TRADUTOR

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

sábado, 11 de dezembro de 2010

ECLESIOLOGIA 5 - OS PREJUÍZOS DA DESUNIÃO

OS PREJUÍZOS DA DESUNIÃO


At 2:42-46



INTRODUÇÃO: Quando lemos estes versos que falam a respeito do início da Igreja, não podemos deixar de destacar as palavras que trazem a idéia da união daquela Igreja. Vejam os versos: 42 – e perseveravam (...) na comunhão; 44 – todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum; 46 – diariamente perseveravam unânimes no templo.

As palavras comunhão, estavam juntos, tinham tudo em comum e perseveravam unânimes nos indica a união que era notório entre os irmãos no início da Igreja. Esta união fez com que a Igreja caísse na graça de todo o povo e enquanto isso o Senhor acrescentava dia a dia os que iam sendo salvos (At 2:47).

Infelizmente a Igreja não demorou muito para perder esta unidade tão visível em seu início.



Divisões na igreja primitiva

At 15:1-29 – Com a pregação do Evangelho ao gentios começou a se discutir se os gentios deveriam guardar os costumes dos judeus. Ser circuncidado implicava na obediência também as leis deixadas por Moisés. Se, começaram uma discussão a esse respeito é porque evidentemente Paulo não ensinou para os gentios os costumes religiosos que faziam parte das praticas judaicas. Paulo nos se preocupou em ensinar a guardar o sábado, festas do calendário judaico ou qualquer outro tipo de lei (Col 2:16-17). Para Paulo a salvação era baseada simplesmente na fé em Cristo Jesus. Paulo entendia que a graça de Deus não exigia nenhum tipo de lei, a não ser a lei do amor a Deus e ao próximo. Para que gentios e judeus pudessem se entender e sentar na mesma mesa como irmãos em Cristo, resolveram pedir aos gentios para que cuidassem apenas com três princípios conforme descreve Lucas (At 15:29).

1 Co 3:1-9 – Pensamentos carnais obstruem qualquer pensamento de unidade com Cristo. Os santos que vivem na carne fazem a Igreja parecer com o mundo. Estes crentes carnais discutiam entre eles qual grupo era melhor, usando como pretexto seus mestres. Ao dizerem eu sou de Apolo, de Cefas ou de Paulo, usavam sem o aval de seus mestres, os nomes deles para criarem entre eles desunião.

Paulo chama a atenção dos irmãos de Corinto mostrando a eles que tudo era na verdade feito por Deus, não importa quem pregou, quem colheu, quem regou; isto é, não importa que falava com mais beleza, quem agia com mais determinação, na verdade todos eram servos de Deus, instrumentos nas mãos do Todo-Poderoso para a edificação deles. Portanto não havia razão para divisões. Paulo estava ensinando que os verdadeiros líderes são servos e não buscam autopromoção. Os verdadeiros líderes se prostram e não se levantam na busca de louvor. Os líderes deveriam se arrepender do desejo de autopromoção. Por melhor que possa ser o líder, por melhor que possa pregar, tudo o que faz só tem valor porque Deus está agindo por meio dele. Não existem motivos para ninguém se glorificar. Aquele que é exaltado aqui será humilhado no céu. Deus abate o soberbo e exalta o humilde. O louvor a heróis é um louvor inútil.

Jesus orou para que a Igreja fosse uma (Jo 17:21) e Paulo pede a mesma coisa a Igreja (1 Co 1:10).

Paulo percebeu que a maior ameaça àquela igreja era a desunião. A desunião é um perigo que toda igreja sadia corre. União não significa que pensemos todos iguais, mas que somos capazes de deixarmos de lado nossa própria vontade em prol da maioria. Sempre haverá colisões de pensamentos, mas cristãos maduros não ficam perdendo tempo se colidindo com coisas que não são essenciais.



As causas da desunião (Fl 2:3-5)

Ambição egoísta, vaidade, se julgar superior ao outro. Por trás destas palavras se escondem a idéia de prestigio e poder. As pessoas querem ser admiradas e respeitadas, ter um assento nos lugares principais, ser conhecido e honrado. Mas o exibicionismo não deve ser o alvo dos cristãos. Boas obras feitas em secretos glorificam o Pai. Os olhos dos homens e mulheres ao nosso redor não devem estar voltados para nós, mas para Jesus Cristo. O grande problema se resume em quem governa nossas vidas?

