

      Excluir
  10. Obrigado pelo seu esclarecimento Cornélio, ajudou a muitos"pequeninos" que vc nem conhece "de graça recebeu e de graça deu..."
    Mt 25:40

    Fica com Deus grato.

    ResponderExcluir
  11. Pastor, Deus te abençoe. Me esclareceu muita coisa. Impressionante como o senhor consegue dar o recado e ser tão sucinto ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
  12. Paz, ótima escrita parabéns, porém eu entendo que a graça é o único meio que resgata o see humano, não há outro caminho, entendo que o Mestre Jesus fala de uma geração que usava a força como certa para adentrar ao reino dos céus e isso até o dia de João o Batista, porém o marco no mundo espiritual foi Cristo e pela graça sois salvos, os fariseus pela força achavam que se apoderava do reino dos céus, uma figura de linguagem Ele usou , nossa guerra não é contra carne oi sangue, interpretando é viva no mundo espiritual não se preocupe com a carne não somos deste mundo somos eleitos com o voto de Cristo na cruz do calvário, eu não anulo o sacrifício da cruz pela minha força não consigo nada , o apóstolo Paulo sofria com um espinho na carne que não podia se libertar a resposta foi a minha graça te basta, meu ponto de vista é este Deus continue o abençoando meu querido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, somos salvos pela graça, esse é o único caminho que resgata o ser humano.

      Excluir
  13. Parabéns Pr,ótimo texto!!
    Deus lhe abençoe cada dia mais!!
    Muito bom seu esclarecimento sobre este versículo!

    ResponderExcluir
  14. A parte 1 do versículo diz que se "faz violência ao Reino dos céus". Como que, após a violência, se apoderam do reino? Quando se trata do Reino a palavra violência está banida. Jamais alguém pode entrar no céu violentamente, de assalto. O entendimento que diz tratar-se de esforço não pode prevalecer. Entendo que Jesus ironizou seus ouvintes dando a entender que eles se apoderam do Reino pela força da violência. A violência aqui é contra Jesus, pois não queriam recebê-lo. Não é pela força nem violência, mas pelo Espírito. Não existe "violência santa". O julgo de Jesus é leve. Ele é manso e humilde. Como poderia ele suportar a violência? Passagens várias no AT tratam da violência contra a palavra de Deus. No NT nenhuma passagem que fale se salvação tem violência no contexto. Falando em contexto, vejam se há algo sobre esforço. Não. Aprisionam João (violência contra o Reino, isto é, Jesus) e não dão crédito nem a João nem a Jesus (mais violência). Sempre tive dúvidas quanto a essa passagem, pois usavam-na para cometer aberrações, utilizando um contexto inexistente para compreendê-la. Hoje entendo de outra forma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A declaração de Jesus “tomado à força” é uma metáfora de uma cidade ou um castelo envolvido numa guerra e que não pode ser conquistado de modo algum, exceto se for tomada de assalto.
      Quando se fala de usar da força, o texto não se refere à força física, mas a força espiritual. Nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades (Ef 6:12).

      Excluir
  15. Graça e paz pastor, então, se sou salvo pela graça e no caminho eu escolho práticas de pecado, eu continuo salvo? Mesmo e arrependimento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa salvação é 100% graça de Deus. Não temos nada que possamos fazer para sermos salvos. Jesus fez tudo e era o único que podia fazer por nós. Errar, isto é, fazer escolhas erradas são acidentes que ocorrem em nossas vidas. Contudo aquele que vive no erro, este precisa avaliar se realmente conhece a Jesus Cristo. Uma coisa é falhar, outra é viver na falha. Uma coisa é fazer o mal que não quero, outra é viver fazendo o mal.

      Excluir
  16. Graças e paz pastor, então... não foi de graça que alcançamos a salvação, se reconheço isso mas no decorrer da minha vida escolho um caminho de pecados e não me arrependo, continuo salvo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Wandeson! Não sei se entendi bem sua colocação. Primeiro quero afirmar e deixar bem claro para você: Nossa salvação é 100% graça de Deus. Não temos nada que possamos fazer para sermos salvos. Jesus fez tudo e era o único que podia fazer por nós.
      Segundo, com relação a escolhas erradas, eu digo: Errar, isto é, fazer escolhas erradas são acidentes que ocorrem em nossas vidas. Contudo aquele que vive no erro, este precisa avaliar se realmente conhece a Jesus Cristo. Uma coisa é falhar, outra é viver na falha. Uma coisa é fazer o mal que não quero, outra é viver fazendo o mal. Quem tem o Espírito Santo é direcionado a prática do bem, contudo às vezes falha, mas não consegue viver na falha, isto é, no pecado. Paulo falhou, mas não vivia na prática do pecado. Aquele que não peca é mentiroso, mas viver no pecado, nas trevas, não é característica daqueles que são filhos da luz.

      Excluir

Translate

NOTÍCIAS