Paulo nos chama a seguir os passos de Jesus. Devemos lembrar-nos que Cristo se fez servo. Ele não abrigava ambições egoístas, nem buscava seu próprio prestigio ou olhava somente para as suas necessidades. Seus exemplo como servo resolve o problema da desunião.

Os cristãos freqüentemente se reúnem para o culto – todos com suas melhores roupas, falando livremente sobre amor e virtude – ao mesmo tempo em que por baixo da superfície há guerra de interesses, línguas agressivas cheias de fofocas e desconfianças acerca de uma porções de assuntos diferentes. Uma irmã fala mal da roupa da outra, um irmão que torce para que os trabalhos da igreja não sejam bem realizados, somente para que no fim ele possa dizer: “Eu sabia que não iria dar certo”. Há pessoas que não fazem nada para melhorar sua igreja.

Entretanto o problema geralmente não é o que parece ser. Na verdade por trás das mascaras está em jogo uma disputa pelo “poder”. Não é apenas um poder no sentido de governar, mas é poder de ser o melhor ou a melhor, de querer ser aparentemente o mais sábio, o mais santo, o mais bem vestido. Pessoas vêm na Igreja não para cultuar a Deus, não para servir o próximo, mas para competir em silencio com todos os que estão ao seu redor.

O que estava causando divisão entre os judeus e gentios na Igreja Primitiva – poder. Estava em jogo o poder. Nenhum dos lados estavam prontos a ceder para a busca de entendimento. Ambos os lados defendiam com sinceridade aquilo que acreditavam ser a verdade. Entretanto esqueceram-se da maior lei que Deus deixou aos homens: o amor.

O que estava causando divisão na Igreja de Corinto – poder. Houve na igreja uma divisão de partidos que queriam tomar a liderança da Igreja. Ao estabelecerem quem era o melhor estariam afirmando com isso que um grupo era melhor que o outro. A soberba esta associado com o poder. O soberbo deseja poder, porque entende que aquele que tem poder deve ser servido.

Alguém já disse: “No fim, tudo se resume numa questão de poder”. O grande problema é quem está no poder? A pessoa que busca louvor para si mesmo, que busca realização pessoal, satisfação da sua vontade humana o faz porque seu “ego” esta no controle de sua vida. Aquele que tem sua vida governada por Jesus Cristo busca satisfazer a vontade de Deus. Para este poder significa servir. Servir significa ser humilde, ser altruísta. Precisamos fertilizar os campos da humildade. Este é o lugar onde a flor da unidade cresce. É o momento de usarmos a toalha e não há espada.



Os prejuízos da desunião

(Rm 2:24) – Pois, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa. Paulo está falando aos judeus que procuravam fazer com que os gentios guardassem as leis que o nome de Deus era blasfemado entre os gentios, por causa das atitudes deles. Eles queriam que os gentios guardassem as leis quando eles mesmos não as guardavam devidamente.

Jesus disse que se amarmos uns aos outros as pessoas saberão que somos seus discípulos. Será que não temos envergonhado o nome de Deus com nossa desunião? A falta de união entre nós só traz lucros para Satanás. Muitas pessoas não vem a Deus porque olham para as Igrejas e as vêem divididas. Se a reputação de Deus no mundo não é boa tem parte de culpa nisso.

(1 Co 12:12-23) – A desunião do corpo traz doenças, enfraquecimento e pode levar a morte. Vários pastores, presbíteros e leigos já morreram por causa de divisões. A boca não pode recusar mastigar a comida e engoli-la, porque se ela não o fizer morrerá junto com o corpo. A mão não pode recusar levar o alimento a boca, porque se ela não o fizer morrerá junto com o corpo. Todos os membros devem trabalhar em unidade, embora sejam diferentes e possuam funções diferentes – o corpo sobrevive graças a essas diferenças.



CONCLUSÃO: Uma vez compreendido os sintomas da desunião, vamos trabalhar para a união de nossa Igreja. Vamos fazer de nossa Igreja a melhor Igreja possível. Para isso ser uma verdade você precisa assumir sua parte nesta luta.





Pr. Cornélio Póvoa de Oliveira

2 comentários:

  1. Meu amado e querido pastor, meus parabéns por esse estudo verdadeiro e abençoado, que Deus continue te abençoando e lhe dando sabedoria dos altos céus ! Deus abençoe a sua vida, a sua família e o seu ministério, fica na paz do Senhor Jesus Cristo !!!

    ResponderExcluir

Translate

NOTÍCIAS